Matérias » Crimes

Morte na Casa Branca: O hediondo assassinato em massa de Jeremy Bamber

Na década de 1980, Bamber matou toda a sua família em dos crimes mais violentos da Inglaterra

Alana Sousa Publicado em 09/01/2020, às 15h00

Jeremy Bamber
Jeremy Bamber - Getty Images

No início da madrugada do dia 7 de agosto de 1985, a delegacia de Chelmsford recebeu uma ligação relatando que um crime bárbaro havia acontecido na Fazenda da Casa Branca, na zona rural de Essex, Inglaterra. Cinco pessoas da mesma família tinham sido friamente assassinadas dentro da propriedade. Jeremy Bamber, o único sobrevivente, foi o autor da chamada e as autoridades em pouco tempo chegaram ao local.

Ao adentrar a fazenda, os detetives se depararam com uma cena chocante e sangrenta, os pais de Jeremy, Nevill e June Bamber (ambos com 61 anos), sua irmã, Sheila Caffell e os filhos gêmeos de seis anos, Nicholas e Daniel, estavam mortos. No total a família foi atingida 25 vezes por tiros efetuados à queima roupa.

Nevill Bamber, o pai, havia sofrido os maiores danos, além de ter sido baleado oito vezes, o homem apresentava sinais de ter enfrentado uma luta violenta. June, por sua vez, morreu com sete tiros, com um dos disparos efetuado entre os olhos. As crianças foram mortas enquanto dormiam. O corpo de Sheila Caffell intrigou mais os policiais, a mulher estava caída junto a um rifle calibre 22 e uma bíblia.

Nevill e June Bamber / Crédito: Wikimedia Commons

 

Segundo Jeremy, a irmã, uma ex-modelo que sofria de esquizofrenia, havia sofrido um surto e assassinado a família inteira. As autoridades acreditaram nessa primeira versão, sem desconfiar que o verdadeiro homicida estivesse mais perto do que eles pensavam.

Investigação

O assassinato em massa já estava concluído para os policias, porém, dias depois, a atitude suspeita de Bamber fez com que uma investigação fosse iniciada. Durante o enterro da família, que foi acompanhado de perto pela mídia inglesa — um dos jornais locais havia publicado uma manchete na qual afirmava: “A modelo enlouquece e massacra sua família” — Jeremy aparentou tristeza profunda, mas quando as câmeras não estavam ligadas, sua postura mudava.

Jeremy durante o funeral de sua família / Crédito: Getty Images

 

Colin Caffell, ex-marido de Sheila e pai dos gêmeos, afirmou na época que “Jeremy começou a fazer piadas e rir”, o que deixou as pessoas presentes desconfortáveis. “Ele mal podia esperar para voltar para casa com Julie Mugford, sua então namorada, e divertir-se”, contou Caffell.

Uma perícia, então, foi realizada na Casa Branca e para surpresa da equipe foi encontrado algo que mudaria tudo o que se sabia sobre o crime. O silenciador da arma utilizada na matança foi descoberto no armário. O fato tirou a culpa de Sheila, pois não seria possível que a mulher tivesse matado a família, se matado e ainda escondido o artefato.

Jeremy Bamber foi considerado o principal suspeito, seu comportamento foi analisado sem que ele tivesse conhecimento. A pista fundamental para declarar a culpa de Bamber e levá-lo a julgamento veio um mês depois.

Julie Mugford contatou a polícia e contou que Jeremy tinha comentado que gostaria de matar sua família para ganhar uma herança milionária. Na noite de 7 de agosto, o criminoso telefonou para a namorada e falou “É hoje à noite ou nunca”. As autoridades possuíam uma testemunha e acusaram formalmente Bamber dos assassinatos.

Julie Mugford, a namorada e principal testemunha / Crédito: Getty Images

 

Julgamento e condenação

Jeremy, que havia sido adotado aos seis meses de idade por Nevill e June, viveu por anos uma vida rica e tranquila, trabalhando na fazenda e exercendo papel importante nos negócios da família, até que aos 25 anos estava sentado em frente ao júri alegando ser inocente de um homicídio brutal, ao qual não tinha escapatória.

Mesmo os advogados de defesa alegando que Mugford tinha inventado a história por vingança ao ex-namorado, o juiz declarou Jeremy culpado das acusações e o condenou à prisão perpétua sem a possibilidade de liberdade condicional. Na época, o juiz Drake descreveu o psicopata como “mau, quase inacreditável”.

Hoje, aos 58 anos, Bamber é prisioneiro da HM Prison Wakefield, em Yorkshire, na Inglaterra, e após todos esses anos, ainda insiste em sua inocência.


+Saiba mais sobre crimes brutais através das obras abaixo

Famigerado!: a História de Luz Vermelha, o Bandido que Aterrorizou São Paulo nos Anos de 1960, Gonçalo Junior, 2019

Link - https://amzn.to/2JLfeGQ

Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy (2017)

Link - https://amzn.to/2IUCmST

Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni: Abra os arquivos policiais, de Ilana Casoy (2016)

Link - https://amzn.to/2ppHCXA

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (2018)

Link - https://amzn.to/35CT56O

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.