Matérias » Guerra Fria

Há 57 anos, o oficial russo Vasily Arkhipov evitava uma Guerra Nuclear

Em 27 de outubro de 1962, durante a Crise dos Mísseis de Cuba, Arkhipov contestou o disparo de um torpedo contra um navio norte-americano

Joseane Pereira Publicado em 27/10/2019, às 06h00

None
- Wikimedia Commons

Entre os dias 16 e 28 de outubro de 1962, os Estados Unidos e União Soviética levaram o mundo à beira do apocalipse. A Crise dos Mísseis de Cuba, televisionada em todo o planeta no auge da Guerra Fria, só não teve como fim uma guerra nuclear graças à cautela do russo Vasily Arkhipov.

Momentos decisivos

No dia 27, Arkhipov e outros oficiais da Marinha Soviética estavam a bordo do submarino B-59, carregado com armas nucleares. Acima da superfície, a Marinha dos Estados Unidos contava com 11 navios de guerra e o porta-aviões USS Randolph. Embora estivessem em águas internacionais (portanto, proibidos de atacar), os estadunidenses começaram a sinalizar o lançamento de cargas de profundidade.

Para os oficiais russos, esse era um grave sinal. Com grande poder de destruição, as cargas de profundidade nucleares poderiam acabar com o submarino. Além disso, o contato com Moscou havia sido cortado e altas doses de dióxido de carbono estavam presentes no interior do veículo – tornando difícil uma decisão racional.

Foi aí que o capitão Valentin Grigorievitch Savitsky decidiu lançar um torpedo nuclear. Mas a medida deveria ser aceita pelos três oficiais a bordo - e após muita discussão, o comandante da flotilha, Arkhipov, foi contra o lançamento. Convencendo seus colegas a subir para aguardar ordens de Moscou, ele acabou evitando a guerra nuclear, que certamente ocorreria se a arma russa tivesse sido lançada.

Segundo Washington, a indicação sobre o lançamento das cargas foi enviada para sinalizar que os russos subissem à superfície. Mais tarde, o historiador e consultor de John F. Kennedy, Arthur Schlesinger, afirmaria que aquele “não foi apenas o momento mais perigoso da Guerra Fria. Foi o momento mais perigoso da história humana".


Saiba mais sobre a Crise dos Mísseis de Cuba e a Guerra Fria:

1. À Beira Da Guerra Nuclear: Crise Dos Mísseis De Cuba - União Soviética, Cuba E Os Estados Unidos, de Scott S. F. Meaker - https://amzn.to/31FUCGc

2. Treze dias: Uma Memória da Crise dos Mísseis Cubanos, de Kennedy, Robert F. - https://amzn.to/32O8D67

3. O fim do homem soviético, de Svetlana Aleksiévitch - https://amzn.to/2JjLfWg

4. Da Guerra Fria à nova ordem mundial, de Ricardo de Moura - https://amzn.to/32NGlIU

5. A Guerra Fria, John Lewis Gaddis - https://amzn.to/2pefs2e

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.