Matérias » Personagem

Há 86 anos, Albert Einstein chegava aos EUA fugindo da Alemanha Nazista

Em 17 de outubro de 1933, o grande cientista judeu fugia de sua pátria para nunca mais voltar

Joseane Pereira Publicado em 17/10/2019, às 12h00

None
Wikimedia Commons

No ano de 1933, enquanto Einstein visitava os Estados Unidos, Adolf Hitler chegou ao poder. Desde fevereiro daquele ano, a presença dos nazistas no governo alemão já estava consolidada – tornando a presença de judeus em Berlim algo muito perigoso, fossem eles pobres ou ilustres intelectuais.

Viagens ao exterior

Einstein e sua esposa Elsa em 1921 / Crédito: Wikimedia Commons

 

No início daquele ano, o cientista realizara sua terceira visita como professor convidado aos EUA, dessa vez no Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena. Acompanhado de sua esposa Elsa, desde 1921 ele já passara por Londres, Palestina, Cingapura, Ceilão e Japão, dando palestras e visitando universidades locais. Tais imagens conferiam a Einstein uma fama cada vez maior, como físico, ativista internacional e, inclusive, pacificador.

Em março de 1933, quando voltavam à Europa de navio, ele e sua esposa receberam a notícia de que o Reichstag alemão aprovara a Lei de Habilitação, transformando o governo de Hitler em uma ditadura legal. Mais tarde, ele ficou sabendo que sua casa em Berlim tinha sido invadida pelos nazistas, se transformando em um acampamento da juventude de Hitler.

Nos Estados Unidos

Einstein recebendo certificado de cidadania norte-americana do juiz Phillip Forman / Crédito: Wikimedia Commons

 

Sem um lar permanente e sem saber onde trabalhar, ele residiu na Bélgica e na Inglaterra por curtos períodos. Em 17 de outubro de 1933, ambos retornaram aos EUA e ele assumiu posição no Instituto de Estudos Avançados em Princeton, em Nova Jersey. Consolidando sua cidadania norte-americana em 1940, Einstein seria afiliado ao Instituto até sua morte, em 1955. Nos mais de 20 anos vivendo nos EUA, o físico contribuiu de diversas formas para o país.

Nas vésperas da Segunda Guerra Mundial, ele enviou uma carta alertando o presidente Franklin D Roosevelt sobre a possível construção de uma arma atômica pela Alemanha Nazista. Esse seria o tema de uma carta enviada ao seu velho amigo, Linus Pauling, um ano antes do cientista falecer: “eu cometi um grande erro em minha vida, quando assinei a carta ao President Roosevelt recomendando que bombas atômicas fossem feitas. Mas havia uma justificativa – o perigo de que os alemães pudessem fabricá-las”.


Saiba mais sobre Albert Einstein através das obras abaixo:

1. Einstein: Biografia de um gênio imperfeito, de David Bodanis https://amzn.to/2OX9jBS

2. Einstein, de Walter Isaacson https://amzn.to/2J0JyNc

3. Meus últimos anos: Os escritos da maturidade de um dos maiores gênios de todos os tempos, de Albert Einstein https://amzn.to/2OSxVvH

4. Einstein: Para Entender de Uma Vez, de Walter Isaacson https://amzn.to/2J0JLjs

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível de produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.