Matérias » Curiosidades

A história do jovem que viajou no compartimento do trem de pouso de um avião — e sobreviveu

O episódio aconteceu em 2014 e chocou o mundo: ele apenas sobreviveu devido à pura sorte

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 28/01/2021, às 16h33

Imagem meramente ilustrativa de avião
Imagem meramente ilustrativa de avião - Wikimedia Commons

Em 2014, uma história bizarra intrigou tanto o público quanto especialistas ao redor do mundo. Um adolescente de 15 anos, depois de fugir de casa, decidiu não somente abandonar o lar, mas também seu país.

Ele pulou o muro do Aeroporto Internacional de San José, na Califórnia, Estados Unidos, para voar clandestinamente.

O jovem entrou no compartimento do trem de pouso de um avião, especificamente um Boeing 767, conforme informado pela Hawaiian Airlines e pelo FBI na época em que o episódio aconteceu. O local escolhido era extremamente perigoso e o risco de morte era  alto, mas ele chegou vivo ao Havaí depois de cinco horas de voo.

Baixas temperaturas

Ao ficar na cavidade da roda do trem de pouso, o adolescente estava exposto a temperaturas baixíssimas, que chegavam a até 62 ºC abaixo de zero devido à elevada altitude — o avião chegava a uma altitude de cerca de 11 mil metros. Somado a isso, também estava o ar rarefeito.

A BBC divulgou um dado importante sobre episódios similares, ao investigar o episódio. Desde 1947, quando voos internacionais registraram esse tipo de situação, até 2014, quando o caso em questão aconteceu, 96 pessoas tentaram ir para outros países de avião de maneira clandestina. Apenas 23 teriam sobrevivido, enquanto 73 provavelmente morreram.

Esses dados já demonstram como o comportamento do jovem foi completamente arriscado. Na época, o agente especial do FBI Tom Simon afirmou em entrevista à agência Reuters: "É um aparente milagre. Não houve aparentemente o uso de qualquer equipamento especial de qualquer espécie”.

A companhia aérea responsável pelo avião em que o menino fez a viagem, Hawaiian Airlines, também fez um comunicado após a descoberta do passageiro escondido, afirmando: "Nossa principal preocupação agora é com o bem-estar do menino, que é excepcionalmente sortudo por ter sobrevivido".

Ele passou perto da morte por inúmeras vezes ao longo das cinco horas que ficou no comportamento do trem de pouso do avião. Pelo que se sabe, o adolescente subiu no local se apoiando, subindo no pneu e segurando as barras. Durante a investigação, autoridades perceberam que a porta com aviso de “não pise” continha pegadas.

Como sobreviveu?

Avião da Hawaiian Airlines / Crédito: Divulgação - Fantástico

 

Quando o caso se espalhou pelo mundo, gerando um choque absoluto, o programa de televisão Fantástico investigou o que poderia ter ajudado o garoto a sobreviver. Eles entrevistaram o mecânico de aeronaves Ricardo Perez e fizeram uma simulação de como seria a situação do jovem dentro do compartimento a uma elevada altitude.

“O piloto comanda o trem para subir: a primeira ação que acontece é a porta abrir, então, vem o trem de pouso e [ele] entra nesse compartimento”, explicou Perez. Com o jovem já dentro do buraco, que não é pressurizado, o avião começa a subir, e, ao ficar cada vez mais alto, o ar fica mais rarefeito.

“Esse avião aqui decolando a quase 200 por hora, com porta abrindo para recolher o trem, turbulência de ar que acontece dentro do local é medonha. Não dá nem pra imaginar estar dentro num momento desse”, disse o mecânico. 

Especialistas apontam que, ao ficar nessa altitude com o compartimento despressurizado, é muito provável que a pessoa perca a consciência e desmaie. E é isso que deve ter acontecido com o adolescente. Quando começou a ficar mais frio, ele já estava apagado, o que, na verdade, o ajudou.

Desacordado, o garoto não estava mais sujeito à descarga de adrenalina e ao estresse de estar em tal situação, que poderiam ter o matado rapidamente. Isso fez com que ele ficasse em um estado similar a de um animal em hibernação: seu corpo desacelerou. 

Assim, seu cérebro passou a demandar menos oxigênio, sua respiração estava mais espaçada e seu batimento cardíaco mais lento. Como ele não tinha oxigênio de fato, devido ao ar rarefeito, a situação se tornou perfeita para a sobrevivência. Ele, então, passou todas as cinco horas de voo desacordado e chegou no Havaí.

Por sorte, a situação agiu em favor do jovem, que recobrou a consciência assim que a aeronave pousou. Ele saiu da pista com o objetivo de chegar ao aeroporto em questão, mas, desorientado, foi encontrado pela equipe de terra, que o enviou para o hospital.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Almanaque do avião, de Ernesto Klotzel e Tomas Prieto (2013) - https://amzn.to/2xEIegN

Aviões das grandes guerras, de Tomas Prieto (2015) - https://amzn.to/34WYDJr

Eletrônica de Aeronaves: Introdução aos Sistemas Aviônicos, de Thomas K. Eismin (2016) - https://amzn.to/2XYXL5E

Espera passar o avião, de Flavio Cafieiro (2018) - https://amzn.to/2RWgmf2

Terror a bordo: 17 histórias turbulentas, de Vários autores (2020) - https://amzn.to/3530BYT

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W