Matérias » Religião

Noite Infeliz: o puritano Oliver Cromwell já proibiu o natal

Durante a República de Cromwell, era proibida qualquer forma de celebração do Natal, sendo considerado um crime grave

Giovanna Gomes Publicado em 17/12/2020, às 15h57

Montagem de Cromwell com o gorro do Papai Noel
Montagem de Cromwell com o gorro do Papai Noel - Wikimedia Commons

Houve um período na Inglaterra em que a celebração do Natal foi considerada uma verdadeira blasfêmia, de modo que pessoas poderiam ser levadas à masmorra caso desobedecessem a lei. Os próprios cristãos mais rígidos declararam que o 25 de dezembro seria uma data pagã e que, por isso, não deveria ser comemorada.

O perseguidor

O líder da Revolução Puritana, Oliver Cromwell, cujos feitos incluem a decapitação do rei Carlos I e a transformação da Inglaterra uma república entre 1649 e 1660, tinha como objetivo eliminar tudo o que considerava como 'decadência moral' em seu país. Entre todos os problemas que identificou, o principal deles era o Natal.

Oliver Cromwell/ Crédito: Wikimedia Commons

 

Todas as formas de celebração do feriado religioso, o que incluía até mesmo as cantigas, não eram bem vistas pela sociedade puritana, que enxergava nelas um vestígio do paganismo, já que não haveria fundamento bíblico para tal festividade.

Para eles, a data nada mais era do que um feriado pagão criado pela Igreja Católica Romana, instituição que queriam eliminar, assim, purificando o Cristianismo.

Os puritanos se irritaram principalmente porque não é descrita na Bíblia a data do nascimento do Messias. "A data do Natal foi fixada em 25 de dezembro pelo imperador Constantino, porque nesse dia era celebrada a grande festa solar em Roma”, explica Ramón Teja, professor emérito de História Antiga da Universidade de Cantábria.

Estátua de Constantino/ Crédito: Pixabay

 

Assim, o imperador modificou o antigo festival do Dia do Nascimento do Sol Invicto, no qual era celebrado o solstício de inverno. “Foi uma fusão do culto solar com o culto cristão”, afirmou Teja. A partir disso, inúmeros elementos da cultura pagã foram incorporados às tradições natalinas.

O caos

No ano de 1644, o Parlamento inglês baniu oficialmente todas as festividades natalinas, de forma que, por quase duas décadas, muitas pessoas foram perseguidas. A simples realização de danças, cantigas, apresentações de teatro e também o consumo de bebidas alcoólicas durante a data tornaram-se crimes graves.

As decorações de natal foram proibidas/ Crédito: Pixnio

 

Símbolos como árvore de natal e até mesmo comidas tradicionais foram relacionados a rituais, de modo que também passou a ser proibido comer alimentos como pudim e tortas no feriado. Além disso, o comércio era obrigado a permanecer aberto durante todo o dia 25. 

A celebração da data somente deixou de ser um 'crime' diante da restauração da monarquia, em 1660.


+Saiba mais sobre natal através das obras abaixo

Um cântico de Natal e outras histórias, Charles Dickens (2015) - https://amzn.to/2Q3kHN9

Um conto de Natal, China Miéville (e-book) - https://amzn.to/2OcEAjK

O Natal escondido: A surpreendente verdade por trás do nascimento de Cristo, de Timothy Keller (2017) - https://amzn.to/2Zpqj75

Em casa para o Natal, de Cally Taylor (2013) - https://amzn.to/2sfrZE3

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W