Matérias » Idade Média

Conheça a vida da papisa Joana, única papa mulher da História, cuja existência é cada vez mais creditada

Joana teria reinado entre 856 e 858 d.C. — até ter dado à luz. Antes dela, tinha-se certeza de que isso não era possível

Letícia Yazbek e Thiago Lincolins Publicado em 19/07/2019, às 18h00

Uma das muitas faces da papisa
Uma das muitas faces da papisa - Reprodução

Essa história aparece na crônica de vários autores medievais. Disfarçada de homem, ela conseguiu subir na hierarquia católica e ser eleita papa. As datas são precisas: reinou entre 855 e 857, como João (Iohanes, em latim) VIII, conhecido também por Iohannes Anglicus. 

Um dia, enquanto liderava uma procissão na cidade, a verdade veio à tona. O papa João sentiu-se mal. Teve de parar tudo. E deu à luz no meio da rua. Causando indignação, foi aprisionada e, os relatos divergem, pode ou não ter sido executada. Seja como for, ela teve seu nome removido de todos os documentos da Igreja. Oficialmente, o papa João VIII foi o que reinou entre 872–882. Pela lista oficial, Leão IV teria reinado até 855, sucedido por Bento III, que foi até 858. 

Essa história foi muito comentada na Idade Média, quando era vista como real. Hoje, a maioria dos historiadores acredita ser pura lenda. A primeira menção à papisa é de mais de 300 anos depois, no início do século 13, pelo dominicano Jean de Mailly. Ele não deu o nome oficial do papa mulher e situou a história em 1099. Foram cronistas posteriores que trouxeram os detalhes.

Representação da papisa Joana, datada de 1473 / Crédito: Reprodução

 

Porém, seria possível rastrear através das fontes provas da realidade da primeira papa mulher. A partir das moedas feitas em homenagem à papisa, é possível declará-la real. 

Segundo Michael E. Habicht, autor de Päpstin Johanna Ein vertuschtes Pontifikat einer Frau oder eine fiktive Legende? (Papisa Joana: O Pontificado Encoberto de uma Mulher ou uma Lenda?), as peças são uma forte evidência de que a papisa Joana realmente existiu. Essas moedas fazem parte de uma séries de moedas francas, feitas de prata, que traziam imagens de papas e imperadores.

Essas moedas trazem, de um lado, o nome do imperador Luis II. Do outro, um monograma complexo que representa o nome IoHANIs – Iohannes, ou João. O monograma teria sido baseado na assinatura do papa representado.

À esquerda, monograma de Iohannes. À direita, o nome do imperador Luis II / Crédito: Reprodução

 

A análise do estilo e do design das inscrições apontam que a moeda data dos anos 850 d.C. — em cheio com o reinado do João VIII citado pelos cronistas medievais. “Nessa época, não existe, oficialmente, nenhum papa com o nome de Iohannes. Mas há muitos registros de Iohannes Anglicus, a papisa”, afirma Habicht, em entrevista à AH.

Além disso, apenas figuras reais eram retratadas nas moedas, principalmente em conjunto com o nome de um imperador franco que de fato existiu. Leão VI e Nicolau I, por exemplo, reconhecidos como pontífices legítimos pela Igreja Católica, tiveram suas representações em moedas semelhantes.

Porém, as moedas foram atribuídas ao já citado João VIII oficial, que reinou de 872 a 882. “Mas esse papa tem um monograma diferente. E uma análise grafológica apoia a conclusão de que são diferentes assinaturas, de duas pessoas diferentes”, diz Habicht. “Quando o pontificado de Joana foi encoberto, o pontificado de Leão IV foi estendido até 855 e o de Bento III, até 858. Feitos históricos e clericais de Joana foram distribuídos entre ambos.”

Segundo ele, a história oficial sempre foi suspeita. “Os falsários cometeram vários erros. Dependendo do manuscrito, os atribuíram os feitos a um ou outro. Além dissso, no mais antigo manuscrito do Liber Pontificalis [registro dos papas], a vida de Leão IV termina no meio de uma palavra, o resto da página permanecendo vazia, e Bento III está completamente ausente.”

Documentos reforçam a teoria. “Uma crônica (Flacius et al) relata que Aethelwulf de Wessex visitou o papa Iohanes Anglicus (a papisa) em Roma para casar sua filha Judith com o rei da França Ocidental (casamento que ocorreu em 856). Portanto, a papisa Joana devia estar na Santa Sé no verão de 856. E o cronista Conrad Botho relatou que o papa Iohanes coroou Luís II em 856 (quando oficialmente Bento III devia ser o papa).”