Matérias » Hollywood

‘Fatty’ Arbuckle: o primeiro caso de escândalo em Hollywood

Em 1921, ele foi o primeiro artista de Hollywood a assinar um contrato de 1 milhão de dólares. Mas, meses depois, um crime sem explicação arruinou sua carreira até seus últimos dias de vida

Fabio Previdelli Publicado em 01/05/2020, às 11h00

‘Fatty’ Arbuckle
‘Fatty’ Arbuckle - Wikimedia Commons

Símbolo das comédias “torta na cara”, Roscoe Conkling Arbuckle (ou Fatty Arbuckle, como era popularmente conhecido), era o ator mais conhecido de sua época. Em 1921, ele foi o primeiro artista de Hollywood a assinar um contrato de 1 milhão de dólares — se esse valor fosse convertido aos dias atuais, teríamos a quantia de 13 milhões de dólares, algo em torno dos 55 milhões de reais.

Entretanto, no final daquele ano, ele foi acusado de um crime tão monstruoso que jamais ele voltou a aparecer nas telonas. Os relatos conflitantes, exagerados e toda a pressão popular, tornaram praticamente impossível determinar o que realmente aconteceu naquele fatídico dia. Ainda hoje, as publicações que reexaminam o caso chegam a conclusões completamente diferentes sobre a culpa ou a inocência de 'Fatty' Arbuckle.

‘Fatty’ Arbuckle e Charles Chaplin / Crédito: Getty Images

 

Porém, os únicos fatos que são indiscutíveis é que, em 5 de setembro de 1921, houve uma enorme festa no Hotel St. Francis, em São Francisco, onde o consumo de bebidas alcóolicas aconteceu de maneira exacerbada  — apesar das leis rígidas de proibição da época.

Outro fator incontestável é que na festança estavam Arbuckle, então com 33 anos, e uma mulher chamada Virginia Rappe, uma aspirante a atriz. Em algum momento da folia, eles acabaram se encontrando e subiram juntos para um dos quartos do hotel.

Mas quando Fatty saiu do quarto, Rappe permaneceu deitada na cama gritando e se contorcendo de dor. Quatro dias depois, ela estava morta em virtude de uma ruptura na bexiga. O principal ponto dessa narrativa, que permanece obscuro desde então, é qual papel Arbuckle desempenhou na morte de Virgínia.

A aspirante a atriz e modelo, de 26 anos, tinha a reputação de ser figurinha carimbada em qualquer festa. Algumas testemunhas disseram que, naquele dia, ela estava muito embriagada e reclamava de não conseguir respirar direito. Por isso, ela teria arrancado as roupas. A atitude pode até parecer estranha, mas Rappe já teria repetido a ação em outras oportunidades.

Virginia Rappe / Crédito: Wikimedia Commons

 

Os detratores de Virgínia usavam isso como evidência da selvageria da mulher. Já seus defensores defendiam que ela tinha uma condição especial na bexiga e que o consumo de álcool costumava causar-lhe tanto desconforto que, quando ela estava embriagada, se despia na tentativa de aliviar sua dor.

De acordo com Maude Delmont, uma das convidadas da festa, depois de algumas bebidas, Arbuckle e Virginia Rappe entraram em um quarto e depois de mais ou menos 30 minutos, Delmont ficou preocupada ao ouvir gritos vindos de lá. Desesperada, ela começou a bater na porta. “Fatty” atendeu tranquilo, mas por uma fresta, ela viu que Virginia Rappe estava na cama, nua e gemendo de dor. Delmont afirma que Rappe conseguiu arfar "Arbuckle fez isso".

Arbuckle, no entanto, testemunhou que ele havia entrado no banheiro e, ao sair, encontrou Rappe já no chão, onde estava vomitando. Depois de ajudá-la a voltar à cama, ele e vários outros convidados chamaram o médico do hotel, que determinou que ela estava intoxicada. Imediatamente, a aspirante a atriz foi levada para outro quarto.

Um dos quartos ocupados por Arbuckle e seus convidados nos dias seguintes à infame festa / Crédito: Wikimedia Commons

 

O que quer que tenha acontecido naquela noite, o estado de Virgínia não havia melhorado após três dias. Já no hospital, os médicos descobriram que ela tinha peritonite — provavelmente causado por sua condição pré-existente. Este teria sido a causa de sua morte, que aconteceu no dia seguinte, em 9 setembro.

Porém, Delmont disse à polícia que Rappe havia sido estuprada por Arbuckle na festa e, em 11 de setembro de 1921, o comediante foi preso. Jornais em todo o país foram à loucura. Alguns alegaram que o excesso de peso de Arbuckle havia feito com que ele a esmagasse enquanto eles faziam sexo. Já outros, ofereciam histórias cada vez mais ultrajantes que consistiam em várias depravações supostamente realizadas pelo ator.

Quando Arbuckle foi a julgamento por homicídio culposo, sua reputação pública já estava arruinada. Delmont nunca foi realmente chamada para depor porque os promotores sabiam que seu testemunho nunca se sustentaria no tribunal devido a suas diversas versões da história.

Apelidado de "Madame Black", Delmont já tinha uma reputação de contratar garotas para festas de Hollywood, usando elas para instigar atos escandalosos e depois chantagear celebridades que faziam de tudo para manter essas situações em sigilo.

Enquanto isso, embora os advogados de Arbuckle tenham mostrado que a autópsia constatava que "não havia marcas de violência no corpo de Rappe” e que “ela não foi violentada”, além do depoimento de várias testemunhas que corroboravam com a versão do ator, foi necessário três julgamentos até que ele fosse considerado inocente.

No terceiro julgamento, em 1922, o júri levou apenas alguns minutos para absolver Arbuckle por unanimidade — ele foi considerado culpado apenas por ingerir bebida falsificada. "A absolvição não é suficiente para Roscoe Arbuckle", disse o júri em um pedido de desculpas por escrito. "Uma grave injustiça foi feita”, relataram.

‘Fatty’ Arbuckle durante julgamento / Crédito: Wikimedia Commons

 

Mas já era tarde demais. A estrela mais bem paga de Hollywood agora era vista como um monstro e era constantemente xingado quando alguém o via pelas ruas. O caso levou ao estabelecimento de um conselho de censura de Hollywood, que determinou que Arbuckle nunca mais deveria trabalhar no setor.

Mas ele jamais se deu por vencido, passando a dirigir filmes de comédia sob o pseudônimo de William Goodrich. Sua volta por cima se concretizaria uma década depois. Em 1933, Warner Bros lhe ofereceu um contrato para um longa-metragem.

Depois de assinar o acordo, ele afirmou: "Este é o melhor dia da minha vida". Porém, naquela noite, ele morreu de um ataque cardíaco nos braços de sua terceira esposa, aos 46 anos. Fatty Arbuckle nunca restaurou completamente sua reputação.


+Saiba mais sobre Hollywood através das obras disponíveis na Amazon

Como a geração sexo drogas e rock n roll salvou Hollywood, de Peter Biskind (Ebook) - https://amzn.to/325Z6Yy

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/39SSK1r

Hollywood, de Charles Bukowski (Ebook) - https://amzn.to/38KJA6I

Vida Sexual das Divas de Hollywood, de Nigel Cawthorne (2000) - https://amzn.to/39F61dM

O grande filme: dinheiro e poder em Hollywood, de Edward Jay Epstein (2008) - https://amzn.to/326MGiU

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W