Matérias » Bizarro

Ponto de referência macabro: os cadáveres esquecidos do Everest

A montanha de maior altitude do mundo, esconde os corpos de mais de 200 pessoas que tentaram desbravá-lo em vão.

Paola Churchill Publicado em 07/03/2020, às 08h00

A montanha mais famosa do mundo também é cemitério de 200 alpinistas que a tentaram escalar
A montanha mais famosa do mundo também é cemitério de 200 alpinistas que a tentaram escalar - Divulgação

O objetivo de escalar a montanha mais alta do mundo, pode ser extremamente difícil e arriscado. Mais de 200 alpinistas já perderam suas vidas ao se aventurarem no Everest, e seus corpos permanecem até hoje congelados no local. As causas da morte podem ser por conta avalanches, quedas, mas também a falta de experiência que alguns dos aventureiros têm diante da desgastante subida.

O corpo do alpinista Tsewang Paljor, serve de referência aos outros alpinistas que estão chegando ao topo/ Crédito: Wikimedia Commons

 

As baixas temperaturas (que podem chegar a 70 ºC negativos) e a alta altitude acabam trazendo grandes problemas ao corpo: os músculos ficam fracos, chega pouco oxigênio ao cérebro e existem grandes chances do pulmão corre risco de sofrer edemas.

Apenas em 2019, onze pessoas faleceram ao tentar completar o trajeto. A maioria das fatalidades ocorreram em uma parte do trajeto conhecida como “zona da morte”. Bem próxima ao fim do trajeto, os montanhistas passam por um local estreito, contando apenas com o apoio de uma corda fixada no topo da montanha e sem enxergar direito o que está acontecendo.

Devido ao aquecimento global a quantidade de lixo vêm a tona/ Créditos: Wikimedia Commons 

 

Com o aquecimento global, as geleiras da região do Himalaia estão derretendo e se tornando mais escassas. Com o gelo se espalhando, o que antes escondidos pelas camadas espessas de neve, começaram a aparecer, tanto que alguns cadáveres viraram referência para os montanhistas que estão subindo.

Apesar dos esforços do governo do Himalaia e da China, muitos dos cadávers continuam no local. Remové-los de lá, é um trabalho díficil e demorado, além de ser muito caro, uma expedição para a retirada pode chegar a $70 mil. E, a remoção dos antigos alpinistas é difícil, pois com o tempo, eles acabam ficando congelados na encosta da montanha. 

Também existe a controvérsia relacionada a tradição e crenças da região. Enquanto alguns alpinistas que ao pensar na possibilidade de morte durante a escalada, preferem ser mantidos lá, a comunidade lama quer que os "espíritos" sejam retirados de lá, pois acham um insulto aos deuses da montanha. 

O mais famoso é o do alpinista indiano Tsewang Paljor, que tentou a escalada em 1996, Os seus restos ficaram conhecidos como “botas verdes” e é ponto de referência por estar muito próximo ao cume, a 8.500 metros do nível do mar.


+ Saiba mais sobre desaparecimentos por meio das obras abaixo:

Madeleine: O desaparecimento de nossa filha e a incessante busca por ela, Kate Mccann (2011) - https://amzn.to/2O1cd7C

O Que Aconteceu Com Annie, C. J. Tudor (2019) - https://amzn.to/2tLz3Jy

25 Mistérios Que Nunca Foram Resolvidos (e-book) - https://amzn.to/2vrHeeo

Sem Pistas (um Mistério de Riley Paige –Livro 1) (e-book) - https://amzn.to/30YhnX7

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.