Matérias » Egito Antigo

Passo a passo: Como fazer uma múmia?

Elaborada prática funerária durou mais de 3 mil anos, cadáveres foram dissecados, desidratados e enfaixados

Maria Carolina Cristianini Publicado em 09/08/2019, às 08h00

Processo de mumificação
Processo de mumificação - Crédito: Luiz Iria

A expressão a terra há de comer não faria sentido para as pessoas com dinheiro no Egito antigo. Lá, acreditava-se no ka, uma força que continuava após a morte – desde que o corpo fosse bem conservado. Para isso, usava-se uma técnica inspirada no deserto. Após observar que a areia quente e o ar seco preservavam os mortos, os egípcios criaram um método de dissecação e mumificação acompanhado de um ritual religioso.

As primeiras múmias conhecidas são de 3000 a.C. Privilégio dos monarcas, 800 anos depois é que o processo se estendeu a qualquer um que pudesse pagar. E nem só humanos eram mumificados. Em janeiro, cães foram encontrados em El Faiyum, um oásis a 80 quilômetros do Cairo. “Era uma forma de homenagear animais de estimação”, explica o historiador Julio Gralha, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

As últimas múmias são do século 4 d.C.. A influência romana e o avanço do cristianismo podem ter encerrado a prática.

1. Limpeza geral

O corpo era levado para tendas ao ar livre, em um lugar chamado Ibu (local de purificação), na margem oeste do rio Nilo, onde ficavam os cemitérios. Ali, era entregue a sacerdotes. Em uma mesa inclinada para coletar fluidos, era lavado com vinho de palma e água do rio.

2. Adeus, vísceras

O sacerdote Ut removia os órgãos por um corte do lado esquerdo do abdômen. Só sobrava o coração. Pulmões, intestinos, estômago e fígado iam para recipientes especiais. O resto era jogado no rio Nilo — incluindo o cérebro, que era retirado pelas narinas.

Múmia de Tutancâmon / Crédito: Reprodução

 

3. Guardiões

Os órgãos mais importantes eram armazenados em vasos. Eles representavam os quatro filhos de Hórus, deus dos céus: Duamutef (cachorro) cuidava do estômago; Qebehsenuf (falcão), dos intestinos; Hapi (babuíno), dos pulmões; e Amset (humano), do fígado.

4. Sal até as entranhas

Com o cadáver livre das vísceras, começava o processo de desidratação, feito com natrão, um tipo de sal mineral muito comum na região. O corpo era preenchido e envolvido com esse sal e permanecia assim por 40 dias.

5. Recheio seco

Após a desidratação, havia nova lavagem com água do Nilo e aplicação de substâncias aromáticas e óleos para aumentar a elasticidade da pele. Para não ficar deformado, o corpo era recheado com serragem e plantas secas. Só então recebia até 20 camadas de tiras de linho engomado.

Crédito: Reprodução

 

6. Da cabeça aos pés

A sequência para enrolar o linho começava pela cabeça, continuava pelas mãos (a direita primeiro) e depois pelos pés (na mesma ordem). O sacerdote Hery-Seshta usa uma máscara de Anúbis, deus dos mortos. As bandagens recebiam resina líquida que as mantinha unidas. Enfaixada e protegida, a múmia era devolvida à família e sepultada.