Matérias Resenha

Filme conta a história íntima de Maria Callas, a mulher que cantou a depressão

O documentário “Maria Callas: Em suas próprias palavras” apresenta os dramas pessoas de uma das cantoras mais famosas do século 20

quinta 6 dezembro, 2018
Capa do filme Maria Callas: Em Suas Próprias Palavras
Capa do filme Maria Callas: Em Suas Próprias Palavras Foto:Wikimidia Commons

Com uma voz melódica e lírica, Maria Callas (1923-1977) é considerada uma das maiores cantoras do século 20. A artista greco-americana era dona de uma interpretação tão poderosa que rendeu a ela o apelido de La Divina – dizia-se que sua voz levava ao céu quem a ouvia.

O canto de Callas variava entre ópera clássica e o bel canto, que é uma tradição vocal e interpretativa que nasceu da Itália no século 17, mas só ganhou popularidade a partir do século 20, principalmente pelo trabalho que Maria fazia.

Notícias Relacionadas

Maria Callas em ação no Covert Garden em LondresGetty Images

Um documentário sobre a vida da cantora, Maria Callas: Em suas próprias palavras, dirigido por Tom Volf, faz uma analise profunda e íntima sobre a vida da cantora que desde pequena foi incentivada pelos pais a entregar sua alma à música, como a artista mesmo a fez durante sua vida.

“Ela expõe em diversos instantes uma visão bem conservadora do papel feminino. O longa-metragem prefere focar nos efeitos do cansaço mental. As imagens coloridas, restauradas, conferem uma vivacidade particular ao todo”, afirma Marcelo Müller, crítico de cinema e membro da Associação Brasileira de críticos de cinema (ABRACCINE), sobre a cantora e o documentário.

A artista se casou uma vez, se separou e se apaixonou pelo milionário grego Aristóteles Onassis, de quem foi amante a partir de 1959. A relação provocou sofrimentos de diferentes níveis, incluindo o de perder um filho no parto. O casal se separou, Onassis se casou novamente, desta vez com a viúva de John Kennedy, Jacqueline Onassis, e Maria viu a imprensa ridicularizar sua vida pessoal.

Maria Callas e Aristóteles OnassisGetty Images

O filme de Tom Volf apresenta esses momentos pessoais da vida da artista e descreve como ela incorporava a depressão à sua arte. A visão humana de um ídolo, essa é a marca do documentário.

“O conjunto é bem-sucedido no que tange ao aprofundamento da visão sobre essa mulher genial, que nem sempre foi feliz ao exercitar seus dotes", explicou Müller, sobre a obra de Volf. "Provavelmente, o grande mérito do filme é a forma respeitosa com que se aproxima de um ídolo dessa envergadura descomunal, lendo-o como gente”.

Mariana Ribas


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais