Matérias » Guerras

Há 180 anos, começava a Primeira Guerra do Ópio

Contra a vontade dos ingleses de entrarem na China para vender drogas, o Imperador Daoguang resistiu à Marinha britânica, o que resultou em guerra

André Nogueira Publicado em 03/11/2019, às 00h00

None
Wikimedia Commons

A Primeira Guerra do Ópio foi um dos principais conflitos que marcaram a Era do Neocolonialismo, envolvendo a maior potência imperial da época, a Inglaterra com sua Companhia Britânica das Índias Orientais, e a China governada pela Dinastia Qing. O conflito ocorreu entre 1839 e 1842, resultando na derrota chinesa.

No período, a China e a Índia eram os principais alvos dos comerciantes e empresários europeus, pois as matérias primas e o mercado consumidor desses territórios existiam em grandes quantidades.

No processo de colonização do 19, após as Guerras Napoleônicas e a Revolução Industrial, o grande objetivo das potências era fomentar o livre comércio, para que criassem hegemonia sobre países menos desenvolvidos.

Armazém britânico de ópio / Crédito: Wikimedia Commons

 

Enquanto os britânicos conseguiam entrar na Índia com certa facilidade – em termos comerciais –, a China vinha sendo uma pedra na bota da Rainha. Não havia interesse em produtos europeus ou no livre comércio, e ambos eram visto como ameaças desnecessárias.

O único produto inglês que criou mercado na China era o ópio produzido nas Índias Britânicas. Além de gerar dependência química, o entorpecente tem um efeito relaxante muito atraente. Por isso, na década de 1830, o produto tornou-se popular no país, o que fazia a Inglaterra lucrar exorbitantemente. Por isso, a venda do mesmo foi proibida.

O estopim da guerra envolveu um programa desenvolvido pelo Imperador Daoguang de confisco nos portos chineses. Em uma dessas batidas da guarda chinesa, um dos enviados do Imperador foi assassinado por marinheiros britânicos sob efeitos do ópio.

Como resposta, o Imperador expulsou os britânicos do porto, que tiveram que retornar para a ilha europeia. Daoguang também mandou destruir toda a carga de ópio que havia.

Comissão britânica à China de 1839 / Crédito: Getty Images

 

Quando os barcos britânicos chegaram em Londres, o governo ficou sabendo da atitude do mandatário chinês e declarou guerra contra a China. Então, enviou uma frota bem equipada de navios para tomarem os portos chineses, forçarem a entrada do ópio no território asiático e dominassem parte do território. Como a China era militarmente inferior ao Império Britânico, o resultado foi a derrota e a colonização da China, marcadas pelo Tratado de Nanquim.


Saiba mais sobre neocolonialismo:

1. Coração das trevas, de Joseph Conrad - https://amzn.to/338zc61

2. A Morte que Estrangulou o Coração da África, de Janvier T. Chando e Janvier Tchouteu - https://amzn.to/2WA7yww

3. As Guerras do Ópio: A História e o Legado dos Conflitos do Século 19 entre a Grã-Bretanha e a China, de Charles Rivers Editors - https://amzn.to/2WzCkoU

4. A Companhia das Índias Orientais: sua história e as consequências de sua atividade, de Karl Marx - https://amzn.to/2pwj2ox

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página. ​