Matérias » Música

A meteórica carreira de Elis Regina, um dos nomes mais importantes da MPB

Personalidade forte, voz marcante e interpretação única, a Pimentinha teve sua vida interrompida devido a uma overdose aos 36 anos

Isabela Barreiros Publicado em 16/02/2020, às 09h00

Elis Regina em Paris
Elis Regina em Paris - Getty Images

Elis Regina foi como um furacão no Brasil. Tanto na própria música popular quanto no coração dos brasileiros, a icônica cantora porto-alegrense foi uma das mais importantes artistas do país, além de uma das mais amadas.

Sua qualidade vocal, presença de palco e personalidade forte marcaram a trajetória de Elis que — por todos esses fatores — é considerada por muitos críticos a maior cantora do Brasil. Entre as décadas de 1960 e 1980, ela desenvolveu uma carreira que marcou a História da música no país.

A menina começou sua trajetória muito nova, com apenas 11 anos. Naquele ano, ela cantou pela primeira vez na Rádio Farroupilha, sediada em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. Estreando no programa Clube do Guri, logo foi contratada pela emissora, em 1959.

Elis Regina durante performance / Crédito: Divulgação

 

Mas foi apenas quando ela saiu da sua cidade natal que começou a fazer sucesso nacionalmente. Aos 16 anos, foi para o Rio de Janeiro gravar seu primeiro LP, “Viva a Brotolândia”, pela gravadora Continental. Ainda voltou para a cidade para gravar mais dois álbuns, em 1962.

Devido à meteórica carreira, Elis viveu muito intensamente. Gravou 36 discos, vendeu quatro milhões de cópias, fez colaborações com artistas importantes da época e ainda arriscou muito. Em seus LPs, sempre havia pelo menos um compositor pouco conhecido, ou que até mesmo nunca havia sido gravado. Além disso, trouxe muitos musicistas do sul para a cena nacional.

A cantora alcançou o estrelado aos 20 anos, e foi reconhecida principalmente por sua emoção ao se expressar cantando, tanto na sua marcante voz quanto nos seus gestos, o que se tornou sua marca artística. Sua originalidade a fez estourar na televisão, que havia sido, quase que, recém-lançada no país.

Andreia Horta como Elis em minissérie / Crédito: Divulgação

 

Interpretou também diversos ritmos musicais, como MPB, jazz, rock, bossa nova e samba. As parcerias mais famosas foram com Tom Jobim, Milton Nascimento, Belchior, João Bosco, Ivan Lins e Jair Rodrigues. Além disso, performou por todo o Brasil e viajou à trabalho para os Estados Unidos, Europa e ainda para o Japão.

Mas sua personalidade forte também fez parte da imagem de Elis. Apelidada de Pimentinha, a cantora era famosa por ser exigente em todos os aspectos da sua vida, tanto na música quanto na pessoal. A intérprete teve três filhos: João Marcello, o mais velho, com Ronaldo Bôscoli, Pedro Mariano e Maria Rita, os dois com César Camargo Mariano.

Morreu precocemente, apenas aos 36 anos. Uma overdose devido a uma mistura de cocaína e álcool acabou por terminar com a vida de uma das mais importantes cantoras brasileiras. Na manhã do dia 19 de janeiro de 1982, Elis foi encontrada morta no chão de seu apartamento em São Paulo.


+ Saiba mais sobre Elis Regina por meio das obras a seguir:

Elis e eu: 11 anos, 6 meses e 19 dias com minha mãe, João Marcello Bôscoli (2019) - https://amzn.to/39BKYZC

Elis: Uma biografia musical, Arthur de Faria (2016) - https://amzn.to/31T3ABu

Elis Regina, Osny Arashiro (2004) - https://amzn.to/38t9ZFX

O melhor de Elis Regina, Luciano Alves (2000) - https://amzn.to/3bFJqj6

O Fino da Bossa, Julia Bezerra e Lucas Reginato (2017) - https://amzn.to/31WYB2E

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.