Matérias » Personagem

Flores e dúvidas sobre a monarquia: como foi o funeral de Princesa Diana

Relembre o sepultamento da amada Lady Di, marcante não apenas pela tristeza do acontecimento, mas também pela posição incerta em que a Coroa britânica foi colocada

Ingredi Brunato Publicado em 22/11/2020, às 13h00

Diana, Princesa de Gales
Diana, Princesa de Gales - Wikimedia Commons

A morte da princesa Diana foi um grande choque para o Reino Unido. Embora na época ela já não fizesse parte da monarquia real oficialmente, por ter se divorciado do príncipe Charles, ainda tinha grande importância simbólica para muitos, sendo chamada pela população britânica inclusive de “princesa do coração”, já que não mais da Inglaterra. 

Para se entender a magnitude de sua perda, é preciso mencionar que figuras como Bill Clinton, na época presidente dos Estados Unidos, e também Madre Teresa se manifestaram a respeito. O astro Michael Jackson também teria cancelado um show após receber a notícia, por ter ficado muito abalado.  

O fato de sua morte ter sido abrupta, em um trágico acidente de carro, apenas tornou a situação ainda mais impactante. As condições nas quais a batida ocorreu também eram polêmicas: Diana havia sido assediada por paparazzis a vida toda, e a ideia que ela havia morrido quando estava mais uma vez fugindo dos cliques de câmeras deixou um gosto amargo na boca dos ingleses, com muitos culpando a mídia britânica pelo fim da princesa. 

Quando a notícia chegou à Família Real, a Rainha Elizabeth II, o príncipe Charles e os dois filhos, príncipes William e Harry, estavam no palácio de Balmoral, na Escócia. Ainda teria havido algum silêncio por parte da Coroa Britânica antes que a realeza fizesse seu retorno para a Inglaterra, e abordasse o assunto da morte de Lady Di publicamente. 

Foram recebidos por um “mar de flores de quase 100 metros de comprimento”, teria descrito a AFP na época. Os buquês eram uma maneira do povo britânico prestar suas condolências pela perda da princesa. 

Flores deixadas pela população britânica / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Funeral público 

Após o divórcio de Charles, Diana havia perdido o direito de uma cerimônia nacional, e no entanto, por conta da pressão popular, que ainda a tratava como parte da monarquia, a Coroa acabou cedendo e realizando um funeral público. 

Vale mencionar também que as críticas à demora da Rainha Elizabeth de se manifestar sobre o óbito também recebeu duras críticas, chegando a abalar a monarquia inglesa; na época, um a cada quatro britânicos se declarou a favor de seu fim. 

No fim, o funeral da mãe de William e Harry contou com diversos elementos em geral reservados à cerimônia funerária de um chefe de estado. Seu caixão foi coberto com o Estandarte Real do Reino Unido, e as bandeiras nacionais hasteadas nos edifícios públicos foram colocadas a meio mastro, em respeito ao luto nacional. 

A caminhada atrás do caixão 

Seus filhos, na época com 15 e 12 anos, assim como o ex-marido Charles, o irmão conde Charles Spencer e príncipe Philip, marido de Elizabeth, andaram atrás do caixão por cerca de meia hora enquanto eram acompanhados atentamente pelas lentes de câmeras. 

Em uma entrevista à News Week em 2017, Harry, que tinha 12 anos quando Diana morreu, relembrou o evento dizendo que: “Minha mãe tinha acabado de morrer, e eu tive de fazer uma longa caminhada atrás de seu caixão, cercado de centenas de pessoas me assistindo, enquanto mais outras milhões assistiam na televisão. Eu não acho que crianças deveriam ter de participar disso, sob nenhuma circunstância. Eu não acho que isso aconteceria hoje". 

Príncipe Harry / Crédito: Wikimedia Commons

 

O irmão da princesa, Charles Spencer, também revelou à BBC nesse mesmo ano que tinha achado a experiência “bizarra e cruel”. 

"Eu fui enganado quando me disseram que eles queriam fazê-lo, o que, claro, não queriam. Foi a pior parte do dia por um tempo considerável, caminhando atrás do corpo da minha irmã com dois meninos que, obviamente, estavam sofrendo demais a sua perda.”, contou o conde. 

Funeral privado 

Já na cerimônia funerária formal de Lady Di, que foi na Abadia de Westminster, houve a presença de diversas celebridades, dentre os quais estavam familiares, amigos e figuras importantes também ligadas à monarquias. 

Margaret Thatcher estava lá, assim como Juan Carlos, Rei da Espanha da época, Constantino II, Rei da Grécia e Naruhito, o Príncipe Herdeiro do Japão (atualmente Imperador do Japão). 

Outras personalidades presentes foram Hillary Clinton, Nelson Mandela, Tom Cruise e Elton John, que era próximo de Diana e cantou a música "Candle in The Wind" em homenagem à ela. 


+Saiba mais sobre a monarquia britânica através das obras abaixo:

Vitória, a rainha: Biografia íntima da mulher que comandou um Império, Julia Baird (2018) - https://amzn.to/2Y80QOZ

Elizabeth I - O Anoitecer de um Reinado, Margaret George (2012) - https://amzn.to/37YWSg4

História concisa da Grã-Bretanha, W. A. Speck (2013) - https://amzn.to/2qcqSnA

A Brief History of the Private Life of Elizabeth II, Michael Paterson (2012) - https://amzn.to/394Qjsq

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W