Matérias » Crimes

5 fatos insanos sobre o massacre de Jonestown

O suicídio coletivo em Jonestown, induzido por um líder religioso, deixaria o mundo em choque

Victória Gearini Publicado em 26/10/2019, às 09h00

Corpos encontrados no massacre de Jonestown
Corpos encontrados no massacre de Jonestown - Getty Images

Em 19 de novembro de 1978, mais de 900 pessoas se suicidaram no Templo dos Povos, em Jonestown, na Guiana. Em nome de seu líder, Jim Jones, pais envenenaram seus filhos e em seguida tomaram a mesma bebida, que ocasionou em um dos maiores massacres da História.

Confira os 5 fatos mais bizarros do crime que escandalizou o mundo no final dos anos 70.

5. A OBSESSÃO DE JIM JONES POR DITADORES

Jim Jones costumava ler sobre Stalin e Hitler, obras que o ajudaram a aprender a manipular outras pessoas. Em seus discursos e pregações, Jones imitava a forma de falar dos tiranos, como técnica de persuasão. Fascinado com a morte, o líder da comunidade admirava a forma como Hitler convenceu milhares de alemães. 

4. ENSAIO ANTES DO MASSACRE

O massacre de Jonestown foi cautelosamente planejado por Jim Jones. Durante os ensaios das chamadas noites brancas, o líder da seita simulava o momento em que seus seguidores iriam beber o veneno. Ninguém poderia falar enquanto Jones estava discursando e deveriam seguir suas instruções para realizar o ensaio toda vez que eram notificados.

3. EXECUÇÕES

Os membros que se recusaram a beber o Kool-Aid e tentaram fugir do local foram fuzilados a mando de Jim Jones. Diversas pessoas, principalmente crianças, entraram em desespero ao ver colegas caindo mortos ao chão e tentaram resistir, mas em vão, pois o veneno foi injetado a força em seus corpos. Além disso, na época, alguns cadáveres foram encontrados com perfurações, as autoridades deduziram que possivelmente foram esfaqueados.

Imagem área dos membros do Templo do Povo mortos / Crédito: Getty Images

 

2. JIM JONES NÃO INGERIU O VENENO

Embora o líder do Templo do Povo tenha obrigado seus seguidores a beber o veneno, ele não participou do ato. Jim Jones foi encontrado morto com um tiro na cabeça no dia do massacre, mas até hoje, especialistas não podem confirmar se o líder cometeu suicídio ou se foi assassinado por um dos membros do templo. Algumas pessoas conseguiram escapar pela floresta, por isso teorias da conspiração afirmam que ele teria sido executado por um dos sobreviventes.

1. INFLUÊNCIA DOS DIREITOS CIVIS, NOS ESTADOS UNIDOS

Jim Jones acreditava que a sociedade americana deveria se integrar, permitindo os direitos civis a afro-americanos de forma igual a brancos. Com isso, seu templo chegou a ter 50% do grupo composto por afros-americanos.


Saiba mais sobre o massacre de Jonestown:

1. The Jonestown Massacre: What We Must Not Forget, de Mel White (2018) - https://amzn.to/2pcQW1i

2. The Strongest Poison - How I Survived the Jonestown Guyana Massacre, de Mark Lane (2014) - https://amzn.to/2Ndokgt

3. Raven: The Untold Story of the Rev. Jim Jones and His People, de Tim Reiterman e John Jacobs (2018) - https://amzn.to/2MP8Z6R

4. The Road to Jonestown: Jim Jones, de Jeff Guinn (2017) - https://amzn.to/344a8gM

5. Jim Jones and the Peoples Temple: The History of the Most Notorious Cult and Mass Murder-Suicide in American History, de Charles River Editors (2015) - https://amzn.to/2MLpuRe

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.