Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Indígena

Por que o o termo 'índio' não deve mais ser utilizado?

Após queda do veto de Bolsonaro, entenda a problemática que envolve o uso do termo 'índio'

Redação Publicado em 09/07/2022, às 11h00

Mulher indígena segura bebê no colo - Getty Images
Mulher indígena segura bebê no colo - Getty Images

Na última terça-feira, 5, deputados e senadores derrubaram o veto do presidenteJair Bolsonaroque barrava projeto de lei que alterava o nome do 'Dia do Índio' para 'Dia dos Povos Indígenas'. A mudança se fez necessária, uma vez que percebeu-se, nos últimos tempos, a existência de uma problemática no uso do termo 'índio'.

Em entrevista concedida à BBC no ano de 2019, o Doutor em educação pela Universidade de São Paulo e pós-doutor em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos, Daniel Munduruku, explicou os motivos pelos quais o uso dessa palavra é errôneo.

Preconceito

Preconceituoso e ultrapassado, o termo 'índio' nos remete a uma ideia bastante generalista de quem seriam os povos originários brasileiros. Quando ouvimos essa palavra, é a imagem romantizada dos povos originários que nos vem à mente, ou seja, é a figura do "índio" que tem o rosto pintado, uma pena na cabeça e vive em uma oca triangular. 

"É uma palavra que só desqualifica, remonta a preconceitos. É uma palavra genérica. Esse generalismo esconde toda a diversidade, riqueza, humanidade dos povos indígenas", disse Munduruku em 2019 à BBC. "Há a percepção de que essa [a imagem romantizada] é uma figura que precisamos preservar, um ser do passado. Mas os indígenas não são seres do passado, são do presente", aponta.

Daniel considera ainda a existência de uma segunda ideia ideologizada no uso do termo em questão: "A palavra índio está quase sempre ligada a preguiça, selvageria, atraso tecnológico, a uma visão de que o índio tem muita terra e não sabe o que fazer com ela. A ideia de que o índio acabou virando um empecilho para o desenvolvimento brasileiro."

Por todos esses motivos, o entrevistado acredita que o 19 de abril deveria ser chamado de Dia da Diversidade Indígena e ser encarado de uma outra maneira.

"As pessoas acham que é só uma questão de ser politicamente correto. Mas, para quem lida com palavra, sabe a força que a palavra tem", diz o escritor.

Por que 'indígena'?

Já o termo 'indígena', apesar de semelhante ao primeiro, possui significado bastante diferente. Como explicou Daniel, a palavra 'indígena' significa "originário, aquele que está ali antes dos outros". Ele, quem pertence ao povo Munduruku, hoje situado em regiões do Pará, Amazonas e Mato Grosso, aponta que o termo mais recente diz muito mais a respeito dos povos originários.

Crianças Yanomami / Crédito: Getty Images

"O antônimo (contrário) de indígena é alienígena, aquele que vem de fora. Então, eu uso indígena para reforçar o fato de que somos originários. Além disso, eu não sou um indígena qualquer. Eu tenho um lugar de pertencimento: Munduruku. É importante reforçar a identidade dos povos."

Data para refletir

Tendo em vista o problema, o entrevistado sugere que o dia 19 de abril deixe de ser encarado como uma data comemorativa nas escolas brasileiras.

"É uma data para a gente refletir. Deve gerar nas pessoas um desejo de conhecer, de entrar em contato com essa diversidade dos povos indígenas", defendeu. "Houve um avanço muito grande na sociedade. Mas, sem dúvida nenhuma, hoje ainda se reproduz muito desse imaginário do "índio". E isso acontece por causa da escola. A escola é a última instituição a se atualizar."