Matérias » Brasil

Há 98 anos, nascia Paulo Freire

Exilado durante a ditadura e secretário da Educação em São Paulo, o pernambucano ficou conhecido mundialmente por seu revolucionário método de alfabetização popular

Isabela Barreiros Publicado em 19/09/2019, às 10h29

None
- Escola de Gestão Socioeducativa Paulo Freire/RJ

Paulo Freire nasceu em Recife, Pernambuco, no dia 19 de setembro de 1921. Ele foi um importante educador e professor que entrou para a História por conta de seu inovador projeto pedagógica que, além de vanguardista, era funcional e popular.

O pensamento freiriano defende que o ensino esteja intimamente ligado ao repertório social e cultural de cada um, levando em conta, principalmente, a experiência de vida dos alunos. Segundo ele, educar é fazer com que as pessoas sejam conscientes das suas posições no mundo — de maneira crítica e revolucionária.

Em um mundo marcado por decorebas e aulas robóticas, o educador propõe que a alfabetização utilize o universo de conhecimento popular, como falas, palavras e noções que já estão no imaginário do aluno, para transformar a alfabetização em algo prazeroso e com sentido.

Facilitando esse processo, há uma quebra com o padrão de “educação bancária” visto na maioria das escolas. Freire era opositor desse tipo de educação. Para ele, essa noção trata o estudante como um cofre, no qual informações devem ser depositadas pelo professor, tratando-o como um ser passivo.

Freire em uma escola estadual na cidade de Angicos, no Rio Grande do Norte / Crédito: Acervo O Globo

 

“A educação bancária não é libertadora, mas, sim, opressora, pois não busca a conscientização de seus educandos. Quer, na verdade, que corpos de alunos e alunas sejam inconscientes e sujeitados às suas regras. Perpetua e reforça, assim, sua relação vertical e autoritária”, analisam Miriam Furlan Brighente e Peri Mesquida, em artigo que estuda o pensamento freiriano publicado na revista Pró-Posições da Unicamp.

Pelo contrário, Freire defendia que o aluno deveria ser parte ativa do ensino. Somente através de uma formação crítica as pessoas poderiam estar inseridas na sociedade e participar efetivamente das decisões a serem tomadas em um país.

No livro “Pedagogia do Oprimido”, escrito em 1968, o professor, perseguido e exilado no Chile durante o período da ditadura militar, descreve uma nova relação entre professor, aluno e sociedade. Por uma lente marxista, Freire defende que o educador tenha um posicionamento revolucionário ao dar aulas. É papel dele conscientizar o estudante sobre a ideologia dominante, — e opressora —, para que este possa se libertar e mudar a realidade ao seu redor.

O livro foi proibido na época e só foi publicado no Brasil no ano de 1974. Esse é um exemplo de como, por sua radicalidade, o pensamento de Paulo Freire é alvo de admiração e críticas.

Luiza Erundina, prefeita da cidade de São Paulo nos anos de 1989 e 1992 e Paulo Freire, seu secretário da Educação / Crédito: Centro de Referência Paulo Freire

 

O pensador faleceu no ano de 1997, vítima de um ataque cardíaco aos 75 anos. Atualmente, ele possui 41 títulos de doutor honoris causa de universidades internacionais como Harvard, Oxford e Cambridge, nos Estados Unidos e Reino Unido. Além disso, de acordo com a BBC, países como África do Sul, Áustria, Alemanha, Holanda, Portugal e Canadá utilizam seu método em inúmeras de suas escolas.

No Brasil, no entanto, as ideias de Freire não são tão aplicadas assim. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o Ensino Infantil, Fundamental e Ensino Médio não trazem nenhuma menção ao educador.

Ele foi secretário de Educação da Prefeitura de São Paulo na gestão de Luiza Erundina durante os anos de 1989 e 1992, passou por diversas secretarias no Nordeste e convidado pelo ex-presidente João Goulart para formular um programa de alfabetização, que não foi para frente.

Seus métodos, no entanto, não norteiam a educação brasileira. Ainda assim, pesquisadores e alunos estudam e difundem as ideias do pernambucano que ousou pensar a educação brasileira de uma forma diferente e radical.