Matérias » Crimes

Gigolô e assassino: Maníaco do Trianon, o insólito serial killer de São Paulo

Fortunato Botton Neto cresceu na rua e se tornou um sanguinário homicida. Entre 1967 e 1997, ele matava aqueles que o contratavam como garoto de programa

André Nogueira Publicado em 09/02/2020, às 09h00

Fortunato Botton Neto
Fortunato Botton Neto - Divulgação/Youtube

O Brasil também teve seus assassinos em série. São Paulo foi palco de uma história confusa e problemática que deu origem a uma sucessão de mortes. É o caso do rapaz Fortunato Botton Neto, conhecido como Maníaco do Trianon, que viveu entre 1967 e 1997.

Nascido na capital, ele fugiu de casa ainda criança e viveu na rua pedindo esmolas. Aos oito anos, foi estuprado por um caminhoneiro, o que desencadeou um ódio profundo por pessoas mais fortes que ele.

Nos anos 1980, ele começou a se prostituir para sobreviver, atuando na Av. Paulista, principalmente no Parque Trianon. Era uma época difícil, em que a AIDS se proliferava e a homofobia era ainda mais comum do que nos dias de hoje. Rapidamente, Botton começou a usar drogas e teve que lidar com problemas financeiros.

Manchete na época do assassinato / Crédito: Divulgação/Dias de Ira

 

Em 1987, foi encontrada sua primeira vítima: a empregada achou o corpo de um psiquiatra em seu apartamento. O cadáver estava com os membros amarrados, uma meia na boca, esfaqueado e com indícios de estar alcoolizado antes da morte. Hoje, sabe-se que esse assassinato ocorreu por busca de dinheiro.

Entre 1987 e 89, foram investigadas cinco de suas mortes. Normalmente clientes entre 30 e 50 anos de idade. O método do Maníaco do Trianon era o mesmo: embebedar, imobilizar, estrangular e esfaquear.

Um fator que atrapalhou as investigações foi o preconceito social que impedia a transparência policial sobre os casos. Muitos desses clientes que contrataram um garoto de programa não assumiam seu interesse por homens e suas famílias tentavam acobertar essa informação.

Os crimes só começaram a ser plenamente apurados quando um policial compreendeu a situação e ligou os diversos pontos: se tratava de um assassino em série. E o que o impulsionava? Dinheiro.

O Maníaco do Trianon / Crédito: Divulgação

 

Com o mesmo compromisso, Botton começou a extorquir um de seus clientes, pedindo pagamentos para que ele não revelasse sua sexualidade. Essa foi sua sina: cansado, o cliente, um estudante, se associou à polícia para armarem uma armadilha. Botton foi pego em flagrante e preso em 1989.

As investigações posteriores confirmaram que o garoto de programa era responsável por todas aquelas mortes. Como consequência, o rapaz admitiu dez assassinatos e foi condenado a oito anos de prisão. Porém, ele morreu na cadeia em 1997, vítima de AIDS.


+ Saiba mais sobre assassinos pelas obras abaixo:

Caçada ao maníaco do parque, de Luiza Alcade, 1999 - https://amzn.to/2OAlUdm
 
Dias de Ira, de Roldão Arruda, 2001- https://amzn.to/2SoH0wt 
 
Serial Killers - Anatomia do Mal: Entre na mente dos psicopatas, de Harold Schrechter, 2019 - https://amzn.to/2uqnXK0
 
Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.