Matérias » Ciência

Drogas antipsicóticas podem aumentar o risco de câncer de mama

Segundo estudiosos da Escola de Medicina da Universidade de Washington, os remédios são prescritos para diversas condições

Rubens de Fraga Júnior Publicado em 16/01/2022, às 08h00

Imagem meramente ilustrativa de medicamentos
Imagem meramente ilustrativa de medicamentos - Divulgação/ Pixabay/ jarmoluk

Rastreando medicamentos fornecidos a mais de meio milhão de mulheres nos Estados Unidos, pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis, descobriram que muitos medicamentos antipsicóticos mais antigos, comumente prescritos, e alguns mais novos, estão associados a um aumento significativo no risco de câncer de mama. Os antipsicóticos são prescritos para uma ampla gama de condições, incluindo depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, demência e transtornos do espectro do autismo.

Embora estudos anteriores tenham descoberto ligações entre o uso de drogas antipsicóticas e o risco de câncer de mama, este é o primeiro estudo a comparar os antipsicóticos mais recentes com as drogas mais antigas e a observar como as drogas afetam os níveis de um hormônio chamado prolactina. Níveis elevados de prolactina foram associados ao câncer de mama.

A prolactina é um hormônio importante envolvido na puberdade, gravidez e amamentação. No entanto, muitos antipsicóticos elevam os níveis de prolactina e podem produzir efeitos colaterais, como irregularidades do ciclo menstrual, produção anormal de leite materno e crescimento anormal do tecido mamário.

Os resultados serão publicados na edição de fevereiro do Jornal of Clinical Psychopharmacology, mas já estão disponíveis on-line.

“Muitas mulheres com doenças psiquiátricas, como esquizofrenia e transtorno bipolar, tomam antipsicóticos por décadas, e eles são essenciais para manter os sintomas sob controle”, disse o primeiro autor do artigo, Tahir Rahman, professor associado de psiquiatria. "Mas tanto os medicamentos antipsicóticos mais antigos quanto alguns medicamentos mais novos aumentam os níveis de prolactina e aumentam o risco de câncer de mama, o que é preocupante. Nós concordamos com esse conselho e acreditamos que os psiquiatras devem começar a monitorar os níveis de prolactina em seus pacientes que tomam antipsicóticos."

Os pesquisadores classificaram os medicamentos antipsicóticos em três categorias, com base em seus efeitos estabelecidos sobre a prolactina. A categoria 1 incluiu medicamentos associados a níveis elevados de prolactina, como haloperidol, paliperidona e risperidona.

Os medicamentos da categoria 2, que tiveram efeitos de médio alcance sobre a prolactina, incluíram os medicamentos iloperidona, lurasidona e olanzapina. A categoria 3 incluiu medicamentos com menor efeito sobre os níveis de prolactina, como aripiprazol, asenapina, brexpiprazole, cariprazina, clozapina, quetiapina e ziprasidona.

Os pesquisadores compararam os efeitos de todas as três categorias de medicamentos antipsicóticos aos anticonvulsivantes e ao lítio, que também costumam ser prescritos para tratar distúrbios psiquiátricos.

Quando comparado com esses medicamentos, o risco relativo de câncer de mama foi 62% maior para mulheres que tomaram medicamentos de categoria 1 e 54% maior para aquelas que tomaram medicamentos de categoria 2, enquanto os antipsicóticos de categoria 3 não foram associados a nenhum aumento no risco de câncer de mama.

Certas drogas são conhecidas por elevar a prolactina e as mulheres que tomaram essas drogas eram mais propensas a ter câncer de mama", disse Rahman. "Mas não detectamos nenhum risco aumentado em mulheres que tomam antipsicóticos que não aumentam os níveis de prolactina".

Em modelos de camundongos, a prolactina pode contribuir para o enfraquecimento dos sistemas celulares que impedem que as lesões pré-cancerosas se tornem câncer de mama. Nas pessoas, os níveis de prolactina tendem a ser mais baixos em mulheres que tiveram mais filhos em uma idade mais jovem do que em mulheres que têm menos filhos ou esperam até serem mais velhas para fazê-lo.

Neste estudo, usando dados coletados de 2012 a 2016, a equipe de pesquisa realizou um estudo retrospectivo e observacional do risco de câncer de mama em mulheres de 18 a 64 anos que tomaram antipsicóticos. Os dados vieram dos bancos de dados IBM MarketScan e Multi-State Medicaid, que contêm informações médicas anônimas sobre mais de 170 milhões de pessoas.

Rahman e seus colegas usaram bancos de dados para saber quais pacientes foram tratadas de câncer de mama durante um período de 12 meses. Em seguida, eles compararam essa informação com pacientes que tomavam remédios antipsicóticos.

Das 540.737 mulheres no banco de dados em uso de antipsicóticos, apenas 914 foram identificadas como tendo câncer de mama. Mas um número significativo dessas mulheres estava tomando medicamentos conhecidos por aumentar a prolactina.

Medicamentos antipsicóticos podem salvar a vida de pacientes que têm episódios psicóticos em que experimentam sintomas como alucinações e delírios", disse Rahman. "Nos últimos anos, os medicamentos foram aprovados para tratar outras condições também, incluindo depressão e transtorno bipolar”.

Em outro estudo recente, a equipe analisou amostras de sangue de mulheres que tomaram a droga antipsicótica aripiprazol (Abilify) como um tratamento complementar para a depressão. Eles descobriram que seus níveis de prolactina não aumentaram e que algumas mulheres que iniciaram o estudo com altos níveis de prolactina experimentaram diminuições nos níveis de prolactina após 12 semanas de tratamento.

Essas descobertas — combinadas com evidências pré-clínicas dos efeitos anticancerígenos de alguns antipsicóticos — inspiraram Rahman e seus colegas a propor o reaproveitamento de algumas drogas antipsicóticas na luta contra o câncer de mama.

“Não queremos alarmar os pacientes que tomam medicamentos antipsicóticos para problemas de saúde mental com risco de vida, mas também achamos que é hora de os médicos rastrearem os níveis de prolactina e monitorarem vigilantemente seus pacientes que estão sendo tratados com antipsicóticos”, disse Rahman.


Rubens de Fraga Júnior é professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná. Médico especialista em geriatria e gerontologia pela SBGG.


Fontes: Tahir Rahman et al, Risk of Breast Cancer With Prolactin Elevating Antipsychotic Drugs, Journal of Clinical Psychopharmacology (2021). DOI: 10.1097/JCP.0000000000001513