Matérias Cultura

Das cavernas ao 3D: A história da animação

Entenda as fases na evolução de uma arte que é mais antiga que o próprio cinema

quinta 4 outubro, 2018
Supermouse, o seu amigo...
Supermouse, o seu amigo... Foto:Reprodução

A ideia de representar o movimento nos acompanha desde que aprendemos a fazer desenhos representativos, no Paleolítico Superior. Na caverna de Lascaux, pintada há 17 mil anos, alguns animais aparecem em várias fases de uma mesma ação. Egípcios e romanos também faziam desenhos sequenciais.

Mas foi só na década de 1820 que o fenômeno da persistência da visão, que permite a ilusão de movimento baseada em desenhos estáticos, começou a ser explicada, através de um artigo num jornal científico britânico. Brinquedos com desenhos sequenciais, que pareciam se mover, foram inventados por essa época. Com isso, a animação em filme surgiria antes do cinema.

Notícias Relacionadas


Pré-história (1892-1914)

Como o próprio cinema, em seus primeiros anos, a animação era vista como uma atração de parque de diversões, uma brincadeira hi-tech, não um meio de contar histórias. As primeiras delas sempre incluíam partes filmadas, mostrando o animador em ação, criando a “mágica”.

➽ Théâtre Optique (1892)

Wikimedia Commons

Três anos antes da estreia oficial do cinema, pelos irmãos Lumière, em 1895, Charles-Émile Reynaud apresentava ao público sua projeção composta de até 700 figuras sequenciais gravadas em filme perfurado, repetidas por mais de dez minutos.


Era muda (1913-1928)

Em 1914 era criada a cel, por Earl Hurd. É a pintura sobre películas transparentes de celofane (daí o nome), que permite repetir fundos em vários quadros. No ano seguinte, Max Fleischer cria o rotoscópio, técnica que possibilita animar os movimentos de atores reais.

➽ Colonel Heeza Liar (1913)

Wikimedia Commons

John Bray lança o personagem (algo como “Coronel Estamem Tindo”), que foi inspirado no ex-presidente Theodore Roosevelt. Seria o primeiro personagem recorrente, do primeiro estúdio especializado.


Era dourada (1928-1957)

Com a entrada de pesospesados como Walt Disney e a Warner Brothers, e o já estabelecido Max Fleischer, surgiram os grandes clássicos ainda hoje reprisados. Passando no cinema, as animações tinham um considerável orçamento.

➽ Steamboat Willie (1928)

Reprodução/ Disney

Após perder seu antigo ganha-pão, o coelho Oswald, o jovem Walt Disney funda seu próprio estúdio e cria um rato. Mickey já tinha atuado em dois desenhos, mas a primeira animação com trilha sonora sincronizada mudaria o jogo para Disney e todo o mercado. Crescendo vertiginosamente, a ponto de lançar a primeira superprodução animada menos de 10 anos depois.

➽ Branca de Neve e os Sete Anões (1937)

Reprodução/ Disney

Era da economia (1957-1981)

Criadores de Tom e Jerry para os estúdios MGM, William Hannah e Joseph Barbera fizeram a primeira empresa especializada em televisão. A hoje obscura dupla de gato e cachorro protagonizaria seu primeiro desenho.

➽ Jambo e Ruivão (1957)

Reprodução / Hanna-Barbera

A televisão teve um impacto brutal na qualidade dos desenhos. Era um monstro insaciável, exigindo episódios novos toda semana. A animação teve de ser limitada: menos quadros, repetição de cenas e até de roteiros e ideias. Fazendo tudo isso, os estúdios Hanna-Barbera dominaram o período.

Entre economizar muito e atirar para todos os lados, a HB teve alguns acertos inesquecíveis. Deixando uma marca notável na cultura.

➽ Scooby-doo (1969)

Reprodução/ Hanna-Barbera

Era do merchandise (1982-1986)

Em 1977, com Star Wars, George Lucas provou ao mundo que ingressos (ou audiência) podiam ser uma preocupação menor. Era nos brinquedos, lancheiras, cadernos que a real fábrica de dinheiro estava. Vários clássicos dos anos 80 eram basicamente anúncios de brinquedo animados.

➽ He-Man (1982)

Reprodução/Youtube

Após perder a chance de uma geração recusandose a criar brinquedos para Star Wars, a Mattel correu atrás do prejuízo criando um personagem próprio. He-Man foi desenhado do zero para agradar as crianças, uma forma mais infantil de Conan, o Bárbaro.


Renascença (1987-2000)

Talvez termine registrada como a segunda Era de Ouro. Animações ganharam de volta orçamento e qualidade. A Disney teve uma injeção de energia. O canal Cartoon Network reapresentava os clássicos o dia todo. A Warner tirou da gaveta e atualizou seus personagens, como Taz, Pernalonga e Patolino.

➽ As Novas Aventuras de Super Mouse (1987)

Reprodução/Disney

Criador de respeitados desenhos underground nos anos 60 e 70, Ralph Baskshi emprestou seu prestígio a uma série de TV que retomou o estilo do passado. A resposta da Disney, Duck Tales, sairia no mesmo ano. Isso marcaria o fim da longa decadência da Disney, que vinha desde os anos 60. Coroada por:

➽ A Pequena Sereia (1989)

Reprodução/Disney

Era digital (2001- )

É difícil determinar exatamente quando ou mesmo se a Renascença de fato acabou. Animações continuam a ter prestígio, mas aqui é uma questão de técnica: nada mais é desenhado à mão, tudo sai dos computadores. Animações hoje são em 3D, mais no cinema, ou em Adobe Flash, na TV.

➽ Shrek (2001)

Reprodução/ DreamWorks 

O enorme sucesso da primeira animação em 3D a apontar para o público adulto – mantendo a graça para as crianças – abriu caminho para a aceitação universal do novo formato.

➽ Hora da Aventura (2010)

 

Reprodução/Cartoon network
Fabio Marton


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais