Matérias » Brasil

Além do Edifício Joelma: os 5 casos mais chocantes do programa Linha Direta

A atração, que marcou época no início dos anos 2000, apresentava crimes e catástrofes que abalaram o Brasl

Caio Tortamano Publicado em 15/03/2020, às 09h00

A tragédia do Edifício Joelma, em São Paulo
A tragédia do Edifício Joelma, em São Paulo - Wikimedia Commons

Extremamente popular durante o início dos anos 2000, o programa Linha Direta era uma atração da TV Globo em que eram feitas simulações encenadas de diversos crimes marcantes que ainda não tinham sido completamente solucionados.

O sucesso do programa foi responsável por colaborar na prisão de 431 foragidos, isso porque ao final de cada episódio o apresentador (Marcelo Rezende no início e Domingos Meirelles até o final) fornecia ao espectador o telefone do disque-denúncia. Mesmo com boa audiência e abaixo-assinado, o programa deixou de ser exibido em 2007.

Nesses anos todos alguns casos foram muito emblemáticos. Confira alguns dos mais marcantes.

1. Edifício Joelma

O prédio localizado no centro de São Paulo hoje se chama Edifício Praça da Bandeira. Teve seu nome alterado após um trágico incêndio que matou 191 pessoas e deixou 300 feridas.

Edifício Joelma, que pegou fogo em 1974 / Crédito: Divulgação

 

Muita superstição rodeia a história do incêndio, que começou com um curto circuito em um ar-condicionado. Existem relatos de eventos sobrenaturais sucedidos do acidente, como cadáveres terem desaparecido das fotos que a perícia tirou depois do ocorrido.

Algumas tragédias teriam amaldiçoado o edifício, como o fato dele ter sido construído no local onde antigamente era um pelourinho, ou o caso do assassinato de um homem que assassinou mãe e irmãs no mesmo prédio.


2. Bandido da Luz Vermelha

João Acácio Pereira da Costa, mais conhecido como o Bandido da Luz Vermelha, foi um criminoso que aterrorizou a elite paulistana na década de 60. Ganhou o apelido por carregar uma lanterna de luz avermelhada que era usada amedrontar suas vítimas.

Bandido da luz vermelha / Crédito: Reprodução

 

Durante o seu julgamento, foi descoberto que Acácio havia sido relegado pela família e desde sempre teve que aprender a se virar com métodos não muito honrosos, como roubo e furto. O criminoso foi para a capital paulista justamente arquitetando tais planos para assaltar residências da classe alta da cidade, que já não se sentia mais tão protegida devido ao boom imobiliário que mudara a zona nobre da cidade.


3. Césio 137

Em 1987, dois catadores de lixo em Goiânia deram início ao que seria considerado o maior acidente radioativo já registrado no Brasil, e o terceiro com o maior número de vítimas, perdendo apenas para dois ocorridos na União Soviética (um deles sendo Chernobyl).

A contaminação começou quando dois catadores abriram um aparelho radiológico de um hospital desativado que não descartou adequadamente seus aparelhos.

Vítimas da radiação em quarentena / Crédito: Divulgação

 

Antes de qualquer ação preventiva do governo ser tomada, o césio 137 (que possuía fascinante luz azul no escuro) afetou cerca de 1.600 pessoas que entraram em contato com o material e levou ao óbito de 104 indivíduos.


4. O Vampiro de Niterói

Após matar a sangue frio 17 garotos que tinham entre 6 e 14 anos, Marcelo Costa de Andrade ficou conhecido pelas mortes desses meninos na cidade da Baixada Fluminense. Vindo de uma família completamente desestruturada, fugiu da instituição pela qual era cuidado e passou a viver na rua, sobrevivendo com pequenos delitos e prostituição.

Após viver com um homem começou a frequentar a Igreja Evangélica, e retornou para a casa da família de sua mãe, onde arrumou emprego e tudo que garantisse alguma estabilidade. Entretanto, foi justamente nesse período em que iniciou a trajetória de crime.

Coletando sangue de algumas vítimas com ferimentos graves, ingeria os fluídos para “se manter jovem”. Sua experiência com a religião criou em sua cabeça delirante a noção de que matando crianças elas nunca iriam para o inferno, por isso não acreditava que estaria realizando algo tão errado.


5. Máscaras de Chumbo

Ainda cercados de muita dúvida quanto ao real motivo de seus falecimentos, Manoel Pereira da Cruz e Miguel José Viana morreram sob circunstâncias suspeitas.

Vestidos de sobretudo e máscaras de chumbo, os homens foram encontrados por um morador da região de Niterói. No bolso de um dos cadáveres estava um bilhete que apresentava instruções respectivas a horários determinados.

Máscara encontrada com uma das vítimas / Crédito: Wikimedia Commons

 

Alguns dizem que os homens estavam seguindo instruções dadas por extraterrestres, e a máscara serviria como forma de se protegerem da radiação dos seres.

No entanto, a teoria mais aceita é a de que eles eram membros de uma seita religiosa científico-espiritualista e morreram devido ao uso de drogas psicodélicas, muito em uso nos anos 60.


+Saiba mais sobre crimes ocorridos no Brasil recomendamos as seguintes leituras:

Famigerado!: a História de Luz Vermelha, o Bandido que Aterrorizou São Paulo nos Anos de 1960, Gonçalo Junior, 2019

Link - https://amzn.to/2JLfeGQ

Arquivos Serial Killers. Made in Brazil e Louco ou Cruel, de Ilana Casoy (2017)

Link - https://amzn.to/2IUCmST

Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni: Abra os arquivos policiais, de Ilana Casoy (2016)

Link - https://amzn.to/2ppHCXA

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (2018)

Link - https://amzn.to/35CT56O

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.