Matérias » Lendas

A lenda por trás dos doze animais do zodíaco chinês

Em fevereiro de 2019 entramos no ano do porco. Saiba a história por trás dos animais do horóscopo!

Alana Sousa Publicado em 29/03/2019, às 17h00

Zodíaco chinês
Zodíaco chinês - Reprodução

O calendário chinês é composto por ciclos de 12 anos, logo o horóscopo chinês também segue essa linha. Cada ano é representado por um animal que, na ordem, do primeiro ao décimo segundo, são: rato, boi, tigre, coelho, dragão, serpente, cavalo, cabra, macaco, galo, cachorro, porco.

A escolha desses animais é explicada em uma antiga lenda da China, na qual se conta que o Imperador de Jade realizou uma festa de Ano Novo e convidou todos os animais. Ele então organizou uma corrida entre os bichos, para decidir quais integrariam o ciclo dos anos, e uma vaga cativa no zodíaco.  

Os animais tiveram que atravessar o rio e ganhariam um ano para representar de acordo com a posição de chegada. Para tornar a corrida justa para todos os animais, já que nem todos poderiam nadar, foi decidido que o melhor caminho era colocar o menor, como o rato, nas costas de um boi no trajeto aquático.

O boi, mostrando ser um animal nobre e gentil, concordou em levá-lo através da correnteza. O primeiro a cruzar a linha de chegada foi o rato, seguido pelo boi, e o tigre, que sozinho lutou contra a força da água.

A quarta posição do zodíaco é ocupada pelo coelho, que graças à sua agilidade, conseguiu pular de uma margem a outra. Foi seguido pelo dragão, que só chegou tarde, pois, segundo as crenças chinesas, precisou parar para criar chuva. O imperador, surpreso com sua bondade, deu-lhe o quinto lugar.

Os animais seguintes chegaram com uma curta distância entre si, ocupando cada um as vagas restantes. A serpente e o cavalo se ajudaram na trilha. Assim como a cabra, o macaco, o galo, o cachorro, e por último o porco.

Dessa forma, o horóscopo chinês se completou, e o mito da corrida dos animais perpetua-se até hoje.