Matérias » Personagem

Doris Day: os melancólicos dias finais do ícone que trocou Hollywood pelos cachorros

A atriz atingiu sua fama em 1950, mas decidiu abandonar a carreira e entrar de cabeça em uma vida sem glamour

Nicoli Raveli Publicado em 21/03/2020, às 18h00

Atriz Doris Day em 1960
Atriz Doris Day em 1960 - Wikimedia Commons

Doris Day ganhou a tela dos cinemas nas décadas de 1950 e 1960. Sua carreira começou, de fato, como cantora em 1939, mas ela só conseguiu o devido destaque com suas performances nos filmes Pillow Talk, de 1959 e That Touch of Mink, 1962. No entanto, o que que seus fãs e a atriz não esperariam é que ela seria manipulada pelas pessoas que a cercavam.

Há 60 anos, Mike DeVita era um dos milhares de fãs da artista. Eles trocaram mais de 500 cartas, onde detalhavam situações íntimas de suas vidas. De acordo com o próprio seguidor, Doris era muito confiante, mas foi manipulada a vida toda, geralmente por seus maridos.

Doris Day no set de gravações / Crédito: Wikimedia Commnos

 

Além disso, o homem também afirmou que a mulher ficou abalada quando descobriu, aos 10 anos de idade, que seu pai havia traído sua mãe. “Ela estava procurando o pai que nunca teve com seus maridos”, acrescentou.

Day também foi, supostamente, espancada por seu primeiro marido, o então líder da banda Al Jordan. O casamento teve seu fim, mas causou um profundo desgosto na famosa.

O segundo relacionamento veio para tranquilizar sua vida, mas também chegou ao fim. Foi quando a atriz se relacionou com o produtor Marty Melcher, e não duraria muito: ele a atraiu ao desperdiçar mais de 20 milhões de dólares sem seu consentimento. Na época, Doris, que estava deixando aos poucos o cinema, foi obrigada a participar de um filme para não se endividar.

Em 1976, a estrela casou-se mais uma vez, agora com d’Barry Comden. A separação aconteceu em 1981, quando ele admitiu para o público que tinha ciúmes da relação da mulher com seus cachorros. Desde 2014, a atriz se dedicou exclusivamente a Doris Day Pet Foundation após a morte de seu único filho, Terry Melcher, que lutou contra um melanoma. 

Doris Day e seu filho, Terry Melcher / Crédito: Divulgação 

 

Um ex-funcionário do The Post afirmou que Doris, devido os episódios complexos que havia passado, deixou a carreira para trás e ficou a maior parte dos últimos dez anos em seu quarto ou na cozinha, e mal usou o resto da casa. “Ela só queria falar sobre seus cães ou ouvir sobre o correio de fãs que ela tinha”.

Sua morte ocorreu em 13 de maio de 2019 e despertou diversos relatos sobre os familiares e amigos que a maltrataram. Ryan Melcher, seu único neto, alegou que foi proibido de visitar a avó em seus últimos meses, norma imposta pelo agente da artista.

Em seus últimos anos, a atriz tinha sete amigas íntimas. Elas compareceram ao seu funeral, mas DeVita insiste que seus fãs e seus cachorros se tornaram a família que ela nunca teve.


+Saiba mais sobre Doris Day por meio das obras disponíveis na Amazon

Doris Day: The Story of America's Sweetheart, Janet Hendley (2015) - https://amzn.to/2xf0g8u

The Doris Day Companion: A Beautiful Day,  Pierre Patrick (2009) - https://amzn.to/2WvjCRv

Doris Day: The Incredible Story of America's Sweetheart,  Ian D. Fraser (2014) - https://amzn.to/2J5UPvA

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du