Matérias Guerra Fria

Invasão da Baía dos Porcos: O grande fiasco da CIA

Há 57 anos, ataque supostamente ultrassecreto — anunciado antes pelo New York Times e pela Rádio Moscou —terminava com 1202 presos

segunda 16 abril, 2018
Soldados cubanos durante a Invasão da Baía dos Porcos
Soldados cubanos durante a Invasão da Baía dos Porcos Foto:Getty Images

Notícias Relacionadas

Em 17 de abril de 1961, 1500 exilados cubanos desembarcaram na Baía dos Porcos, no sul de Cuba. O embaixador norte-americano na ONU, Adlai Stevenson, repetia que as movimentações, detectadas meses antes, eram ações de um grupo de “cubanos patriotas”. A despeito de o New York Times ter publicado em janeiro que a CIA estava treinando cubanos, com apoio das forças armadas norte-americanas, para derrubar o governo de Fidel Castro. Teria havido ainda um comando especial para encontrar Castro e eliminá-lo. Foi a mais conhecida tentativa de derrubar o ditador cubano.

Em 1960, o então presidente  Dwight D. Eisenhower, preocupado com a ascensão de um líder comunista, deu seu aval para a CIA a trabalhar em um plano secreto. O objetivo era usar exilados do novo regime, a maioria baseada em Miami, para promover um ataque secreto, disfarçando o envolvimento americano. Foram gastos 13 milhões de dólares para treinar cerca de 1500 homens na base de Useppa Island, próxima à Flórida, e também na Guatemala.

Soldados de Castro na Praia Giron Reprodução

O plano foi colocado em ação menos de 3 meses depois de John F. Kennedy ter assumido a presidência dos Estados Unidos. O planejado apoio da Força Aérea Americana acabou vetado por Kennedy, que achava que isso denunciaria o envolvimento dos EUA. Então, a operação foi lançada com pouco apoio logístico. E foi um fracasso total. 

Castro soube do ataque com antecedência e já esperava a invasão na ilha. Che havia passado a informação a ele. Acredita-se que algum dos exilados treinados pelos EUA era um espião que passava informações ao governo cubano. Quando as forças invasoras chegaram à Baía dos Porcos, as tropas de Fidel, treinadas e equipadas pela União Soviética, derrotaram os exilados em três dias. 

Fidel Castro discursa após vitória na Baía dos Porcos Reprodução

Não que Fidel precisasse da ajuda de Che. A Rádio Moscou havia anunciado o ataque quatro dias antes. “O problema para a CIA era criar uma força invasora poderosa o suficiente para vencer... mas não tão forte a ponto de revelar o apoio americano. A invasão, em essência, tinha que ser cubanizada – feita para parecer amadora.” Nesse ponto, a agência fez um belo trabalho: em três dias, os 1202 rebeldes que escaparam da morte estavam na prisão em Havana.

Fábio Marton

Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais