Matérias » Crimes

O misterioso assassinato de Victoria Martens com apenas 10 anos

A garota foi encontrada desmembrada e envolvida em um cobertor em chamas, no dia de seu 10º aniversário

Victória Gearini Publicado em 25/11/2019, às 19h00

Vítima Victoria Martens
Vítima Victoria Martens - Wikimedia Commons

Em 24 de agosto de 2016, o corpo de Victoria Martens, de 10 anos, foi encontrado em um prédio em Albuquerque, no Novo México. A menina, que foi vítima de torturas, teve seu corpo desmembrado e embrulhado em um cobertor em chamas.

Victoria Martens nasceu no dia 23 de agosto de 2006, em Albuquerque, no Novo México.  A garota vivia em um ambiente instável e violento. Sua mãe, Michelle Martens, procurava homens na internet para que tivessem relações sexuais com seus filhos, incluindo Victoria. De acordo com investigadores, a mulher sentia prazer em ver seus filhos serem abusados.

[Colocar ALT]
Retrato de Victoria Martens / Crédito: Divulgação / Facebook

Michelle Martens teria conhecido Fabian Gonzales em um site de namoro, cerca de um mês antes do crime acontecer. Já a prima de seu namorado, Jessica Kelley, lhe foi apresentada logo após ter saído da prisão.

Segundo as autoridades, testemunhas relatam terem visto Jessica Kelley carregando Victoria Martens para o apartamento e, mais tarde naquela mesma noite, ouviram gritos vindos do local. 

Durante a madrugada, a polícia recebeu um chamado e encontrou o corpo da criança desmembrado e parcialmente embrulhado em um cobertor em chamas.

Uma primeira autópsia revelou que Victoria foi agredida sexualmente, estrangulada até a morte e depois esquartejada.

A garota teria recebido ainda bebida álcoolica e metanfetamina que, de acordo com sua mãe, serviu para acalmá-la enquanto Fabian Gonzales e Jessica Kelley a estupravam. Victoria Martens morreu no dia do seu 10º aniversário.

Inicialmente os três suspeitos foram presos e denunciados no dia 16 de setembro de 2016, como co-réus. Logo os promotores do caso pediram ao tribunal julgamentos separados. Em agosto de 2017, o juiz Charles Brown determinou que Martens fosse a primeira a ser julgada, em julho de 2018; em seguida Gonzales, em outubro de 2018; e por fim, Kelley, em janeiro de 2019.

Em 2018, o procurador distrital do condado de Bernalillom Raúl Torrez declarou à imprensa que metade das informações do assassinato não são verdadeiras, e que existe a possibilidade de um quarto envolvido. De acordo com o especialista, surgiram novas evidências do caso, como a mostra de um DNA não identificado na cena do crime.

Segundo dados divulgados pelas autoridades, em outubro deste ano, os depoimentos foram adulterados pelos réus, e Michelle Martens e Fabian Gonzales não estariam no apartamento na hora do crime. 

Promotores alegam que Jessica Kelley estava com a garota em casa, quando um homem procurando por seu primo, invadiu o local e matou Victória como retaliação. A mulher disse às autoridades que para encobrir o crime, ela e seu primo teriam esquartejado a criança e incendiado seu corpo.

A Procuradoria Distrital retirou as acusações de assassinato e estupro, mas acusou Gonzales de abuso imprudente e adulteração de provas. Kelley e Martens  fizeram um acordo judicial e até o momento cumprem suas penas em regime fechado, já Gonzales aguarda um novo julgamento. 


+Saiba mais sobre outros crimes: 

1. Microfísica sexista del poder: El caso Alcàsser y la construcción del terror sexual (Edição Espanhol), de Nerea Barjola Ramos e Paula Monteiro González (2018) - https://amzn.to/2OcNeyp

2. Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy (2017) - https://amzn.to/2IUCmST

3. Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni: Abra os arquivos policiais, de Ilana Casoy (2016) - https://amzn.to/2ppHCXA

4. O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (2018) - https://amzn.to/35CT56O

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.