Matérias » Naufrágio

Navio abandonado pelo capitão: Há 9 anos, 32 pessoas morriam no naufrágio do Concórdia

Em 2012, o cruzeiro bateu em uma rocha e afundou após uma manobra malsucedida realizada pelo comandante Francesco Schettino

Giovanna Gomes Publicado em 16/01/2021, às 00h00

O navio Costa Concordia
O navio Costa Concordia - Wikimedia Commons

O ano de 2021 marca 9 anos de um episódio que entrou para a História. No dia 13 de janeiro de 2012, um terrível naufrágio ocorrido na costa da Isola del Giglio, região da Toscana, ocasionou na morte de 32 pessoas.

Às 21h45, o comandante do navio Costa Concordia, que levava 4.229 pessoas a bordo, realizou uma manobra errada, de modo que a embarcação bateu numa rocha e afundou. 

O naufrágio

A bordo do Costa Concordia havia 3.216 passageiros e 1.013 membros da tripulação. Com o impacto causado pela manobra malsucedida, houve corte da corrente elétrica.

Naquele momento, o comandante Francesco Schettino comunicou que o gerador apresentava problemas, mas que logo a energia voltaria. O profissional foi um dos primeiros a abandonar a embarcação.

O impácto causou sérios danos no navio / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em seguida, foi dada a ordem de abandonar o navio, estando o navio já sob responsabilidade do comandante. Naquele momento, a embarcação fora tomada pela água. Como consequência, o navio inclinou a estibordo, permanecendo dois terços dentro da água.

Mais tarde, Schettino foi suspenso pela Costa Crociere, empresa à qual pertencia o Costa Concordia, e foi submetido a prisão domiciliar até o dia 5 de julho do mesmo ano.

Curiosamente, um testemunho disse que a música My Heart Will Go On de Celine Dion, trilha sonora do filme Titanic, teria sido a última a ser escutada pelos passageiros no restaurante, antes da embarcação afundar.

O naufrágio ocorreu em janeiro de 2012 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Acusações e detenção

Após a tragédia, o comandante foi acusado de ter realizado a manobra no cruzeiro com o objetivo de tentar impressionar uma dançarina da Moldávia com quem havia se encontrado no restaurante da embarcação pouco antes do ocorrido.

Ele negou a afirmação, contudo, um membro da tripulação confirmou que a mulher estava no navio de forma irregular e que matinha um caso extraconjugal com o Schettino.

Já sobre o fato de ter abandonado a embarcação, o comandante justificou que havia sido lançado para fora do navio devido ao choque e que havia caído num bote salva-vidas. Alegou também que o imediato estava em seu lugar e que, por esses motivos, não retornou para ajudar as pessoas que ainda estavam a bordo.

Contudo, em fevereiro de 2015, acabou sendo condenado a 16 anos de prisão por homicídio, abandono do navio e naufrágio. Ele cumpre pena no centro de detenção de Rebibbia, em Roma.

A embarcação foi totalmente destruída / Crédito: Wikimedia Commons

 

O que sobrou do navio

No dia 17 de setembro de 2013, o navio foi reerguido a um custo estimado em mais de 600 milhões de euros. Porém, por ter passado 20 meses submerso, o cruzeiro já estava oxidado.

A operação somente se deu por completa em 2015, quando a equipe finalmente conseguiu levar o Costa Concordia a um estaleiro em Gênova, onde foi desmontado.


+Saiba mais sobre naufrágios através de grandes obras:

Príncipe de Astúrias. O Titanic Brasileiro, de Isabel Vieira (2014) - https://amzn.to/2xIcEie

Titanic. A Verdadeira e Trágica História e os Atos de Heroísmo de Seus Passageiros, Rupert Matthews (2014) - https://amzn.to/2JFJ4fW

Titanic: Minuto a minuto, Jonathan Mayo (2017) - https://amzn.to/34kLDfd

Titanic - a história completa, Philippe Masson (2011) - https://amzn.to/2NvHZbF

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W