Matérias » Personagem

Gamal Abdel Nasser, o mais polêmico líder da História do Egito

Líder da revolução que fundou o Egito Moderno, o militar confrontou os interesses do imperialismo

André Nogueira Publicado em 11/03/2020, às 15h07

Abdel Nasser, homem popular
Abdel Nasser, homem popular - Wikimedia Commons

Gamal Abdel Nasser foi o líder mais notório da História do Egito moderno, e uma das figuras mais relevantes na política nacional do país. Carismático, estratégico e absurdamente polêmico, Nasser divide opiniões. 

Militar e político nacionalista, Nasser passou um tempo fora do Egito após a guerra contra Israel, fazendo parte importante de sua formação, iniciada na Real Academia Militar. Porem, após seu retorno ao Egito, começou a ter destaque político. De volta ao país, deu início a um movimento conhecido como Organização de Oficiais Livres, grupo criado junto a Anwar el-Sadat com o objetivo de se opor ao Rei Faruk e retomar a honra do Exército.

A Organização seria responsável pela derrubada do rei e representaria o fim do ciclo colonial realizado pelo Reino Unido no país. A Revolução Egípcia, em 1952, tornou Nasser o centro da política da nação, mesmo que oficialmente o poder estivesse nas mãos de Muhammed Naguib. A derrubada de Faruk deu espaço ao surgimento de um governo popular, que envolveu uma série de disputas.

Abdel Nasser, o homem de sorrido único e caricato / Crédito: Wikimedia Commons

 

O novo governo tentava balancear os compromissos de cada um de seus líderes. Naguib, de cunho liberal, defendia um estado fundamentado numa Assembleia Legislativa defensora das liberdades individuais. Já Nasser, um socialista, propunha um regime unitário e planificado, com o compromisso da igualdade. O conflito foi encerrado em 1954, quando Nasser derrubou Naguib e capitalizou a revolução.

Com o poder, ele deu origem a uma série de reformas radicais pensando na nacionalização das riquezas egípcias e disseminação do pan-arabismo. O capitão tornou o petróleo um bem nacional, expulsou empresas estrangeiras e aumentou o atrito com Israel. Na diplomacia, passou a defender o não-alinhamento, ou seja, a neutralidade na polarização da Guerra Fria, ao mesmo tempo em que apelou para um apoio forte da URSS.

O governo também foi marcado por dois momentos de grande tensão, que colocaram Nasser no centro dos debates mundiais: em primeiro lugar, ele deu de cara com a crise do Canal de Suez, resultando no conflito com as potências imperialistas em nome da nacionalização do trajeto; depois, ele comandou o Egito na Guerra dos Seis Dias, em retaliação a Israel e que acabou em derrota.

Nasser e Khruschev / Crédito: Wikimedia Commons

 

O projeto socioeconômico nasserista envolvia, não só uma noção modernizadora e socialista de industrialização, mas pretendia a total integração política e produtiva do mundo árabe, o pan-arabismo. Uma das medidas mais radicais e polêmicas desse período, por exemplo, foi a unificação do Egito com a Síria num único país: a República Árabe Unida, que durou até 1961.

O programa independentista existia, necessariamente, em decorrência de uma profunda oposição ao imperialismo, o que aumentava o caráter polêmico do presidente. Cooperativas agrícolas e unidades decisórias de trabalhadores foram estratégias do governo para favorecer os egípcios em relação aos interesses internacionais, o que fortaleceu os socialistas no país.

Uma reforma agrária expulsou as multinacionais que exploravam o país africano. Os monopólios estrangeiros passaram para a mão do Estado, e os produtos britânicos e franceses passaram a serem feitos para egípcios, e escritos em árabe.

Nimeiry (Sudão), Nasser (Egito) e Gaddafi (Líbia) / Crédito: Wikimedia Commons

 

 

Um momento em que ficou explícito a falta de noção do militar ocorreu em um pronunciamento televisivo. Era conhecido o fato de que Nasser era contrário à religião no Estado, defendendo a racionalidade moderna no desenvolvimento da laicidade.

Porém, o presidente exagerou no momento em que começou fazer piadas da burka e do hijab, descrito como objetos ultrapassados de um passado indesejável. Nasser debochava de maneira desrespeitosa e ofendeu a sociedade.

Nasser faz chacota e conta piadas sobre os israelenses aos seus soldados: "Os judeus estão ameaçando a guerra - dizemos a eles que são bem-vindos!" / Crédito: Wikimedia Commons

 

Após sua morte, cinco milhões de egípcios (e membros da comunidade muçulmana) se juntaram no Cairo em um dos maiores cortejos fúnebres da História. Muitos acreditam que o militar só veio a falcer por conta de um envenenamento comandado por Anwar Sadat, que assumiu como ditador e antecedeu Hosni Mubarak.


+ Saiba mais sobre Abdel Nasser pelas obras abaixo: 

Nasser: The Last Arab, de Said Aburish (2013) - https://amzn.to/38Jq1uI

The Autocratic Parliament: Power and Legitimacy in Egypt, 1866-2011, de Irene Weipert-Fenner (2020) - https://amzn.to/2xumxiZ

The Political Economy of Reforms in Egypt: Issues and Policymaking since 1952, de Khalid Ikram (2020) - https://amzn.to/2Q5ihwQ

Nasser: My Husband, de Tahia G. A. Nasser (2013) - https://amzn.to/3aL86VZ

Gamal Abdel Nasser and Anwar Sadat: The Presidents Who Shaped Modern Egypt , de Charles River Editors (2014) - https://amzn.to/2Wau3tL

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.