Matérias » América

Dividindo o 'Novo Mundo': os 527 anos do Tratado de Tordesilhas

No dia 7 de junho de 1494 foi assinado o documento que determinava a divisão dos novos territórios entre Portugal e Castela

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 08/06/2021, às 14h33

Planisfério de Cantino (1502) mostrando meridiano de Tordesilhas
Planisfério de Cantino (1502) mostrando meridiano de Tordesilhas - Domínio Público/Académie de Créteil

No ano de 1492, Cristóvão Colombo se deparou, por acaso, com o Novo Mundo, que viria a ser chamado de América. Esse importante fato histórico acabou por desencadear uma enorme disputa entre Castela e Portugal, que anseavam obter o controle dos territórios encontrados.

Era preciso um acordo para que a paz entre os dois Estados fosse estabelecida. Assim, tempos depois, em março de 1494, representantes de João II de Portugal e de Isabel de Castela e Fernando de Aragão se reuniram pela primeira vez em Tordesilhas, para que pudessem realizar um tratado. 

Como Colombo nem ao menos sabia ao certo onde ficavam as terras que encontrara, ele acreditava que o conflito poderia ser resolvido da seguinte maneira: deveria ser traçada uma linha dividindo os novos territórios de norte a sul, a "linha de Colombo". Conforme uma matéria da BBC, tudo indica que ela passava por Cabo Verde e pelos Açores.

Cristóvão Colombo apresenta-se à rainha, de Emanuel Gottlieb Leutze / Domínio Públio/Brooklyn Museum

 

O papa intervém

Fernando e Isabel levaram a proposta do descobridor ao papa Alexandre VI, solicitando que o pontífice mediasse o conflito.

Como o religioso era de origem espanhola e devia favores aos reis católicos, logo aceitou a ideia. No entanto, deslocou a linha divisória 100 léguas a oeste dos Açores e Cabo Verde, uma vez que a proposta inicial favorecia Castela de maneira excessiva.

Contudo, durante o processo, os representantes do rei de Portugal pediram que houvesse um deslocamento da linha divisória para 370 léguas a oeste de Cabo Verde.

O argumento era o de que seria necessário retornar do porto de São Jorge de Mina, na costa do Golfo da Guiné, sem ter que invadir o território castelhano.

Papa Alexandre VI / Crédito: Domínio Público/Palazzo Diamanti

 

Os dois lados entram em concordância

Como Isabel e Fernando acreditavam estar cedendo apenas mar a Portugal, aceitaram o pedido. Foi assim que, no dia 7 de junho de 1494, foi traçada a "linha do Tratado de Tordesilhas". Tudo localizado a leste do meridiano acordado em Tordesilhas seria para Portugal, enquanto o que estava a oeste foi atribuído a Castela.

Porem os castelhanos estavam equivocados. Eles não imaginavam que, dentro da área de domínio português havia um imenso território, o Brasil.

Pedro Álvares Cabral em representação de 1900, de Aurélio de Figueiredo / Crédito: Domínio Público

 

O documento original, escrito em castelhano e assinado por Fernando e Isabel, encontra-se hoje em Lisboa, no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Já a versão em Português, assinada por João II, encontra-se no Arquivo Geral das Índias, em Sevilha.


+Saiba mais sobre o período por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

História Viva. Tudors. A Verdadeira História de Uma Dinastia Gloriosa,  de Jane Bingham - https://amzn.to/36eyOVB

The Hidden Lives of Tudor Women – A Social History, de Elizabeth Norton - https://amzn.to/31V6tjG

As seis mulheres de Henrique VIII, de Antonia Fraser - https://amzn.to/2Woaz2y

Henrique VIII, de William Shakespeare - https://amzn.to/2C4wCCp

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du