Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Curiosidades

Em 1998, stalker de David Letterman virou piada, mas teve uma vida trágica

Margaret Mary Ray ficou conhecida por sua obsessão pelo apresentador e tirou sua vida aos 46 anos após se ajoelhar na frente de um trem

Redação Publicado em 13/02/2022, às 08h00

O apresentador David Letterman e Margaret Mary Ray - Getty Images / Divulgação/Youtube/MinistryOfCCTV
O apresentador David Letterman e Margaret Mary Ray - Getty Images / Divulgação/Youtube/MinistryOfCCTV

Embora a stalker do apresentador David Letterman fosse conhecida pelo mundo por sua obsessão e “loucura”, transformada em uma piada, Margaret Mary Ray teve uma vida difícil antes de colocar um fim a ela no dia 5 de outubro de 1998.

Foi por volta do meio-dia que a mulher, famosa por ter invadido a casa de Letterman uma série de vezes, andou até os limites de uma pequena cidade dos Estados Unidos e se ajoelhou nos trilhos de uma ferrovia.

Um trem de carvão de 105 vagões foi responsável por tirar a vida de Margaret aos 46 anos, após ela ter se tornado uma figura conhecida em Hollywood, em ações contra famosos que geralmente terminavam em sua prisão.

Como relatou a AP em 1998, a mulher tinha esquizofrenia. Crescida no estado norte-americano de Illinois, ela teve dois irmãos que também sofriam com a doença e se mataram ainda quando jovens, de acordo com um relatório da agência de notícias.

Ela tentava ter uma vida normal: se matriculou em enfermagem na Universidade Marquette, em Milwaukee, mas acabou desistindo após alguns anos; se casou em 1973 e teve quatro filhos, porém se divorciou depois de 10 anos e seus filhos vivem com o pai.

No entanto, continuava sendo consumida pela doença mental. Margaret recebia benefícios de invalidez da Previdência Social dos Estados Unidos para doentes mentais, mas às vezes prestava alguns serviços bastante simples na cidade de Hotchkiss, no Colorado, onde vivia.

Muitas vezes passava roupas, cortava ramos de pinheiros para guirlandas de Natal, cuidava da casa de pessoas próximas para manter o fogão a lenha aceso, alimentava as galinhas, entre outras atividades feitas principalmente a amigos.

Stalker de celebridades

Ainda que vivesse com os fantasmas da doença mental, a mulher conseguia manter uma rotina tranquila na cidade até sua obsessão pelo apresentador de talk show David Letterman começar, seguida pelo seu interesse pelo astronauta Story Musgrave.

Tudo começou em 1988, quando ela foi presa por dirigir o Porsche de Letterman em Nova York com o filho de três anos ao seu lado. Depois disso, nos próximos cinco anos, Ray registrou mais oito passagens atrás das grades por invasão, entre outras acusações.

Entre alguns episódios marcantes, repercutidos pela AP News, estão quando a stalker foi encontrada dormindo em uma das quadras de tênis do apresentador; deixou um livro sobre meditação e carta na garagem dele; e outro quando deixou biscoitos e uma garrafa de whisky vazia no saguão da casa de Letterman.

Situações que envolvem perseguições a celebridades geralmente são tratadas com seriedade e são casos de polícia. Ray foi presa, claro, mas o apresentador decidiu levar o caso com humor e falou sobre ela algumas vezes publicamente.

Em um dos tópicos do seu programa, em 1993, o "Top 10 coisas que eu tenho que fazer antes de deixar a NBC", Letterman incluiu: "Enviar formulários de mudança de endereço para aquela mulher que invadiu minha casa."

Outra figura pública perseguida por ela foi o astronauta Story Musgrave, a quem Margaret escreveu cartas, enviou pacotes e até mesmo telefonou. Em uma ocasião, fingiu inclusive ser uma repórter e o entrevistou no Johnson Space Center em Houston.

Musgrave percebeu que não se tratava de uma jornalista de fato quando reconheceu a caligrafia dela e teve a stalker na sua cola até um ano antes dela tirar a própria vida, quando ela bateu na porta da casa do astronauta e abriu as torneiras externas da residência.

Com a notícia da morte de Ray, uma declaração de Letterman anunciou, sem mais comentários: "Este é um triste fim para uma vida confusa". De fato, uma vida confusa e especialmente trágica.