Matérias » Idade Média

Castigos sangrentos, sacrilégios e adultérios: o polêmico papado de João XII

Conseguindo o cargo através de acordos políticos, o controverso Santo Padre provocou guerras e desavenças

André Nogueira Publicado em 03/02/2020, às 11h49

Papa João XII, 130º pontífice
Papa João XII, 130º pontífice - Wikimedia Commons

Quando o príncipe Alberico II de Espoleto, próximo à sua morte, conseguiu dos magnatas de Roma um juramento de que seu filho seria eleito o próximo papa, o jovem Otaviano sabia que assumiria o trono papal. Após a morte do papa Agapito II, o rapaz de 18 anos tornou-se João XII, em 955.

A estréia de João como Sumo Pontífice reestruturou a lógica em que coincidia a autoridade temporal e espiritual de Santa Sé. Ele reivindicou os direitos temporais do cargo e passou a visto como um homem imoral, que transformou a maior instituição da Igreja num recinto de fama duvidosa e corrupta, gerando grande insatisfação.

O governo do papa foi marcado por guerras e o acirramento das perseguições contra opositores. Além disso, a Igreja sofreu com diversas perdas nesses conflitos, como uma derrota contra o duque da Cápua e a tomada dos Estados Eclesiásticos pela Itália.

Nesse cenário, João se associou a Otto I, dos Estados Germânicos, conquistando uma relação de soberania de Roma em relação às decisões do rei. Assim, a Igreja se tornou inimiga de diversos reinos italianos e Otto se tornou oficialmente imperador do Sacro Império Romano-Germânico.

Otto I, o Grande / Crédito: Wikimedia Commons

 

No dia seguinte à coroação, João XII assinou a lei Privilegium Ottonianum, em que as relações entre Roma e o Sacro Império se fortaleciam, os Estados Pontifícios se tornavam oficialmente posse romana (baseado nas doações de Pepino e Carlos Magno), além de estabelecer um rito canônico para a escolha dos próximos papas.

Rapidamente, João se virou contra Otto e estabeleceu limites violentos ao Imperador. Além de começar negociações com Adalberto, Beregarius e outros líderes italianos, que jurou nunca se associar, alinhou-se também Constantinopla e à Hungria, para entrar em guerra contra Otto, no entanto, o Imperador descobriu antes e tirou satisfação.

Com a rixa entre Otto e João, a nobreza de Roma se dividiu, e parte dela se voltou contra o Papa. Equipes diplomáticas foram enviadas tanto à corte de Otto quanto à Santa Sé, tentando resolver o briga. Numa segunda viagem a Roma, o sacro imperador renovou acordos com a nobreza romana que era sua aliada, conseguindo um juramento de que as próximas escolhas de papa passariam por seu crivo.

Encontro de Otto com João XII, em manuscrito medieval / Crédito: Wikimedia Commons

 

Diante dessa contenda, foi convocado um sínodo em São Pedro, onde João XII foi acusado de perjúrio, sacrilégio, simonia, incesto, assassinato e adultério, sendo chamado para se defender. Não reconhecendo o sínodo, o papa jurou a excomunhão de todos os participantes da reunião caso fosse destituído. Otto, então, o acusou de quebrar o juramento que havia entre eles e se associou a Adalberto de Tours.

Toda a confusão abriu espaço para que, em 4 de dezembro de 962, o sínodo em questão depusesse João XII e estabelecesse como papa Leão VIII, na época um leigo. Esse movimento desrespeitou diversos dogmas canônicos estabelecidos pela Santa Sé, o que fez com que a maioria da Europa considerasse a atitude inválida.

Chegou a ocorrer uma grande revolta por parte de legionários de João XII, mas que foi duramente reprimida pelo exército de Otto. Devido a pedidos de Leão, alguns dos revoltosos foram anistiados, o que fomentou um novo levante contra o imperador. Diante do mar de sangue, Leão fugiu de Roma e o vácuo institucional incentivou que João voltasse à cidade e se vingasse de diversos religionários de Otto, com castigos sangrentos e sádicos.

Leão VIII / Crédito: Wikimedia Commons

 

João foi entronado novamente papa e baixou novas ordenações que revogavam as decisões do sínodo de 962, além de excomungar todos os envolvidos, assim como o próprio Leão. Otto, revoltado, planejava voltar a Roma novamente, mas seus planos mudaram com a morte de João XII em 964. As más línguas afirmam que o antigo papa morreu de uma maneira tétrica: 


+Saiba mais sobre a Igreja Católica através das obras abaixo:

As grandes mentiras sobre a Igreja Católica, de Alexandre Varela e Viviane Varela (2016) - https://amzn.to/34W67L5

Como A Igreja Católica Construiu A Civilização Ocidental, de Thomas E. Woods Jr (2008) - https://amzn.to/2Qowkga

As verdades que nunca te contaram sobre a Igreja Católica: A verdade por trás das cruzadas, da inquisição e muito mais, de Alexandre Varela e Viviane Varela (2018) - https://amzn.to/36079Hv

História do cristianismo: Uma obra completa e atual sobre a trajetória da igreja cristã desde as origens até o século XXI, de Bruce Shelley (2018) - https://amzn.to/2Q2trD3

História da Igreja Católica, de J. Derek Holmes e Bernard W. Bickers (2006) - https://amzn.to/2PZGJQw

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.