Matérias » Crime

Tamán Shud: a morte inexplicável de um possível espião russo há 72 anos na Austrália

Mesmo após a realização da autópsia, esse defunto que suscita inúmeras teorias, pois até hoje ninguém sabe sobre sua origem.

Gabriel Fagundes Publicado em 09/03/2020, às 09h00

O sujeito, seus pertences pouco usuais para a região onde foi encontrado, e o grande mistério
O sujeito, seus pertences pouco usuais para a região onde foi encontrado, e o grande mistério - Wikimedia Commons

Tamám Shud. Esta é uma expressão persa que designa o “fim” de algo ou “término” de uma realização. Ela chegou a ser empregada pelo escritor persa Omar Khayyam em sua antologia de poemas. Porém, convenhamos que tanto na literatura quanto na vida, alguns acontecimentos nos trazem certo suspense, mas sem que a história tenha um desfecho, uma explicação, como coloca as duas palavras acima. Criando um verdadeiro mistério.

É o caso de um cadáver encontrado em uma praia de Somerton, em Adelaide, Austrália, às seis e meia da manhã de dezembro de 1948. Cuja identidade até hoje permanece uma incógnita. Ninguém sabe nos dizer qual sua história, se tinha filhos, onde morava, o que desempenhava… Nada.

Foto do homem divulgada pela polícia australiana / Crédito: Wikimedia Commons

 

O que se pode afirmar é que ele teve um sangramento no estômago, que evidenciou uma hemorragia gástrica elevada, além de coisas bem anormais para a área em que foi descoberto: estava de terno numa orla, seu braço direito dobrado e o esquerdo esticado, tinha passagens de trem e de ônibus. Além de cigarros, pente, fósforos, chiclete, e num bolso escondido da calça estava uma folha com os inscritos “Tamám Shud”. Um enigma que foi parar nos principais jornais da época. Ninguém entendeu nada.

Bilhete com as descrições persas / Crédito: Wikimedia Commons

 

Uma autópsia constatou que seus órgãos tiveram uma alteração, seus rins e estômago estavam obstruídos, e o baço chegou a aumentar três vezes de tamanho. A partir disso, os médicos descartaram a possibilidade de envenenamento ou suicídio. Mas, o indício de algo maior estava naquele papel, onde os policiais decidiram rastrear a origem.

Fazendo uma busca, viram que a página arrancada pertencia a um livro chamado The Rubaiyat — do escritor persa já mencionado —, da qual o exemplar havia aparecido no banco de um veículo próximo à praia na véspera da morte do homem desconhecido.

O carro era propriedade de um poeta que também desconhecia o ocorrido. Apesar disso, para estimular ainda mais o suspense, havia escrito o telefone de uma enfermeira no fragmento, o que levou as autoridades a contatá-la.

A mulher então confirmou que há alguns anos dera o livro a um sujeito chamado Alfred Boxall, que era um oficial do Exército. Os agentes verificaram a informação e constaram que o homem estava vivo e com o livro, descartando-o como um suspeito. Contudo, não paramos por aqui. Isso porque nenhum dos dois sabia quem era o anônimo. O que criou ainda mais teorias.

Dentre elas, a de que a enfermeira, por nome de Jessica Thomson, teve um filho chamado Robin, que no período do evento era um bebê, mas que ao atingir a maturidade atribuiu ao tal homem sua paternidade. Outra, de que o defunto poderia ser um espião, por isso a ausência de documentos e mensagens codificadas.

Enterro do desconhecido australiano / Crédito: Wikimedia Commons

 

Especulação que foi adoçada em 2013 por Kate Thomson, filha de Jessica. Dissera na televisão que sua mãe conhecia, sim, o defunto, mas que omitiu essa informação no passado porque ambos eram agentes secretos russos. Ela, portanto, seria a filha — fruto da relação dos dois.

Ainda, restava mais uma dúvida: quem era a pessoa que colocava flores no túmulo do indigente? Não era ele um ser esquecido, ignorado? Pois bem... São incertezas como essas sobre qual fim levou o falecido, que nos incentiva a querer saber mais e mais sobre sua causa mortis.

Todavia, passados 72 anos desse incidente, permanecemos iguais ao ano de 1948: sem um fato probatório, uma resposta definitiva. Estamos como num filme de suspense, cujo enredo nos leva a criar a nossa própria narrativa, sem que tenhamos, claro, um desfecho. Ou melhor, uma “Tamám Shud”.


+Saiba mais sobre o tema através dos livros abaixo

1. Na fissura: Uma história do fracasso no combate às drogas, Johann Hari (2018) - https://amzn.to/30du5Rl

2. O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, Rogério Pagnan (2018) - https://amzn.to/36IPHaT

3. Nó do Diabo: A história real de um crime hediondo e de três meninos condenados injustamente, Mara Leveritt (2015) - https://amzn.to/37ROz4P

4. Linda. Como no Caso do Assassinato de Linda, Leif G. W. Persson (2015) - https://amzn.to/2uxGJih

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.