Matérias » Japão

A insólita saga dos monges budistas que se auto-mumificavam ainda em vida

Conhecidas como sokushinbutsu, as múmias japonesas passavam por um longo e tortuoso processo em busca da ascensão espiritual

Vinícius Buono Publicado em 03/01/2020, às 08h00

Um dos monges budistas que se mumificavam ainda vivos
Um dos monges budistas que se mumificavam ainda vivos - Divulgação

Embora as múmias mais conhecidas do mundo sejam as do antigo Egito, elas não são as únicas. No extremo oriente, principalmente no Japão, existem processos de mumificação budistas e o passo a passo é um pouco mais insólito do que o embalsamento das egípcias.

Conhecidas como sokushinbutsu, essas múmias eram resultado do processo empreendido pelos monges shingon (uma das maiores vertentes do budismo no país). 

Um dos monges que passaram pelo processo / Crédito: Reprodução

 

A prática, demorada e feita com os monges ainda vivos, veio da China, trazida por Kukai, o fundador da escola shingon e foi aperfeiçoada nas Três Montanhas de Dewa, um conjunto de três montes sagrados em Yamagata, província ao norte do Japão.

Dava-se da seguinte forma: o monge passava mil dias comendo apenas produtos das árvores encontrados nas montanhas, como pinhas e sementes. A intenção era eliminar o máximo de gordura corporal possível. Eles reduziam a quantidade de água ingerida até praticamente parar, causando encolhimento dos órgãos. Também fazia parte da rotina beber apenas um chá que causava vômito e perda de fluidos corporais.

Crédito: Reprodução

 

Ao término do ritual, os já debilitados monges entravam em tumbas de pedra com espaço suficiente apenas para seus corpos em posição de lótus. A tumba possuía apenas uma saída de ar para que respirassem e todos os dias o religioso devia tocar um pequeno sino, como um aviso de que ainda estava vivo.

Quando o sino parava de tocar, imaginava-se que ele tinha morrido e a tumba era hermeticamente selada. Dessa forma, a mumificação estava completa, com a pele e os dentes intactos e sem a necessidade do uso de conservantes, como faziam os egípcios.

Apenas 24 múmias foram encontradas no extremo oriente, mas especula-se que existam centenas. Isso porque a prática era popular entre os monges, que encaravam o processo como uma forma de transcendência, não como suicídio

Morrer dessa forma era uma evidência de que aquele monge era de fato um bodhisattva, ou seja, alguém que está no caminho para se tornar um buda — ou iluminado. O costume existiu por muitos anos, sendo proibido só no período Edo, durante o século 18.

Apesar do sokushinbutsu ser mais popular no Japão, a mais famosa múmia está em exposição na Tailândia, e carrega algumas peculiaridades. O monge Luang Pho Deng morreu durante a meditação já no século 20, em 1973, e os cuidadores do templo onde ele se encontra deram uma curiosa adição: um par de óculos escuros para disfarçar o estado decomposto dos globos oculares.


+Saiba mais sobre os monges budistas através de importantes obras

Manual de limpeza de um monge budista, Keisuke Matsumoto, 2015 - https://amzn.to/37yD8yV

Os Monges e Eu (eBook Kindle), Mary English - https://amzn.to/2ZIRKca

A essência do sutra do coração (Dalai Lama), Dalai Lama, 2015 - https://amzn.to/2MO8l9i

Arquivo da Falésia Azul: Yuanwu Keqin (eBook Kindle), Gentil Saraiva Junior, 2014 - https://amzn.to/35gE89j

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.