Matérias » Egito Antigo

Prosperidade e paz: o poderoso Egito da faraó Hatshepsut

Superando os governantes anteriores, Hatshepsut foi tão relevante quanto Cleópatra

André Nogueira Publicado em 20/07/2020, às 15h38

Estátua de Hatshepsut
Estátua de Hatshepsut - Wikimedia Commons

No cerne do desenvolvimento do Reino Novo do Egito, após a expulsão dos hicsos dos centros de poder, a Décima Oitava Dinastia faraônica consolidava sua centralidade administrativa sob o Nilo. Sendo este um período de grandes nomes do Egito Antigo, a época ficou marcada por situações de grandes mudanças e personalidades fortes, e uma delas, indubitavelmente, foi Hatshepsut, uma das únicas mulheres a terem governado este Império.

Hatshepsut realizou grandes obras durante seu governo, que tinha certo caráter lacunar. Sofrendo pressões por parte de grandes instituições em atrito com o palácio, muito se tentou apagar o crédito de seu legado, mas a popularidade da faraó foi tão ascendente que isso foi impossível.

A rainha assumiu o poder numa situação de crise política, pois era filha de Tutmés I, sendo colocada desde cedo na posição de futura esposa do faraó, dado que ela seria filha de Amun com a mãe Ahmose. Ela, então, se tornou consorte de Tutmés II, seu irmão — com quem casou, seguindo a tradição dinástica egípcia — após a morte do pai.

Templo de Hatshepsut, em Luxor / Crédito: Getty Images

 

Porém, o segundo Tutmés pouco tempo reinou, morrendo em 1479 a.C. e abrindo espaço para o sucessor, seu filho que ainda era uma criança. Então, a rainha, que era sua mãe e sua tia, passou a ser regente do Alto e do Baixo Egito, contemplando assim o cargo de faraó. Para a consolidação desse poder, então, ela passou a apelar para a opinião pública, além de criar monumento à sua imagem e renomear lugares importantes.

Nunca se escondeu o fato de que ela era mulher, apesar das imagens régias de Hatshepsut seguirem a simbologia clássica da monarquia: a dupla-coroa e a barba, fazendo com que ela parecesse com um homem. Como administradora, ela realizou obras viárias, renovou aquedutos, construiu muralhas e templos, e superou as construções da recém-dominada Núbia e arredores.

Hatshepsut foi também muito importante no desenvolvimento de relações com os vizinhos do reino. Além de criar uma liderança relevante, “triunfando sobre os inimigos”, ela também ficou famosa por sua expedição a Punt, local ainda não localizado modernamente, mas, que criou fama depois da viagem da rainha. Nunca um faraó conseguira relações cordiais com o local, enquanto ela liderou uma equipe que retornou com mirra, árvores, marfim e ouro.

Estátua de Hatshepsut / Crédito: Wikimedia Commons

 

Quando Hatshepsut morreu, deu-se início a um movimento de esquecimento de seu governo (o que não foi completo, pois o povo a via como líder importante). Assumiu então seu filho, Tutmés III, que ordenou a realização de todos os procedimentos funerários necessários para a boa passagem da mãe. Sua múmia foi encontrada apenas em 2007, no Vale dos Reis.


++Saiba mais sobre o Egito Antigo através de grandes obras disponíveis na Amazon Brasil

O Livro dos Mortos do Antigo Egito, de E. A. Wallis Budge (2019) - https://amzn.to/2vzXF8o

Egito Antigo, de Stewart Ross (2005) - https://amzn.to/2vzQa1b

Desvendando O Egito, de Sergio Pereira Couto (2008) - https://amzn.to/3aZcz8l

As Dinastias do Antigo Egito, de Charles River Editors (2019) - https://amzn.to/2u7EjXV

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W