Matérias » Estados Unidos

Jaycee Dugard: Raptada aos 11 anos e grávida aos 13

Neste dia, em 1991, a garota era sequestrada por Phillip Greg Garrido. O episódio durou 18 anos e tomou graves proporções nos EUA

Thiago Lincolins Publicado em 10/06/2019, às 16h00

None
- Crédito: Reprodução

Era 10 de junho de 1991, quando Jaycee Dugard, uma criança de 11 anos, caminhava para o ponto de ônibus localizado em South Lake Tahoe, nos EUA. Enquanto esperava o veículo escolar, foi surpreendida por um carro misterioso.

Inicialmente, a garota acreditava que o dono do veículo iria apenas pedir direções. Entretanto, ao abrir a janela, um casal mal intencionado sacou uma arma de choque e a deixou inconsciente. A partir daquele momento, o país estava diante de um dos sequestros mais tristes da História.

Na época em que foi sequestrada / Crédito: Reprodução

 

Jaycee havia sido abordada por Phillip Greg Garrido, um criminoso sexual que já havia realizado outros sequestros ao lado de sua esposa Nancy. No momento do rapto, Carl Probyn, o padrasto da criança, presenciou o episódio e correu atrás do veículo com uma bicicleta. No entanto, não obteve sucesso. Garrido acelerou e desapareceu do mapa.

Após três horas de viagem, Dugard foi levada para o Condado de Contra Costa, na Califórnia. Com um cobertor cobrindo a sua cabeça, ela foi algemada e trancafiada num galpão à prova de som. A situação ficaria ainda pior: Phillip estuprou a garota pela primeira vez.

Após o ato, advertiu a garota que havia cachorros do lado de fora e que eles foram treinados para atacar em caso de uma possível fuga.

Os sequestradores / Crédito: Wikimedia Commons

 

No momento do sequestro, seus parentes ligaram de imediato para as autoridades, que contaram com a ajuda do FBI. O esforço para encontrar a jovem incluiu cães, aeronaves e inúmeros policiais. Todavia, a garota não foi encontrada.

Nos primeiros sete meses, a jovem só tinha contato com Phillip. Na época ela já estava convencida de que o sequestrador era mentalmente perturbado. E não foi a toa.

Em 1972, Garrido foi acusado de agredir sexualmente uma menina de 14 anos. No ano de 1976, ele sequestrou Katherine Callaway, uma mulher 25 anos, e a levou para um armazém em Nevada. Lá, Katherine foi violada sexualmente durante 5 horas e meia.

Com o seu nome alterado, de Jaycee para “Alissa”, a menina viveu os piores horrores nas mãos do casal Garrido durante longos 18 anos. Iludida por inúmeras mentiras, ela já não tinha contato com o mundo afora e viveu presa no galpão no decorrer de 4 anos.

Aos 14 anos, Jaycee deu luz a sua primeira filha e depois, aos 17 anos, a segunda. E numa bizarra relação, os sequestradores formaram uma família com a jovem. Ela descreveu tudo em um diário, revelado em 2011.

"Sinto como se eu estivesse afundando", relatou Jaycee em 2004, com 24 anos. "Tenho medo, quero o controle sobre a minha vida. Isto era para ser a minha vida, e fazer o que eu gosto". 

"Como posso dizer a ele que quero ser livre? Liberdade para ir e vir, da forma que prezo. Liberdade para dizer que tenho uma família. Eu nunca causarei mal a ele se depender de mim. LIBERDADE", também relatou a jovem.

O horror só acabaria em 2009, quando Garrido visitou a Universidade da Califórnia com as duas filhas e Jaycee para tirar dúvidas sobre um evento religioso que seria realizado na Instituição. Ao suspeitar do comportamento estranho do “casal”, o gerente do campus pediu que os antecedentes criminais de Phillip fossem investigados. Logo foi descoberto que o homem estava em liberdade condicional após sequestro e estupro.

No dia 26 de agosto, após inúmeras visitas de autoridades que investigavam a sua liberdade condicional, Garrindo foi surpreendido depois de um interrogatório realizado com Jaycee. Ao ser pressionada pelas autoridades, ela admitiu que havia sido sequestrada pelo homem quando tinha apenas 11 anos.

Jaycee ao lado de sua mãe após encontrar a verdadeira família / Crédito: Reprodução

 

Dugard, e as crianças, foram reunidas com a sua família verdadeira. Enquanto isso, os sequestradores foram acusados de 29 crimes, incluindo estupro. Atualmente, Jaycee vive com os pais e ainda se esforça para se adaptar ao mundo real. Ela publicou dois livros: A Stolen Life (2012) e  Freedom: My Book of Firsts (2016).

Crédito: Reprodução

 

"Há vida depois que algo trágico acontece", relatou Dugard na segunda obra. "A vida não tem que acabar se você não quiser. É tudo em como você olha para ela. De alguma forma, eu ainda acredito que cada um de nós tem a chave para a nossa própria felicidade e você tem que agarrá-la onde puder em qualquer forma que possa levar”.