Matérias » África

Boko Haram: O grupo cruel que transformou mulheres sequestradas em terroristas

Desde 2014, mais de 100 ataques suicidas estão relacionados a captura de meninas e mulheres em países da África Ocidental

Wallacy Ferrari Publicado em 01/03/2020, às 11h00

As meninas sequestradas pelo Boko Haram em 2014, no ataque a escola nigeriana
As meninas sequestradas pelo Boko Haram em 2014, no ataque a escola nigeriana - Divulgação

As crueldades empenhadas sobre reféns e prisioneiros de grupos extremistas externam o terror sobre a dominação; ataques a mesquitas, escolas, igrejas e até hospitais se fazem mais presentes com o poderio armado de organizações terroristas. Em momentos de desespero, as vitimas se tornam mais um número — quando não se tornam as próprias armas

De acordo com o The Long War Journal, entre junho de 2014 e março de 2016, o grupo Boko Haram usou mulheres e meninas sequestradas durante as jornadas de ataques em vilarejos africanos para executarem seus planos mais sombrios. Assim que raptadas, eram obrigadas a aceitar um treinamento para os mais diversos atos terroristas do grupo.

“Corte a cabeça do inimigo por trás, para ele não se debater tanto”, foi uma das instruções, detalhadamente ensinadas, que Rahia Amos recebeu de membros do Boko Haram. Além de técnicas de execução, receberam orientações para manuseio de armas e, principalmente, para o transporte e uso de explosivos.

O primeiro registro foi em junho de 2014, quando uma mulher detonou uma bomba em um quartel do Exército na Nigéria. Desde então, pelo menos 105 ataques suicidas, assumidos pelo Boko Haram, tem relação com o rapto de mulheres. Algumas delas, levadas após um ataque em uma escola na Nigéria.

Obrigadas a rezar, o Boko Haram divulgou vídeo com as meninas sequestradas - Créditos: Divulgação

 

Na ocasião, os extremistas, munidos de metralhadoras, transportaram cerca de 300 meninas em um veículo blindado e duas caminhonetes, pregando o fim da educação para mulheres. As meninas, com idades entre 16 e 18 anos, foram sequestradas, violentadas e intencionalmente engravidadas.

Atuando na Nigéria, Níger, Chade e Camarões, o grupo viu as meninas como uma oportunidade de burlar a segurança, visto que as Forças Armadas não costumam revistar ou barrar mulheres com a orientação de que os grupos são compostos majoritariamente por homens. “O Boko Haram sabe que temos um calcanhar de Aquiles”, afirmou Issa Tchiroma Bakary, ministro das Comunicações dos Camarões.

Diferente das outras garotas no confinamento, as mulheres selecionadas para cometer os atos terroristas tinham uma alimentação com fartura e recebiam muita água, justamente para possuir condicionamento físico e psicológico para as ações. Nutridas, entretanto, algumas mulheres conseguiram fugir dos campos de treinamento. E revelaram o plano.


+Saiba mais sobre a atuação do Boko Haram nas obras abaixo:

Beneath the Tamarind Tree: A Story of Courage, Family, and the Lost Schoolgirls of Boko Haram, por Isha Sesay (2019) - https://amzn.to/2T73ZgR

Boko Haram: The History of Africa’s Most Notorious Terrorist Group, por Charles River Editors (2015) - https://amzn.to/3aecvR3

Nas sombras do Estado Islâmico: Confissões de uma arrependida, por Sophie Kasiki (2016) - https://amzn.to/2Tqn3FU

Passaporte Para o Terror. Os Voluntários do Estado Islâmico, por Guilherme Damasceno Fonseca e Jorge Mascarenhas Lasmar (2017) - https://amzn.to/2VCbUV4

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.