Matérias » Entretenimento

Entenda o episódio real que inspirou o filme 'A Batalha Esquecida', da Netflix

Saiba mais sobre a Batalha do Rio Escalda, reproduzida no filme que tem impressionado espectadores

Paola Orlovas, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 19/10/2021, às 16h59

Cena do filme (à esqu.) e soldados canadenses em uma praia durante a Batalha do Rio Escalda
Cena do filme (à esqu.) e soldados canadenses em uma praia durante a Batalha do Rio Escalda - Provincial Archives of Alberta via Wikimedia Commons e Divulgação/Netflix

O filme A Batalha Esquecida, lançado na Netflix no último mês, reproduz eventos reais e pouco discutidos: são os acontecimentos da Batalha do Rio Escalda, que se deu entre setembro e novembro de 1944.

No longa, os desdobramentos do conflito real são misturados com a ficção e direção de Matthijs van Heijningen Jr. Dentro do elenco há atores conhecidos, como Jan Bijvoet (de Peaky Blinders) e Tom Felton (de Harry Potter). Vale ressaltar que no filme os personagens são meramente fictícios.

Atores do filme
Crédito: Divulgação/Netflix

 

Travada no norte da Bélgica e sudoeste da Holanda, a batalha, por parte dos aliados, tinha como objetivo libertar portos na Antuérpia, regiões próximas — onde haviam vilas e cidades — e o rio Escalda, que até então estavam sob o comando dos nazistas.

O conflito foi liderado pelo Tenente-General Guy Simonds, do Primeiro Exército Canadense. Os esforços e sacrifícios dos soldados canadenses, no final, trouxeram pontos seguros e estratégicos para os aliados enquanto a Segunda Guerra Mundial chegava ao fim.

Tudo ao mesmo tempo

Havia diversas operações lideradas simultaneamente pelo Primeiro Exército Canadense na região do rio Escalda, eram elas: libertar a Antuérpia e áreas adjacentes do comando nazista, ganhar acesso a cidade de Zuid-Beveland, conseguir tirar tropas alemãs de Breskens e do Canal Leopold e capturar a ilha holandesa de Walcheren.

Soldados com trator na praia
Soldados canadenses com um trator de guerra atolado, outubro de 1944 / Crédito:  National Archives of Canada / Wikimedia Commons

 

No início de outubro de 1944, as tropas canadenses começaram a avançar até o norte da Antuérpia e o Canal Leopold, lutando para fazer com que o exército nazista fosse enfraquecido e os aliados avançassem.

Até metade do mês, conseguiram chegar até um dos destinos previstos em suas operações, a cidade holandesa de Zuid-Beveland, localizada entre dois canais do rio Escalda.

Aliados no comando

Mesmo com um grande número de perdas e causalidades, o Tenente-General Guy Simonds e o Marechal de campo Bernard Montgomery, ao tornarem a obtenção de áreas próximas ao Escalda a prioridade de suas tropas, conseguiram fazer com que em 31 de outubro boa parte do local já estivesse sob comando dos aliados.

Soldados canadenses em Escalda
Soldados da marinha britânica na ilha de Walcheren / Crédito: Imperial War Museum via Wikimedia Commons

 

A última dificuldade encontrada pelo exército, ao lado de tropas britânicas e da resistência belga, foi a tomada da ilha de Walcheren, na Holanda. Para conseguirem o feito, tiveram que atacar de três lados diferentes, bombardear a área, e usar submarinos.

No total, mais de 42 mil canadenses deram suas vidas durante a Segunda Guerra Mundial, buscando dar um fim ao nazismo ao lado dos aliados.

Grande parte daqueles que morreram na Batalha do Rio Escalda foram enterrados em um dos cemitérios da Comunidade Britânica de Nações. Há 848 covas de canadenses enterrados em um na Bélgica e 968 covas na Holanda.