Matérias » Brasil

A entrevista em rede nacional que desmascarou Suzane von Richthofen

Passado nove meses em liberdade provisória, a verdadeira face manipuladora de uma das assassinas mais conhecidas do Brasil veio à tona após uma matéria exibida pelo Fantástico

Fabio Previdelli Publicado em 06/02/2020, às 13h30

Imagem de Suzane von Richthofen
Imagem de Suzane von Richthofen - Reprodução

Ré confessa da participação no assassinato dos pais, Suzane Louise von Richthofen passou nove meses em liberdade provisória — entre 2005 e 2006 — por, segundo o Superior Tribunal de Justiça (STF), não representar riscos à sociedade.

Mas essa situação mudou no dia 10 abril de 2006. Na ocasião, Suzane retornou a prisão a pedido do Ministério Público, que considerou plausível a possibilidade dela fugir, além de representar um risco para seu irmão Andreas — testemunha do crime e beneficiário dos bens de Manfred e Marísia.

Assim, Suzane se entregou por volta das 20h no 89º DP, no Portal do Morumbi, zona oeste de São Paulo. De lá, ela foi transferida até o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde ficou até o fim do dia.

Suzane von Richthofen ao lado do irmão e dos pais / Crédito: Wikimedia Commons

 

Mas por que houve essa reviravolta? Tudo começou em 9 de abril de 2006, um dia antes da prisão, quando o programa Fantástico, da Rede Globo, exibiu uma entrevista exclusiva com Suzane.

A reportagem mudaria drasticamente esse cenário de liberdade da moça. Usando roupas com estampas infantis — visual de praxe da assassina — Suzane foi flagrada pelas câmeras do programa recebendo instruções de Denivaldo Barni, procurador jurídico e seu anjo protetor, para chorar durante a entrevista: “Fala que eu não vejo... chora...”.

Suzane rebate: “eu não vou conseguir”, então Barni encerra: “Você está feliz? Então você está feliz. Está feliz? Acabou”.

No dia seguinte, em outra entrevista, o microfone colocado em Suzane revela ela recebendo informações do advogado Mario Sérgio de Oliveira sobre o que falar dos irmãos Cravinhos e de como se comportar diante da câmera.

“Acabou. Mais nada. Começa a chorar e fala: ‘Não quero falar mais'. [Fala que] ele mandava, sempre dizendo que se eu o amasse, era pra fazer, e eu nunca quis. E [encerra com] ‘pelo amor de Deus, não quero mais tocar nesse assunto, que me faz muito mal’. Chega”.

Com isso, o promotor Roberto Tardelli usou a entrevista para justificar o pedido de prisão de Suzane. “A possibilidade de fuga era iminente. Descobriu-se a farsa. O tiro saiu pela culatra e ela poderia fugir porque tem pouco a esperar do julgamento [que estava marcado para 5 de junho daquele ano]”, declarou na época.

Segundo Tardelli, a ré conseguiu ficar “ainda mais antipática para a sociedade”, o que poderia complicar sua situação — já que ela seria julgada por júri popular. O promotor também alegou que a liberdade de Suzane poderia colocar em risco a vida de Andreas.

“A permanência da ré em liberdade coloca em risco a vida de testemunha do feito, no caso, seu irmão, Andreas von Richthofen. Tornaram-se públicas as divergências havidas entre Suzane e seu irmão, ora por desacordo na partilha de bens dos falecidos pais, vítimas”, disse.

Denivaldo Barni dando orientações para Suzane / Crédito: Reprodução

 

Para o MP, a entrevista evidenciou uma armação da defesa de Suzane. “Foi uma encenação de péssima qualidade”. Posteriormente, o novo advogado de Suzane, o advogado Mauro Otávio Nacif, admitiu a farsa em uma entrevista à Folha de S.Paulo. "Aquilo é tudo artificial”.

Nacif prometeu que o comportamento de Suzane seria diferente no dia de seu julgamento. "Nada de periquito no ombro, nada de sandália de pantufa, de coelhinho. [Suzane] é uma moça normal de 22 anos, inteligente, poliglota. Eu não era advogado dela na época [da entrevista]. Se eu fosse, jamais ela apareceria de blusinha do Mickey, sapato de coelho”.


++ Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo

Suzane assassina e manipuladora, de Ullisses Campbell (2020) - https://amzn.to/3aFqnVk

Richthofen, de Roger Franchini (2011) - https://amzn.to/2SkxkmG

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.