Matérias » Crimes

Madame LaLaurie: A mais sádica torturadora de escravos

A socialite teria matado cerca de cem de seus escravos e mutilado desde crianças até idosos

Alana Sousa Publicado em 21/08/2019, às 15h00

None
- Crédito: Reprodução/Divulgação

Delphine LaLaurie nasceu em Nova Orleans, nos Estados Unidos, em 1775, durante o período colonial espanhol. Pertencia à família de políticos da região e por isso era respeitada e prestigiada. Entrou para a história como uma das mais cruéis serial killers por cometer atos perversos contra seus escravos. Estima-se que ela tenha causado a morte de cerca de cem pessoas, entre homens, mulheres e crianças.

De origem francesa, a socialite casou-se três vezes, tendo ficado viúva nas duas primeiras. Foi em seu terceiro casamento que adquiriu o sobrenome Lalaurie. Com seu marido, o médico Leonard Louis Nicolas LaLaurie, em 1831, mudou-se para a mansão que seria palco de seu sadismo, localizada no French Quarter, bairro mais antigo da cidade.

Ela promovia inúmeras festas para os membros da alta sociedade, que depois espalhavam que tinham visto os escravos de LaLaurie sendo tratados com brutalidade, convidados os descreviam como “abatidos e miseráveis”. A socióloga britânica Harriet Martineau, escreveu, em 1838, um relato no qual um vizinho da Madame testemunhou a morte de uma escrava de doze anos.

Madame LaLaurie / Crédito: Wikimedia Commons

 

A jovem Lia teria caído do telhado da mansão ao tentar evitar uma punição de sua senhora. Ela estaria penteando o cabelo de LaLaurie quando teria o puxado com um pouco mais de força, atitude que foi o suficiente para despertar a ira da mulher. O caso rendeu uma investigação das autoridades, que após encontrarem evidências de maus tratos dentro da casa, sentenciaram o casal com a perda de nove escravos.

Outras histórias circulavam na região, entre elas a de que o escravo responsável pela comida viveria acorrentado ao fogão, e que as filhas de Delphine eram espancadas toda vez que tentavam alimentar ou ter algum contato com os prisioneiros.

A prova concreta da realidade vivida dentro da construção de dois andares, no Royal Street, viria mesmo em 1834. No dia 10 de abril, a polícia e os bombeiros foram notificados de um incêndio na residência, chegando lá, a primeira cena que encontraram foi de uma senhora na faixa dos 70 anos, amarrada pelo tornozelo no fogão. A escrava afirmou que tinha começado o fogo como tentativa de suicídio. Muitos morreram carbonizados.

Após o fogo ter sido controlado, algumas pessoas tentaram entrar no alojamento dos escravos, para ter certeza de que não havia mais ninguém. A Madame LaLaurie tentou impedir a todo custo, porém, os moradores conseguiram arrombar o local.

Madame LaLaurie / Crédito: Wikimedia Commons

 

A cena que encontraram foi chocante: havia sete escravos, terrivelmente mutilados, alguns estavam suspensos pelo pescoço, com os membros rasgados de uma extremidade à outra — um deles afirmou estar preso por meses —, usavam colares de ferro com pontas que pressionavam suas cabeças. As vítimas mostravam sinais de terem sido esfoladas com chicote.

“Uma velha negra que tinha recebido muito ferida profunda em sua cabeça estava muito fraca para poder andar”, declarou o juiz Jean-François Canonge, uma das pessoas que presenciaram o horror . Uma inspeção mais aprofundada chegou a conclusões ainda mais drásticas. Os escravos sofriam também com a  remoção de suas genitais e a extração de sangue para armazenamento de LaLaurie.

Quando as torturas e assassinatos da Madame se espalharam, uma multidão se reuniu para destruir a casa em Nova Orleans. No momento que as autoridades conseguiram dispersar as pessoas, já não sobrava muita coisa além das paredes do casarão.

O que se sabe sobre o futuro de LaLaurie após a invasão de sua residência é, até hoje, incerto. Segundo Martineau, a torturadora fugiu, pegando um ônibus até o Alabama e, depois, para Paris, onde teria morrido, em 1842.

Cena de American Horror Story: Coven / Crédito: Reprodução

 

Sua casa está de pé até os dias de hoje. Já teve diferentes proprietários, entre eles o ator Nicolas Cage. Antigos donos dizem que o lugar é mal-assombrado, e durante a noite, pode-se escutar gritos em francês e ver vultos de escravos arrastando correntes.

A reputação de Delphine LaLaurie é conhecida por todos, ela entrou para a história como a maior torturadora de escravos dos Estados Unidos. Foi representada por Kathy Bates, na série American Horror Story: Coven, papel o qual lhe rendeu um prêmio Emmy, por melhor atriz coadjuvante.