Matérias » Crimes

Ed Kemper: serial killer e maior fonte do FBI

O necrófilo assassino tornou-se importante fonte da agência na caçada criminosos em série

Isabela Barreiros Publicado em 15/11/2019, às 09h00

Ed Kemper, o serial killer necrófilo
Ed Kemper, o serial killer necrófilo - Divulgação

Ed Kemper teve uma infância conturbada. Ele sofria bullying por conta de sua altura: 2,06 metros. Sua mãe era abusiva e rígida e, às vezes, obrigava-o a passar a noite no chão do sótão, pois ele apresentaria riscos a suas irmãs.

Quando seus pais se separaram, decidiu morar com seu pai, mas descobriu que ele tinha se casado novamente e morava com sua esposa e filho. Por último, acabou na casa de seus avós paternos — mas isso não funcionou muito bem, porque foi nesse momento que seus crimes começaram.

Aos 15 anos, Kemper assassinou sua avó com dois tiros de espingarda após uma briga. Mesmo que ela já estivesse morta, o garoto ainda esfaqueou seu corpo. Ele ainda aguardou que seu avô chegasse na casa para também matá-lo e fez o que se repetiria em seus futuros assassinatos: ligou para a polícia e aguardou as autoridades.

Diagnosticado com esquizofrenia paranoide, ele foi sentenciado a ficar no Hospital Estadual de Atascadero, uma prisão de segurança-máxima para pessoas com problemas mentais. Lá, além de ser amigo de todos, tornou-se assistente de seu psicólogo. Assim, sendo privilegiado no local, ele conseguiu antecipar o exame que reabilitaria sua vida em sociedade.

Sua onda de assassinatos começa quando ele deixa o centro psiquiátrico e passa a dar caronas para inúmeras garotas da região onde morava. Em entrevistas, ele disse ter feito isso aproximadamente 150 vezes antes de decidir matá-las. Kemper dirigia para áreas isoladas, onde as vítimas eram mortas e, depois, levadas de volta para sua casa. Além disso, os corpos eram decapitados, desmembrados e estuprados.

O criminosos ED Kemper / Crédito: Divulgação

 

Seis de suas ações foram assim. Somando seus avós, foram oito pessoas assassinadas, mas sua temporada acabaria após sua mãe acorda-lo ao chegar de uma festa. O serial-killer esperou que ela dormisse e a espancou com um martelo e cortou sua garganta com uma faca. Além disso, ele a decapitou, violou seu cadáver e usou sua cabeça como alvo de dardos. Depois disso, ainda chamou uma amiga de sua mãe para a casa, que foi assassinada por ele e teve seu carro roubado.

Ele ligou para a polícia e esperou sua prisão. Mas o homicida também ficou conhecido por outro fato: Kemper se tornou uma importante fonte de informações do FBI que tentava desenvolver um método de identificação de serial-killers. A série da Netflix Mindhunter retrata exatamente esse momento.

Entre suas declarações, as mais marcantes e úteis para a polícia foram admitir que ele guardava “souvenirs” de cada vítima e a vontade do assassino de voltar à cena do crime para revivê-lo. Em entrevistas, ele culpa a mãe pelas suas ações, mostrando-se arrependido.

À esquerda, a representação do serial-killer na série Mindhunter da Netflix / Crédito: Divulgação

 

Kemper ainda está vivo. Aos 70 anos, ele está em uma prisão na Califórnia onde cumpre pena perpétua.


+ Conheça outros notórios serial killers nas obras a seguir:

1. Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy, 2017 - https://amzn.to/2IUCmST

2. The Serial Killers: Gary Ridgway, de Mark Simpson - https://amzn.to/33n0k0V

3. Mindhunter: O Primeiro Caçador de Serial Killers Americano, de John Douglas e Olshaker Mark 2017 - https://amzn.to/33NCLhU

4. Serial Killers - Anatomia do Mal: Entre na mente dos psicopatas, de Harold Schrechter 2019 - https://amzn.to/2MFeXal

5. Lady Killers: Assassinas em Série: As mulheres mais letais da história, de Tori Telfer, 2019 - https://amzn.to/2PbCDoy

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.