Matérias » Curiosidades

Da fortuna do Barba Negra ao Ouro de Lima: 5 tesouros perdidos que valem uma fortuna

Alguns estão esquecidos ou perdidos no tempo, mas outros são caçados até hoje. Saiba mais!

Alana Sousa Publicado em 28/06/2020, às 08h00

Imagem meramente ilustrativa de um baú de tesouro
Imagem meramente ilustrativa de um baú de tesouro - Pixabay

Ao longos dos anos tesouros perdidos tem sendo alvo de caça de turistas. Alguns até mesmo dedicam suas vidas para a busca, na esperança de se tornar milionário.

Tesouros de piratas e objetos perdidos ou roubados, estão supostamente espalhados pelo mundo, e ninguém sabe a localização. A fantasia de ir atrás dessas lendárias riquezas sempre impulsionaram a curiosidade das pessoas. 

Confira cinco tesouros perdidos que valem uma fortuna.

1. Baús de Ouro de Thomas Cavendish

O navegador britânico Thomas Cavendish viajou o mundo entre 1586 e 1588, passando por lugares como China e Peru, onde saqueou o que pôde. A história de como o tesouro sumiu é rodeada de mistérios, mas acredita-se que tenha sido escondido pelo próprio navegador.

Os baús de ouro podem estar em Ilhabela, no litoral norte de São Paulo. O local é famoso por abrigar diversas embarcações que naufragaram ao longo dos anos. Turistas apostam na praia do Saco do Sombrio, na borda oeste da baía dos Castelhanos, ela tem acesso difícil por terra, é cercada por montanhas e tem saída para o oceano Atlântico.

Paul Ferdinand Thiry, um engenheiro belga, começou a procurar o tesouro Cavendish em 1939. Contou até com a ajuda da Marinha, mas morreu em 1979 sem achar nada. A lenda que perpetua até hoje é que os baús incluem peças de ouro dos incas e astecas.

2. Ouro de Lima

Durante uma revolta civil, os espanhóis fugiram de Lima, no Peru, em 1820. Os homens levaram consigo ouro, prata e joias, além de 113 estátuas religiosas feitas de ouro, 273 espadas com jóias e pelo menos mil diamantes. Ao todo a carga pode valer cerca de U$ 250 milhões (R$ 978 milhões)

O capitão William Thompson, ficou encarregado de levar a carga para a Espanha. Entretanto planejou uma fuga com o tesouro. Ele matou os guardas reais e foi para a Costa Rica. Thompson eventualmente foi capturado pelos espanhóis, porém escapou de novo e desapareceu sem dar pistas.

Especula-se que o tesouro que levou esteja escondido na ilha do Coco, na Costa Rica. Hoje, se tornou um lugar turístico, recebendo diversos caçadores de relíquias. Até mesmo o ex-presidente dos EUA Franklin D. Roosevelt já organizou falhas expedições para achar o tesouro perdido.

3. A fortuna do Barba Negra

Crédito: Divulgação

 

Edward Teach, um dos mais conhecidos piratas da história, era especialista em saquear embarcações espanholas, muitas vezes cheias de ouro dos incas e dos maias. Por ter tido uma das maiores carreiras entre os piratas de sua época, acumulou um tesouro equivalente a cerca de U$ 90 milhões (R$ 352 milhões).

Até hoje não se sabe onde a carga valiosa está abrigada. Acredita-se que Barba Negra a tenha escondido antes de sua última batalha a bordo do navio A Vingança da Rainha Ana, em algum lugar entre o litoral do Caribe e a costa dos EUA.

Seu famoso navio foi supostamente encontrado em 1996 por arqueólogos, que atribuíram um naufrágio na costa da Carolina do Norte, acendendo a esperança que o valioso tesouro possa estar nas proximidades.

4. Barris de moedas

Um trem partindo de Denver para Phoenix, nos EUA, em 1907, tinha em sua carga seis barris com cinco mil moedas de US$ 0,10. As portas dos vagões viajavam abertas, algo comum na época, então não se sabe ao certo se os barris foram roubados ou simplesmente caíram de onde estavam alojados.

Em algum lugar no caminho de 1,5 mil km entre as duas cidades o tesouro está perdido. A recompensa é alta, se no período as moedas valias U$ 0,10, hoje cada uma vale US$ 600. No total, a carga é estimada em U$ 3 milhões (R$ 11 milhões).

5. Sala de Âmbar

Crédito: Wikimedia Commons

 

A Sala ou Quarto de âmbar é um espaço revestido de painéis de âmbar folheados a ouro, pedras preciosas e espelhos. O quarto foi construído no século 18 pelo primeiro rei da Prússia, Friedrich I, como presente para Pedro, o Grande, czar da Rússia.

Foi considerada na época como uma das maravilhas do mundo, permaneceu como propriedade russa até a Segunda Guerra Mundial, quando nazistas tomaram controle do local onde ela estava.

Estima-se que todo o tesouro teria sido levado por eles para o Castelo de Königsberg, na Alemanha, mas em quando as forças aliadas destruíram a cidade, em 1944, a Sala de Âmbar teria sido perdida para sempre.

Até hoje ninguém sabe ao certo o que aconteceu com a sala, embora a destruição possa ser a explicação mais plausível. Ainda assim, tornou-se objeto de caça de pessoas ao redor do mundo.