Matérias » Mundo

Em plena Guerra Fria: A missão secreta que resultou na redescoberta do Titanic

A embarcação ficou inacessível por 73 anos — até a execução de um mirabolante plano em parceria com a Marinha dos Estados Unidos

Wallacy Ferrari Publicado em 05/12/2020, às 09h00 - Atualizado às 09h00

Equipamento robótico ilumina e fotografa o Titanic no fundo do mar
Equipamento robótico ilumina e fotografa o Titanic no fundo do mar - Divulgação

Durante 73 anos, as evidências físicas do mais famoso naufrágio da história da humanidade ficaram inacessíveis; pouco se sabia sobre o local exato do Titanic, suas causas e que tipos de artefatos estariam presentes caso ainda existisse algum resto do navio no fundo do mar. A esperança surgiu no início da década de 1980, com um ousado plano documentado pela revista National Geographic.

Em 1982, um oceanógrafo chamado Robert Ballard dedicava esforços aos estudos do naufrágio, estudando rotas marítimas e caminhos de correnteza para, no futuro, localizar o navio.

Sabendo disso, desenvolveu um aparato técnico capaz de proporcionar iluminação e registrar fotos ou vídeos no fundo do mar. Com um custo alto, ele decidiu consultar a Marinha para solicitar investimentos na tecnologia robótica.

Em plena Guerra Fria, ele se encontrou com Ronald Thunman, na época, Diretor Executivo de operações navais para guerra submarina, que se interessou bastante na proposta do estudioso — porém, não tinha o Titanic como alvo.

A ideia do militar era financiar a pesquisa, e também dedicar esforços na busca dos submarinos U.S.S.Thresher e U.S.S. Scorpion, afundados durante a década de 1960 e equipado com reatores nucleares.

Motores do Titanic deteriorizados após 73 anos no fundo do mar / Credito: Divulgação

 

Proposta aceita

Mesmo sem a permissão militar para trabalhar na busca do Titanic, Ballard topou a tentativa, visto que ao menos poderia concretizar o projeto e, posteriormente, ter fundos para prosseguir a pesquisa sozinho.

A regra, no entanto, era focar nos submarinos durante a missão secreta da Marinha dos EUA. Mesmo assim, Ballard chegou a comentar que havia a possibilidade do Titanic estar entre os dois submarinos, recebendo uma negativa rude do diretor.

Contudo, Thunman especificou uma exceção para as buscas; se Ballard tiver concluído a missão com uma folga no tempo estipulado, poderia fazer o que quisesse com o navio nesse período restante. Quem também estava ciente da regra era o então Secretário da Marinha, John Lehman, que autorizou a missão sem revelar publicamente.

Também localizados no Oceano Atlântico Norte, os submarinos americanos foram localizados em cerca de 4 mil metros de profundidade. Com o auxílio das fotografias, conseguiram constatar o que ocasionou nos abatimentos — além de confirmar a segurança dos reatores em relação a poluição do mar. Com a conclusão das provas, o oceanógrafo tinha apenas 12 dias para caçar o Titanic.

Fotografia registra proa do Titanic completamente deteriorada no fundo do mar / Crédito: Divulgação

 

Lenda naufragada

Uma coisa já chamava a atenção de Ballard durante as buscas dos submarinos: os efeitos das correntezas com destroços afundados.

De acordo com o pesquisador, a maneira com que os objetos mais pesados afundavam com maior facilidade proporcionavam, pela própria física das correntes, uma trilha linear que, se fosse encontrada, poderia levar ao item mais pesado.

Tendo como base os relatos do naufrágio do Titanic, Ballard compreendeu que, pelo fato de ter se partido no meio, o navio espalhou vestígios pelo mar, com a possibilidade de ter formado uma trilha de destroços. "Acabou por se confirmar ser verdade", enalteceu o pesquisador, que conseguiu encontrar a embarcação usando a técnica.

Com diversas fotografias coloridas registrando partes do motor, da carcaça e surpreendentes itens de membros da tripulação, a descoberta se tornou pública em 1985, jogando luz ao fato histórico.

"Mas a Marinha nunca esperou que eu encontrasse o Titanic e, como tal, quando isso aconteceu, ficaram muito nervosos com a publicidade", acrescentou Ballard ao National Geographic.


++Para saber mais sobre o Titanic, confira as obras disponíveis na Amazon Brasil:

Titanic. A Verdadeira e Trágica História e os Atos de Heroísmo de Seus Passageiros, por Rupert Matthews (2014) - https://amzn.to/39QJWZf

Titanic: Minuto a Minuto, Jonathan Mayo (2017) - https://amzn.to/35HRGuU

Titanic - A história completa, Philippe Masson (2011) - https://amzn.to/35IXULh

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W