Matérias » China

Há 31 anos, ocorria o Massacre da Praça da Paz Celestial

Em 1989, milhares de chineses caminhavam pacificamente em protesto contra o governo. O ato resultou num massacre causado pelo Exército Popular de Libertação

André Nogueira Publicado em 04/06/2020, às 11h24

Praça da Paz Celestial
Praça da Paz Celestial - Wikimedia Commons

Entre os notórios episódios da Guerra Fria, um dos mais sangrentos foi o Massacre da Praça  de Tian’anmen, na China, que ocorreu em 4 de Junho de 1989. O conflito foi marcado por uma forte repressão vinda do Exército Chinês após uma série de protestos que ocorriam no país nos anos 1980.

As manifestações rondavam algumas pautas ligadas aos déficits democráticos do Estado Chinês. Elas foram consideravelmente heterogêneas e envolveram desde intelectuais críticos ao autoritarismo e a corrupção do Partido Comunista, até trabalhadores das cidades, que protestavam pelas condições econômicas e inflação. Todavia, os protestos se resumiam em passeatas pacíficas pela capital.

A China, nessa época, passava pelo auge do cenário econômico fomentado por Deng Xiaoping, que inseriu o governo em uma série de reformas econômicas e governamentais que aproximaram a economia chinesa da economia de mercado (capitalismo de Estado) ao mesmo tempo em que fortalecia os poderes do governo.

No sentido contrário à tradição de Mao Tse-Tung, Deng fomentava uma China que se aproximasse dos padrões ocidentais de economia.

No dia do Massacre / Crédito: Divulgação

 

A maioria dos intelectuais chineses acompanhava o processo da Glasnost de Gorbachev, na URSS, e apontava a necessidade de uma reforma política estrutural que abrisse o Estado a processos democratizantes. Eles denunciavam que as reformas econômicas eram pouco efetivas e jogavam a crise nas costas do trabalhador.

O estopim dos protestos foi a morte de Hu Yaobang, ex-secretário geral que ficou estigmatizado no Partido por suas concepções liberalizantes.

Após repressões promovidas por policiais, os protestos começaram a aumentar, ao mesmo tempo em que se denunciava que a imprensa oficial estava manipulando a imagem das manifestações para enfraquecê-los. O centro desses protestos se tornou a Praça Tian’anmen, ou da Paz Celestial, em Pequim.

Homenagem a Hu Yaobang / Crédito: Wikimedia commons

 

Com o crescimento das passeatas, os estudantes ganharam destaque. Grupos estudantis, apoiados por professores e intelectuais, e as associações estudantis controladas pelo Partido Comunista, tomaram a cidade contra o governo.

Com o tempo, outras pautas foram aderidas aos protestos: defesa da democracia, respeito a Hu Yaobang, fim da corrupção, reafirmação das pautas dos protestos de 1976, liberdade de imprensa e reforma política para deslocar o controle do Partido Comunista, etc.

As respostas do governo chinês foram decepcionantes. Deng Xiaoping tentou algumas vezes, mas logo desistiu de tentar diálogo com os manifestantes, que na altura de 13 de maio estavam em greve de fome na Praça da Paz Celestial.

No dia 20, Deng declarou lei marcial no país, mas não encerrou as manifestações. O atrito entre o povo e o jornal Diário do Povo, que acusava os manifestantes de baderneiros, só aumentava.

Ao mesmo tempo, a organização e a coesão entre os manifestantes e os moradores de Pequim aumentavam, acalorando o sentimento de solidariedade entre os chineses.

O Rebelde Desconhecido, momento icônico do dia posterior / Crédito: Divulgação

 

Com a lei marcial, o dia 4 de junho ficou marcado na História. No meio desses protestos, o governo enviou tropas para conter as manifestações. Entrando com truculência, o Exército Popular de Libertação iniciou uma batalha campal com fuzis e os tanques do Estado.

O massacre foi um verdadeiro banho de sangue. Os dados de mortos e feridos desse evento são bastante controversos, indo desde 800 mortos (The New York Times), 2,6 mil (Cruz Vermelha) até 7 mil (manifestantes).

Sabe-se que 23 estudantes universitários foram oficialmente anunciados como mortos durante o acontecimento. A Universidade de Tsinghua declarou que o massacre resultou na morte de 4 mil chineses e deixou 30 mil feridos.