Matérias » Egito Antigo

Do incesto a malária: os segredos revelados a partir da múmia de Tutancâmon

Análises em sua poderosa tumba revelaram peculiaridades sobre o faraó celebridade

Paola Churchill Publicado em 14/05/2020, às 11h07

Imagem da Tumba do rei sol
Imagem da Tumba do rei sol - Getty Images

Em 5 de novembro de 1922, os egiptólogos ingleses Howard Carter e Lorde Carnarvon fizeram uma das maiores descobertas históricas da humanidade: a tumba de Tutancâmon, no Vale dos Reis, no Egito.

Seu mausoléu foi encontrado praticamente intacto. O faraó, que morreu em 1323 a.C., com apenas 18 anos, levou consigo carros de guerra, perfumes, estátuas guardiãs, remos de barcos e mais de 700 itens que revelavam o cotidiano da realeza egípcia.

Desde aquele momento, sua vida, reinado e morte geraram a curiosidade de muitas pessoas ao redor do mundo. 

Em 1922, a tumba do faraó foi encontrada intacta/Crédito: Divulgação 

 

 

O verdadeiro Faraó

Por estar extremamente preservado, foi possível realizar análises do material encontrado. O estudo de DNA mostrou que Tut, na verdade, era um garoto de saúde debilitada e com problemas ósseos, precisando inclusive de uma bengala para se locomover.

Com complicações nos pés, historiadores acreditam que a fragilidade do imperador foi consequência do relacionamento incestuoso de seus pais.

Durante um árduo estudo feito pela Journal of American Medical Association, foram examinadas a múmia do rei sol e de mais dez membros da realeza, que os historiadores acreditavam que poderiam ser parentes diretos do jovem, no entanto, apenas três das identidades conseguiram ser realmente reconhecidas.

A partir de amostras do DNA das ossadas, os cientistas conseguiram criar uma árvore genealógica de cinco gerações para o jovem faraó. Descobriram, por exemplo, que seu pai era Akhenaton, que ficou conhecido por tentar abolir o panteão no Egito Antigo e adorar apenas um deus.

Reconstrução feita digitalmente do rosto de Tutancâmon/Crédito: Divulgação 

 

A mãe de Tut é conhecida como a Jovem Dama, mas não teve sua identidade revelada ainda. A única coisa que os historiadores conseguiram desvendar é que ela era filha de Amenhotep III e Tiye, mesmos pais de Akhenaton, fazendo dela sua irmã e esposa.

O casamento entre parentes não era incomum entre a realeza egípcia da época, tanto que ao se tornar rei, Tut casou-se com sua meia-irmã, com apenas nove anos de idade.

A doença

Além de toda a fragilidade em sua saúde e a deformidade óssea, mais uma mazela assolava a vida do jovem governador: a malária.

Com a análise do DNA de Tut, os cientistas encontraram cepas do parasita da doença, indicando que ele foi atingido pela doença, que enfraqueceu ainda mais seu sistema imunológico.

Corpo mumificado do faraó/Crédito: Reprodução 

 

Historiadores acreditam que essa foi a possível morte do jovem, com apenas 19 anos de idade. Tut teve uma fratura em sua coxa esquerda, supostamente após um acidente de carruagem. Como a ferida não conseguiu cicatrizar corretamente e ele já era um menino com a saúde debilitada, não resistiu a grave infecção.


+Saiba mais sobre o Egito Antigo através de importantes obras disponíveis na Amazon:

O Egito Antigo, Ciro Flamarion Cardoso (1982)https://amzn.to/2mUip74

Religião e Magia no Antigo Egito, Rosalie David (2011) - https://amzn.to/2nT5Ngi

O Egito dos Grandes Faraós, Christian Jacq (2007) - https://amzn.to/2n35mjD

Egito Antigo, Sophie Desplancques (2009) - https://amzn.to/2oCfCjr

Tesouros do Egito, Francesco Tiradritti (2000) - https://amzn.to/2n34L1l

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du