Matérias » Crime

Assassino da própria mãe: Henry Lee Lucas, o serial killer que confessou 600 mortes

Trajetória do criminoso é marcada por traumas de infância e sádicos crimes — sua história é narrada em série documental da Netflix

Daniela Bazi Publicado em 13/10/2020, às 17h23

Mugshot de Henry Lee Lucas
Mugshot de Henry Lee Lucas - Library of Virginia

Assassino confesso de aproximadamente 600 pessoas durante as décadas de 1960 e 1970, nos Estados Unidos, Henry Lee Lucas foi condenado apenas por 11 crimes, incluindo o de sua própria mãe. Sua história é contada na série documental de cinco episódios The Confession Killer (O Assassino Confesso, em português), produzida pela Netflix.

O início da vida de Henry Lee Lucas

Nascido em agosto de 1936, no estado da Virgínia, Henry era o mais novo de nove irmãos. Filho de uma mãe alcoólatra e que trabalhava com prostituição, era frequentemente espancado e emocionalmente abusado. A violência começou quando tinha apenas 10 anos: Lucas perdeu um de seus olhos em uma briga com um de seus irmãos.

Seu primeiro assassinato foi em 1951, quando estrangulou uma jovem de 17 anos por se recusar a ter relações sexuais. Em 1954, Lee foi preso por acusações de roubo na região de Richmond, e solto no ano de 1959, quando se mudou para Michigan e matou sua mãe a facadas após uma discussão sobre o passado.

 Lucas chegou a ser preso três vezes durante sua vida / Créditos: Getty Images

 

Mesmo alegando ter cometido o crime por legítima defesa, Lucas foi preso novamente em 1960, e condenado a 20 anos de prisão. No entanto, acabou sendo liberado após cumprir metade de sua pena devido ao excesso de população carcerária.

De volta às ruas

Já em liberdade, Henry conheceu Ottis Tootle e Frieda Powell, de 12 anos, que se tornou namorada do assassino. Juntos, iniciaram uma onda de crimes pelo sul dos Estados Unidos. O trio se separou quatro anos depois, quando Frieda desapareceu misteriosamente e foi encontrada desmembrada dentro de fronhas que haviam sido espalhada por um campo.

Henry voltaria a ser encarcerado em 1983 por porte ilegal de armas, no Texas. Após interrogatórios, assumiu diversos homicídios e ajudou a polícia a resolver mais de 200 casos que estavam sem solução, contando detalhes das cenas do crime, e desenhando retratos das vítimas incluindo a cor dos olhos e a maneira como sorriam.

Henry Lee Lucas em sua cela, no ano de 1997 / Créditos: Getty Images

 

No entanto, o serial-killer também chegou a admitir ter mentido sobre vários dos casos em que se disse culpado. Sua intenção era receber recompensas dos oficiais enquanto cumpria a sua pena e mostrar que o sistema judicial americano era falho.

Henry Lee Lucas foi condenado à morte por 11 de seus assassinatos, mas recebeu ajuda da Anistia Internacional que alegou ter inconsistência nos casos, e o fez cumprir prisão perpétua. Ele morreu em 2001 após sofrer um infarto.


+Saiba mais sobre serial killers por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Psicopata Americano, de Bret Easton Ellis (2020) - https://amzn.to/34yE1t1

Serial Killers - Anatomia do Mal: Entre na mente dos psicopatas, de Harold Schrechter (2019) - https://amzn.to/39YVlGK

De frente com o serial killer, de Mark Olshaker e John E. Douglas (2019) - https://amzn.to/2UX47R4

Lady Killers: As mulheres mais letais da história, de Tori Telfer (2019) - https://amzn.to/3c7BoPb

Mindhunter: O Primeiro Caçador de Serial Killers, de John Douglas e Olshaker Mark (2017) - https://amzn.to/2xccb7L

Ted Bundy: Um Estranho ao Meu Lado, de Ann Rule (2019) - https://amzn.to/3cauuc9

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W