Matérias » Segunda Guerra

Pietro Badoglio, o marechal que assumiu o poder após a queda de Mussolini

Em 1943, o caos que tomava a Itália levou à deposição do ditador fascista, levando ao poder um velho militar com histórico de crimes de guerra

André Nogueira Publicado em 23/02/2020, às 10h00

Pietro Badoglio
Pietro Badoglio - Getty Images

Quando os Aliados invadiram a Itália, via Sicília, os dias de Mussolini estavam contados. O líder fascista já vinha sofrendo grandes derrotas militares e, quando o país foi ocupado, foi ordenada a prisão dele por Vittorio Emanuelle II, antes do Duce fugir para a fundação da República de Salò. Nesse momento, assumiu o militar Pietro Badoglio

Badoglio foi um nome de um comando mais clássico do Exército Italiano, ligado à monarquia e ao colonialismo. Era Duque de Adis Abeba por sua centralidade na invasão da Etiópia, onde cometeu vários crimes de guerra.

Em 1943, com a Itália praticamente já derrotada, ele foi o nome cotado e apontado pelo rei como substituto no cargo de primeiro-ministro.

Badoglio em roupas litúrgicas / Crédito: Getty Images

 

Mussolini, sem capital político, sofria revés de dois lados: no interior do partido, Dino Grandi pressionava a demissão do Duce por incompetência, e nas Forças Armadas, Vittorio Ambrosio pretendia retirar aquele atraso do poderio bélico que representava o governo fascista.

Com a tramitação da demissão de Mussolini, Badoglio começou a se reunir com as alas em atrito com o ditador, para transmitir a vontade de assumir seu cargo. Como ele era muito relacionado com o rei, a posição e a vontade do monarca eram essenciais para que o marechal assumisse qualquer opinião pública.

Então, naquele ano, acordaram em colocar Badoglio no poder com um projeto de continuidade da Guerra e fim das negociatas de governo.

Badoglio no pós guerra / Crédito: Getty Images

 

Após uma humilhante reunião ocorrida em 19 de julho, em que Hitler expôs a incompetência militar da Itália que a levou ao quase colapso, ficou decidido entre o Estado-Maior italiano que Mussolini teria de sair, e Badoglio era o nome mais cotado, seguido de Caviglia.

Então, a deliberação foi entendida pelo Grande Conselho Fascista, que declara Mussolini deposto e entrega seu cargo de primeiro-ministro a Badoglio e o comando das Forças Armadas, que tinha Ambrosio como maior representante, ao rei Vittorio Emanuelle.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo

Fascismo, de Benito e Leon Mussolini e Trótski - https://amzn.to/2XxdKpt

Mussolini e a Itália fascista, de Martin Blinkhorn - https://amzn.to/35rr817

Mussolini - Autobiografia, de David Martelo - https://amzn.to/2XyjGOU

O conde Ciano: a sombra de Mussolini, Ray Moseley (2013) - https://amzn.to/3bRdacR

La mia vita,  Edda Ciano, Domenico Olivieri (2002) - https://amzn.to/37FRLQB

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.