Matérias » Arqueologia

Confira o rosto de uma das múmias mais enigmáticas do Egito Antigo

Criada pelo brasileiro Cícero Moraes, a reconstrução facial forense mostra o rosto daquele que seria o pai biológico de Tutancâmon

Isabela Barreiros Publicado em 13/03/2021, às 08h00 - Atualizado em 25/12/2021, às 09h00

O crânio da múmia
O crânio da múmia - Centro de Pesquisa da FAPAB

Em meados de 1907, enquanto explorava a entrada de uma tumba no Vale dos Reis, no Egito, o egiptólogo inglês Edward R. Ayrton fez uma descoberta impressionante. A poucos metros de onde o faraó Tutancâmon foi enterrado, a sepultura escondia artefatos funerários e, especialmente, uma curiosa múmia.  

Na época, o advogado norte-americano Theodore M. Davis, que patrocinou a expedição, divulgou a descoberta do estudioso para o resto do mundo como a identificação da tumba da Rainha Tí, mãe do polêmico faraó Aquenáton. Ele acreditou erroneamente que o corpo mumificado era de uma mulher devido a pelve ampla.

Fotografia do sarcófago encontrado na tumba KV 55 / Crédito: Hans Ollermann via Wikimedia Commons

 

Foi assim que o antropólogo australiano Grafton E. Smith ficou responsável por analisar a múmia, afirmando que tratava-se de um indivíduo do sexo masculino. Mudando totalmente a hipótese inicial, o cientista ainda identificou o homem como Aquenáton. A questão, todavia, tornou-se mais complexa do que ele poderia imaginar no período.

A múmia da tumba KV 55

Quando Ayrton e Davis colocaram as mãos na múmia, ela logo se transformou em pó e ossos, resultando apenas em um esqueleto, que se tornou objeto de inúmeras pesquisas. Envolvido em inúmeras controvérsias, os restos mortais se tornaram importantes a partir de sua proximidade com Tutancâmon.

Pesquisadores do FAPAB Research Center, na Itália, apontam que algumas pesquisas identificaram a múmia como o pai genético do faraó menino, novamente Aquenáton. Outros estudos criticaram essas análises, em um quebra-cabeça científico que não parece chegar ao fim. 

Os críticos avaliam que as idades entre o indivíduo e Aquenáton são distintas: o primeiro teria morrido em torno de seus 20 anos, enquanto o faraó teria reinado por 17 anos, falecendo com o dobro da idade da múmia da tumba KV 55. Ainda assim, por se tratar de um período muito antigo, o tempo de governo e idade da morte do rei são contestados. 

A reconstrução facial da múmia / Crédito: Centro de Pesquisa da FAPAB

 

O incesto praticado na família real egípcia também complicou a análise dos resultados genéticos obtidos. Mas os cientistas fizeram uma nova sugestão: o corpo poderia ser de Semencaré, provavelmente o mais misterioso faraó de todo o Egito Antigo, que teria reinado entre 1338 a.C. e 1336 a.C.

Reconstruindo a enigmática múmia

Em março de 2021, pesquisadores do Centro de Pesquisa da FAPAB, na Itália, divulgaram um projeto no qual trabalharam nos últimos meses: uma reconstrução facial da misteriosa múmia da tumba KV 55. 

O projeto foi realizado pelo egiptólogo Michael E. Habicht em parceria com o designer brasileiro especializado em reconstrução facial forense, Cícero Moraes, sob a direção de Francesco M. Galassi, médico e paleopatologista. 

Eles afirmam em comunicado de imprensa que o projeto “traz de volta à vida, de forma metafórica, uma das mais controversas e importantes múmias da história do mundo”.

O trabalho se concentrou na reconstrução do rosto de KV55, uma múmia agora esqueletizada que ao longo dos anos foi atribuída por alguns ao Faraó Aquenáton e considerado o pai biológico do Faraó Tutancâmon”, escreveram os especialistas em sua página no Facebook.

A reconstrução facial foi criada a partir de dados obtidos por Moraes previamente, contando com evidências antropológicas, históricas e genéticas do indivíduo. Os cientistas também analisaram fotos e vídeos da múmia para que conseguissem obter detalhes anatômicos do esqueleto, além de pesquisarem a literatura sobre o indivíduo.

“Embora existam várias teorias e argumentos conflitantes que sempre caracterizarão o debate sobre KV 55, usando as evidências antropológicas disponíveis, escolhemos nos concentrar nos traços faciais desse indivíduo”, apontaram os pesquisadores. 

O projeto apresenta grande importância histórica pois dá face à uma das mais enigmáticas múmias já encontradas no Egito Antigo, cuja identidade permanece em debate. Um estudo antropológico completo ainda será finalizado pela equipe e submetido a um jornal científico internacional.


+Saiba mais sobre o trabalho de Cícero Moraes por meio de seu site clicando aqui.


+Saiba mais sobre o Egito Antigo por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

História do Egito Antigo, de Nicolas Grimal (2012) - https://amzn.to/3b5bJ9S

As Dinastias do Antigo Egito, de Charles River Editors (2019) - https://amzn.to/39ZSY6j

A Serpente Cósmica: A Sabedoria Iniciática Do Antigo Egito Revelada, de John Anthony West (2009) - https://amzn.to/2RtbzBo

Egito Antigo, de Stewart Ross (2005) - https://amzn.to/2K8tuJL

Como seria sua vida no Antigo Egito?, de Jacqueline Morley (2019) - https://amzn.to/2xkwTlL

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W