Matérias » Brasil

Em meio à ditadura militar, a guitarra elétrica mudou os rumos da música brasileira

Um grupo de músicos brasileiros usou a guitarra como forma de resistência e expressão de liberdade

Giovanna de Matteo Publicado em 01/11/2020, às 10h00

Imagem meramente ilustrativa de uma guitarra elétrica
Imagem meramente ilustrativa de uma guitarra elétrica - Imagem de StockSnap por Pixabay

A partir da década de 60, o mundo se deparou com modernidades e novos estilos. No universo artístico, clipes inéditos eram lançados, boy bands faziam fama, festivais de música eram os eventos mais esperados pela juventude, e o movimento hippie, que estava caminhando para o auge, era a mais nova moda entre os artistas e compositores.

Transgredir valores morais era o desafio, e o rock'n roll viria a ser o elemento principal entre artistas famosos como Beatles, Rolling Stones, The Beat Boys, e outros.

Entretanto, o Brasil ainda se escondia por trás de barreiras. Sob um regime ditatorial e uma população conservadora, a cultura do rock demorou a se infiltrar, afinal, para florescer ela necessita de um ambiente aberto a mudanças e debates, com uma estrutura moderna e progressista.

Todavia, perante as dificuldades, um grupo composto por diversos artistas, produtores e compositores brasileiros se pôs à frente da mudança, e revolucionou a música por aqui. Eles se autodenominaram Tropicalistas.

Antes de tudo

Nomes como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Os Mutantes, entre outros, se propuseram à fazer uma música diferente dos iês-iês, sambas ou da bossa nova, modelos já enraizados no país.

Misturando elementos externos, como a guitarra elétrica, nunca antes usada no Brasil, e acordes malucos, com letras que empanturravam as mentes de críticas e levavam os ouvinte à um espaço de além-realidade, eles introduziram o "elemento rock" à música nacional.

Nascia então o álbum chamado "Tropicália ou Panis et Circenses". Era diferente de tudo aquilo que os brasileiros já haviam experimentado musicalmente. Mas, como era de se esperar, o grupo balançou algumas estruturas. 

Capa do álbum 'Tropicália ou Panis et Circensis" / Wikimedia Commons

 

O uso da guitarra elétrica já era por si só um afronte. A incorporação desse instrumento pela MPB foi considerada um escândalo aos conservadores, tendo sido até mesmo alvo de um protesto, que reuniu artistas da bossa nova como Elis Regina, e outros gêneros, que acreditavam que o instrumento estrangeiro poderia destruir a música tradicional brasileira.

Obstáculos

Entretanto, não foi esse o maior problema. Os músicos da Tropicália sofreriam repressões e perseguições. Encarados como intelectuais comunistas, por suas músicas incitarem o pensamento livre e contradizerem as morais e os bons costumes, eles sofreram censuras e alguns de seus membros foram detidos e forçados ao exílio.

Manifestantes marcham na 'Passeata Contra a Guitarra Elétrica' / Divulgação / Youtube

 

Foi a partir de novos sons e composições que espetáculos chocantes e símbolos modernos - com o objetivo de chocar e quebrar com os padrões de uma época onde a reflexão era proibida - buscaram a descentralização cultural.

O público foi introduzido a uma nova modernidade, que foi além das estruturas da sociedade e do governo. Para adentrar ao Tropicalismo era necessário que o público expandisse sua visão para outros lados da história, do mundo e da cultura.

O III Festival de Música Popular da TV Record de 1967, por exemplo, é um dos marcos iniciais para a apresentação desse novo estilo musical e estético. O Tropicalismo nascia expondo, e não superando os males da história brasileira, e explorava criticamente as raízes culturais do Brasil. Portanto, a modernidade tropicalista se apresentava através de uma necessária ruptura com os padrões culturais até então impostos.

Caetano Veloso apresenta 'Alegria, alegria" no III Festival de Música Popular / Wikimedia Commons

 

O movimento também abriu portas para que a sociedade, ou ao menos seu público, se expandisse cultural e politicamente, através de uma nova expressão artística carregada de elementos da cultura pop-rock internacional.

Foram também influenciados pelo contexto histórico mundial, exibindo referências sutis ao movimento hippie e de contracultura, ao latino-americanismo libertário (ideologicamente) e ao antropofagismo de Oswald de Andrade.

A paródia ao nacionalismo ufanista e conservador foi o ápice da inovação na música, sintetizando um movimento crítico e criativo que passava a caracterizar a sociedade brasileira urbana e suas mudanças.

Segundo o compositor Gilberto Mendes, a Tropicália pode ser entendida a partir dessa máxima: “assim como o boiadeiro troca o cavalo pelo caminhão, o violeiro acaba seduzido a trocar a viola pela guitarra elétrica."


+Saiba mais sobre a ditadura militar no Brasil por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

A Ditadura Envergonhada, de Elio Gaspari (2015) - https://amzn.to/3b1gql8

Liberdade vigiada: As relações entre a ditadura militar brasileira e o governo francês, de Paulo César Gomes (2019) - https://amzn.to/2Rta71U

Cativeiro sem fim: as Histórias dos Bebês, Crianças e Adolescentes Sequestrados Pela Ditadura Militar no Brasil, de Eduardo Reina (2019) - https://amzn.to/2JUI6vZ

1964: O Elo Perdido. O Brasil nos Arquivos do Serviço Secreto Comunista, de Mauro Kraenski e Vladimir Petrilak (2017) - https://amzn.to/2V0wCh2

Ditadura à brasileira: 1964-1985 a democracia golpeada à esquerda e à direita, de Marco Antonio Villa (2014) - https://amzn.to/2V0Apuy

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W