Matérias » Segunda Guerra

Há 78 anos, japoneses eram derrotados na notória Batalha de Midway

Considerada a mais importante batalha em mar da Segunda Guerra, a disputa entre EUA e Japão impediu uma ocupação nipônica do Havaí

André Nogueira Publicado em 07/06/2020, às 00h00

Batalha de Midway
Batalha de Midway - Wikimedia Commons

Em meados de 1942, a guerra no Pacífico era intensa. Após aumento das campanhas japonesas contra a defesa dos americanos, iniciada após Pearl Harbor, o Império do Sol Nascente iniciou um esforço de criação de um círculo defensivo distante de Tóquio, visando a ocupação de Fiiji, Samoa e Havaí, rumo à Costa Oeste dos EUA. Para tanto, um local estratégico era o Atol de Midway, ocupado por Washington.

Apesar da breve experiência em campo e menos equipamento, a Marinha dos EUA conseguiu antecipadamente a informação de que os japoneses chegariam ao atol, resultando numa vantagem estratégica. Ao interceptar mensagens de rádio, o local do ataque foi determinado, assim como a data.

O plano do Almirante Yamamoto já era de conhecimento de Chester Nimitz, responsável pela defesa dos EUA. Os japoneses, com o dobro de porta-aviões, direcionaram os veículos de guerra ao local, o que obrigou uma mobilização estadunidense.

O comando de guerra, então, ordenou que um contingente de 1.500 trabalhadores industriais fosse transferido para a área de reparos, assim possibilitando o uso do navio Yorktown na batalha — que, de três meses especulados, foi reparado em 24 horas.

Plano Yamamoto: projeto de avanço japonês / Crédito: Wikimedia Commons

 

Assim, foi iniciada à mobilização dos equipamentos. Nimitz criou uma rota de emboscada a partir do nordeste do atol. 100 bombardeiros foram levados à ilha e colocados em posições defensivas. O objetivo era que os japoneses atacassem primeiro.

No entanto, nenhum dos exércitos tinha a opisção exata do inimigo. Os EUA decidiram esperar, enquanto os japoneses optaram por mandar uma rota (insuficiente) de rastreamento.

A frota de análise japonesa revelou a posição e estragou o ataque-surpresa. De imediato, os navios imperiais iniciaram a navegação rumo a Midway, com uma grande cobertura aérea.

O contra-ataque estadunidense foi acionado, e assim foi iniciada uma das maiores batalhas aéreas da Segunda Guerra. Os torpedeiros dos EUA voavam baixo para atingirem os navios, e, como consequência, eram alvos fáceis.

No primeiro ataque, a sorte parecia estar com o Japão: sem nenhuma perda material, contra a morte de quase todos os pilotos do EUA, o moral nipônico crescia. Porém, uma série de erros inverteu o cenário.

Inicialmente, não se tinha certeza quanto ao contingente de navios escondidos dos EUA e, por isso, o bombardeio de Midway sofreu atrasos.

Bombardeiros dos EUA / Crédito: Wikimedia Commons

 

Depois, um defeito no rádio de uma aeronave impediu o alerta antecipado da localização da esquadra estadunidense pelos japoneses, o que possibilitou o início despreparado de um segundo ataque aéreo nipônico, que pôde ser contido. Ao mesmo tempo, falhas de equipamentos dos EUA diminuíram os prejuízos do inimigo, pois a maioria das bombas acabaram no mar.

A batalha se tornou o embate entre a inexperiência estadunidense e a indecisão japonesa. Almirante Nagumo mudou a rota dos ataques diversas vezes, dependendo das informações que chegavam. Com frotas aéreas mais rápidas, o Japão avançou. Porém, novamente de inverteu o cenário quando um tenente de nome Best conseguiu a proeza de explodir o navio Akagi do inimigo.

Então, os ataques destruíram, respectivamente, o Kaga, o Soryu (Japão) e o Yorktown (EUA). Porém, esse último morreu lutando, destruindo uma série de frotas aéreas do inimigo. Então, num ultimo ataque, os EUA lançaram um bombardeio ao grande porta-aviões Hiryu, que resistiu por horas até ser incendiado definitivamente. Junto, afundaram Yamaguchi e Kaku, dois oficiais da marinha.

Hiryu em chamas / Crédito: Wikimedia Commons

 

Com a inesperada vitória dos EUA, a Batalha de Midway foi vencida por estratégia e pela sorte, mesmo diante de tantos erros, e reverteu o cenário geral do avanço do Eixo no Pacífico. Com a perda de seus maiores porta-aviões e impossibilitados de chegar ao Havaí, o Japão começou a perder territórios, o que levou a sua derrota três anos depois.


+Saiba mais sobre a Segunda Guerra Mundial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Box Memórias da Segunda Guerra Mundial, de Winston Churchill (2019) - https://amzn.to/2JWtKex

A Segunda Guerra Mundial, de Antony Beevor (2015) - https://amzn.to/2Rr2xFa

A Segunda Guerra Mundial: Os 2.174 dias que mudaram o mundo, de Martin Gilbert (2014) - https://amzn.to/34DnO3T

Os mitos da Segunda Guerra Mundial, de Vários Autores (2020) - https://amzn.to/2VdiMXa

Continente selvagem: O caos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial, de Keith Lowe (2017) - https://amzn.to/2RqF32D

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W