Matérias » Guerras

75 anos do fim da Segunda Guerra: Entenda como o conflito mobilizou o mundo

Um dos aspectos mais chocantes da Segunda Guerra Mundial foi sua extensão geográfica

João Barone Publicado em 02/09/2020, às 09h09

Combatente durante a Segunda Guerra
Combatente durante a Segunda Guerra - Divulgação

A Segunda Guerra envolveu as mais longínquas regiões do planeta, nos mares e na terra, na neve e no deserto através de uma guerra que começou na Europa, berço dos grandes pensadores, artistas e cientistas modernos, recém-saída de um conflito monstruoso que deixara milhões de mortos no início do século 20.

Da ascensão de Hitler ao Tratado de Versalhes, foram as fagulhas para engolfar o Velho Mundo numa guerra e, pouco depois, o planeta inteiro. Era de conhecimento geral que a Alemanha não tinha matéria-prima suficiente para sustentar uma guerra de longa duração.

Stalin (à esqu.) e Hitler (à dir.) // Crédito - Wikimedia Commons

 

Daí a "necessidade" de invadir e conquistar regiões ricas em petróleo e minerais. Assim, as ações alemãs inicialmente vitoriosas na Europa, resultado da reconstrução de seu Exército sob as barbas da Liga das Nações, deram a falsa impressão aos nazistas de que seria fácil usurpar outros territórios. Ledo engano.

Depois de conquistar quase totalmente a Europa ocidental, Hitler não conseguiu deixar a Inglaterra de joelhos. Na sequência, voltou-se para o Leste Europeu e invadiu a União Soviética, abrindo um novo front, no que foi reconhecidamente um de seus maiores equívocos estratégicos.

Assim começou a Operação Barbarossa, na primavera de 1941, com a certeza de que os alemães conseguiriam fazer o que os franceses não tinham conseguido. Também acabaram vencidos.

Em 1941, a Alemanha mandou tropas para ajudar a combalida Itália a manter suas linhas na Grécia e no norte da África contra os ingleses. A batalha pela ilha de Creta causou grandes baixas aos alemães. Enviado ao Egito, o Afrikakorps alemão fez o que pôde para dominar o estratégico porto de Tobruk e os campos de petróleo da região, até ser repelido pelos ingleses, em novembro de 1942.

Pouco depois, os Estados Unidos entrariam no conflito, mandando suas primeiras tropas para o Mediterrâneo. As bases aéreas americanas em território brasileiro, no caminho para o norte da África, foram um exemplo de como todas as áreas do planeta estavam mobilizadas na luta global contra o Eixo.

No começo da guerra no Extremo Oriente, as forças imperiais japonesas estavam em plena ascensão, dominando quase todo o Pacífico. Antes de Pearl Harbor, muitas áreas do extenso território chinês já estavam em guerra, com as colônias inglesas combatendo os japoneses.

Cobais e mortes

O Japão invadiu a China no começo dos anos 1930, cometendo inúmeras atrocidades contra a população, como na ocupação de Nanquin, com 300 mil mortos ou na instauração de um laboratório de armas bacteriológicas na área, responsável pela morte de mais de 10 mil prisioneiros de guerra, usados como cobaias.

Como o Japão era aliado da Alemanha, o território da Indochina – então colônia francesa – foi ocupado por forças japonesas. A China já tinha o apoio explícito dos Estados Unidos antes de sua entrada no conflito, ao receber treinamento e equipamento militares americanos.

Uma ponte aérea para levar suprimentos foi estabelecida pelos americanos entre a Índia, a Burma e a China. Os aviões sobrevoavam as perigosas montanhas do Himalaia, levando suprimentos preciosos na luta dos chineses, mantendo assim um grande número de tropas japonesas ocupadas.

Depois do ataque japonês a Pearl Harbour, os Estados Unidos declararam guerra ao Japão, que havia assinado o Tratado Tripartite em 1940, com a Alemanha e Itália, formando o Eixo. Na esperança de que o Japão também atacasse a URSS, Hitler adiantou-se em declarar guerra aos americanos.

Mas o Império japonês já estava ocupado em sua luta, além de não querer confrontar a União Soviética naquele momento. Mais um fracasso de Hitler.

Registro do ataque a Pearl Harbour / Crédito: Getty Images

 

Em junho de 1942, os japoneses conquistaram algumas das Ilhas Aleutas, no extremo norte do Pacífico, parte do território americano do Alasca, um pequeno grupamento de ilhas do Cinturão de Fogo, nas fronteiras do Polo Norte.

O receio de que os japoneses pudessem atacar o território americano daquele ponto motivou a construção de uma longa estrada e de um oleoduto, que atravessou vários estados americanos até a região do Alasca, mobilizando o home front na defesa das fronteiras norte-americanas.

Em fevereiro de 1943, ao conclamar os alemães para uma “guerra total” (total krieg), Joseph Goebbels, o ministro da Propaganda de Hitler, jamais poderia imaginar a maneira como o mundo inteiro cairia sobre suas cabeças, em maio de 1945.

O que dizer das populações de Hiroshima e Nagasaki, em agosto do mesmo ano. Terminaria assim a guerra que mobilizou e modificou profundamente os quatro cantos do mundo.


++Saiba mais sobre a Segunda Guerra Multial através de obras disponíveis na Amazon Brasil:

Box Memórias da Segunda Guerra Mundial, de Winston Churchill (2019) - https://amzn.to/2JWtKex

A Segunda Guerra Mundial, de Antony Beevor (2015) - https://amzn.to/2Rr2xFa

A Segunda Guerra Mundial: Os 2.174 dias que mudaram o mundo, de Martin Gilbert (2014) - https://amzn.to/34DnO3T

Os mitos da Segunda Guerra Mundial, de Vários Autores (2020) - https://amzn.to/2VdiMXa

Continente selvagem: O caos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial, de Keith Lowe (2017) - https://amzn.to/2RqF32D

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W