Matérias » Nazismo

Lida Baarova, a melancólica e intensa vida da amante de Joseph Goebbels

A principal amante do ministro nazista era uma atriz de sucesso, até o momento que Hitler decidiu arruinar a sua carreira

Alana Sousa Publicado em 04/02/2020, às 10h30

Lida Baarova
Lida Baarova - Wikimedia Commons

Em 1934, Lida Baarova já era a atriz mais famosa da Tchecoslováquia, até que seu estrelato atingiu o cenário internacional e ela foi contratada pela UFA, produtora de cinema alemão. Ela mudou-se para Berlim, em busca de sucesso.  Seu primeiro filme após receber um novo contrato foi Barcarole, lançado em 1935 e dirigido por Gerhard Lamprecht. Lida conseguiu comprar uma nova casa, sem saber que seu vizinho seria ninguém mesmo que Joseph Goebbels.

O ministro da propaganda nazista era casado na época, e Lida, estava se relacionando com Gustav Fröhlich, com quem já havia trabalhado. Goebbels controlava de perto quais obram seriam produzidas e distribuídas em território alemão, foi então que, em 1936, conheceu Baarova.

Lida Baarova e Gustav Fröhlich / Crédito: Wikimedia Commons

 

Morando na ilha de Schwanenwerder, o casal iniciou um relacionamento. O que era, no início, mais um caso extraconjugal na vida de Goebbels, logo se tornou em uma parceria fixa. Lida era a principal amante do nazista, e chegou, inclusive, a fazer aparições públicas ao lado dele.

Dois anos se passaram, foi quando, em 1938, Magda Goebbels decidiu tomar providências para destruir de vez a relação. Preocupada com seu casamento, a mulher foi conversar diretamente com Hitler, de quem era amiga próxima. O Führer considerou a situação insustentável, não seria possível que um de seus mais respeitados seguidores aparecesse com uma amante de origem tcheca ao seu lado.

Negando a autorização de divórcio para Magda, o ditador teve outra solução para o problema. Convocou Joseph e ordenou que ele colocasse um fim em seu caso amoroso — pedido que Goebbels aceitou sem hesitar. A partir desse momento, a vida de Lida mudou completamente, e o que era antes uma vida de sucesso, passaria a ser repleta de fugas, medo e decadência.

Os anos de sucesso chegaram ao fim

Após o fim do relacionamento com o ministro nazista, Lida decidiu voltar para Praga, onde morava no início da carreira, entretanto foi impedia por Hitler, que também delegou que a Gestapo seguisse a mulher incansavelmente.

Lida Baarova, Gustav Fröhlich e Joseph Goebbels / Crédito: Wikimedia Commons

 

Não só proibida de deixar a Alemanha, Baarova não podia mais atuar. Sua vida piorava a cada dia que passava, meses depois a atriz sofreu um colapso nervoso e foi internada em um manicômio. De lá, ela conseguiu fugir para Praga, mas por ser vista como uma traidora precisou deixar o local, escolheu a Itália como nova casa.

Na terra de Mussolini, Lida atuou em cinco filmes, até que a guerra terminou e, com medo, decidiu fugir novamente. Dessa vez, porém, foi capturada pelas tropas aliadas, que a acusaram de colaboração com o nazismo e fascismo. Sua sentença foi ser extraditada para seu país de origem, a Tchecoslováquia.

Os meses que se seguiram foram de intensos problemas, devido sua relação com Goebbels. A mãe de Lida foi levada para interrogatório, e rapidamente morreu, sua irmã cometeu suicídio, e ela, passou 18 meses presa, contudo, foi libertada por falta de provas.

Vida pós-guerra

Baarova casou-se novamente, mas se divorciou em pouco tempo. Decidiu recomeçar na Áustria, onde não foi bem recebida. Sua próxima parada foi a Argentina, Lida buscava um lugar que a aceitasse, aonde o sucesso seria, de novo, parte de sua vida.

Lida Baarova / Crédito: Wikimedia Commons

 

Na América do Sul, a atriz viveu em condições miseráveis, até que voltou para a Itália. Lá conseguiu estrelar alguns filmes que agradaram o público, como I Vitelloni (1953), do diretor Fellini. Ficou casada por três anos, até a morte do marido, Kurt Lundwall.

A vida já não era mais tão difícil, eventualmente ela encontrava papéis no cinema e no teatro. Lançou uma biografia em 1995, intitulada Bittersweet Memories de Lída Baarová, e foi premiada pelos críticos.

Viveu na Áustria com a doença de Parkinson até sua morte, em 2000. Apesar de ter conseguido, de certa forma, encontrar seu caminho, Lida nunca mostrou amargura ou arrependimento de ter amado Goebbels: “um homem charmoso e inteligente e um contador de histórias muito bom. Você poderia garantir que ele continuaria a divertir uma festa com seus pequenos elogios e piadas”.


+Saiba mais sobre Joseph Goebbels através das obras abaixo:

Joseph Goebbels: Uma Biografia, 2014, Peter Longerich - https://amzn.to/3759Rfc

Goebbels. Propaganda: Paul Joseph Goebbels. Biografia, foto, vida pessoal, 2018, Klim Max - https://amzn.to/3atYq30

Doutor Goebbels: Vida e morte, 2012, Roger Manvell e Heinrich Fraenkel - https://amzn.to/2TtMAQi

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.