Matérias » Irã

Iran Air 655: O (outro) desastre aéreo do conflito entre EUA e Irã

Em uma situação muito similar a atual, uma aeronave civil foi derrubada em solo iraniano, mas dessa vez pelos Estados Unidos, em 1988

Caio Tortamano Publicado em 13/01/2020, às 16h30

Iran Air 655 do mesmo modelo que o abatido
Iran Air 655 do mesmo modelo que o abatido - Wikimedia Commons

Em meio aos conflitos entre Irã e Estados Unidos, o presidente americano Donald Trump ameaçou — logo após o assassinato de Soleimani — destruir 52 alvos iranianos. O número não foi a toa, e faz referência aos 52 americanos feitos reféns na embaixada dos Estados Unidos em Teerã no ano de 1979.

Como resposta, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, pediu ao presidente americano para que se lembrasse de outro número significativo: 290. A referência de Rouhani relembra de outro triste episódio ocorrido no país em 1988, a queda do avião Iran Air 655.

A aeronave foi derrubada por forças americanas ainda em território islâmico. Quando o Iran Air decolou com 274 passageiros e 16 tripulantes, foi detectada por um radar americano. Não recebendo nenhuma resposta do suposto veículo hostil, dois mísseis foram utilizados para derrubar o avião e matar as 290 pessoas a bordo.

Por mais que as investigações não tenham sido totalmente conclusivas, o caso recente da aeronave comercial ucraniana abatida por um míssil antiaéreo do Irã traça um paralelo quanto ao impacto que a população de um país sofre quando está em conflito com uma megapotência.

A revelação da responsabilidade do Irã pela morte de 176 pessoas a bordo do avião ucraniano desestabilizou o sentimento de união trazido com a morte do general Qassim Soleimani. Pessoas estão pedindo a renúncia do aiatolá Khamenei, líder supremo do Irã, uma vez que o país sabia que, desde o momento da queda, havia cometido um erro.

Aiatolá Ali Khamenei, responsabilizado pela queda do avião ucraniano / Crédito: Wikimedia Commons

 

Logo após a queda do Iran Air 655, o presidente dos Estados Unidos na época, Ronald Reagan, lamentou o ocorrido e ofereceu suas condolências aos passageiros, tripulação e famílias envolvidas no que ele considerou uma “tragédia humana terrível”.

Para Reagan, entretanto, o Irã foi tão responsável quanto os americanos, pois a aeronave não respondeu aos pedidos de identificação dos militares antes da derrubada do avião e porque ela sobrevoava uma área de conflito entre embarcações dos dois países.

O governo iraniano parava embarcações que estavam, supostamente, ligadas ao Iraque, apoiado pelos Estados Unidos na época. Enquanto isso, navios de guerra dos EUA protegiam rotas marítimas fundamentais para a passagem de petróleo.  

O Iran Air decolou de um aeroporto muito próximo dessa área, e foi vítima da insegurança alimentada por um conflito internacional. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos chegou a sugerir que o Irã dividisse a responsabilidade pela tragédia pelo fato de que o jato comercial sobrevoou uma zona de conflito.

Algum tempo depois, uma agência da ONU apontou que, na realidade, os Estados Unidos não se preocupavam tanto assim com aeronaves civis que sobrevoassem a zona de conflito, por conta da falta de equipamentos que pudessem distinguir aviões civis de militares.


Saiba um pouco mais sobre o Irã através das obras abaixo:

1. Os Iranianos, de Samy Adghirni - https://amzn.to/37MRzzk

2. O xá dos xás, de Ryszard Kapuscinski - https://amzn.to/37QjRJi

3. Khomeini: Life of the Ayatollah, de Baqer Moin - https://amzn.to/2Tb2TS0

4. Islam and Revolution: Writings and Declarations of Imam Khomeini (1941-1980), de Imam Khomeini - https://amzn.to/39Vlpnd

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.